Menu
2019-04-05T14:22:23-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reforma da Previdência

Cadê o Paulo Guedes? O posto Ipiranga sumiu do mapa

Ministro da Economia não deu uma palavra no dia mais relevante de sua gestão até o momento

15 de fevereiro de 2019
5:34 - atualizado às 14:22
mca_abr_0611186829
Ministro da Economista Paulo Guedes. - Imagem: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Depois de 45 dias de mandato e mais de três meses após a eleição, o governo Jair Bolsonaro tomou a decisão mais importante do governo. Fechou o texto base da reforma da Previdência, medida de “salvação nacional”, e onde estava o ministro da Economia, Paulo Guedes?

O homem mais importante no núcleo econômico do governo, que veio para dar um choque liberal em uma economia de bases arcaicas, não deu uma palavra sobre o tema, não emitiu uma nota oficial. Escapou dos jornalistas no Palácio da Alvorada, Procuradoria-Geral da República e Ministério da Economia e embarcou, em silêncio, para o Rio de Janeiro.

Depois de uma reunião no Alvorada, o escalado para dar uma palinha da reforma, depois de vazamentos e falsas “batidas de martelo”, foi o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho. Que com sua calma habitual contornou a ansiedade dos repórteres, que insistentemente perguntavam da idade mínima, para dizer o pouco que foi autorizado a dizer.

Não que a figura do secretário não seja relevante, mas tendo em vista a montanha de expectativas que rondavam o tema e a importância vital dessa reforma, seria de bom tom que Paulo Guedes desse a “boa nova”.

Aliás, Guedes ainda não concedeu nenhuma entrevista coletiva desde que passou a comandar o Ministério da Economia, maior estrutura da Esplanada dos Ministérios, com a fusão de Fazenda, Planejamento, Industria e Comércio e outros órgãos.

A batalha da comunicação

Tenho insistido que até mais importante que conquistar votos no Congresso, ou se serão 62 anos para mulheres ou 65 anos para homens, é ganhar a “batalha da comunicação”. É não deixar que corporações públicas e outros atores se organizem e façam “memes”, vídeos e campanhas usando a figura do pobre como escudo contra a perda de privilégios e "direitos adquiridos".

Ao menos não estou sozinho nisso, em entrevista ao “Estadão”, o ex-ministro Nelson Jobim afirmou que o verdadeiro foco de resistência à reforma está nas corporações do serviço público, como o Judiciário e o Ministério Público. Aliás, já vimos ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) falando em limite às reformas.

Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parecem ter bastante ciência disso, pois já fizeram duras críticas às corporações e às “fake news” sobre o tema. Mas perderam uma grande oportunidade de explicar de forma clara para a população o que se pretende com esse 62/65 e 12 anos de transição.

Usando um termo de mercado, Guedes perdeu a chance de se "alavancar" com custo zero nessa batalha que tem de ser travada diuturnamente, pois teria todos os holofotes sobre ele e suas boas frases e comparações.

Mas enfim, no lado prático da coisa a primeira leitura do mercado foi bastante positiva, com o Ibovespa disparando minutos depois do anúncio para fechar ao redor das máximas do dia, acima dos 98 mil pontos.

As questões em aberto são muitas e até o dia 20 certamente teremos “vazamentos”, “balões de ensaio”, notícias de que essas idades não passam “nem a pau” no Congresso e todo tipo de ruído que informações incompletas podem gerar. O caminho será tortuoso com reflexo imediato nas cotações dos ativos financeiros.

Enquanto isso, ficamos no aguardo de Paulo Guedes e não dá nem para usar o famoso bordão “pergunta lá no posto Ipiranga”, porque ele é o referido posto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

em brasília

Mourão diz que parte dos assessores de Bolsonaro distorce fatos

Vice-presidente afirmou nesta sexta-feira que existe “certa incompreensão” no seu relacionamento com o chefe do Executivo

seu dinheiro na sua noite

Free Solo: Ibovespa escala para perto da marca histórica

Com imagens de tirar o fôlego, o extraordinário documentário Free Solo conta a preparação do alpinista Alex Honnold para chegar ao topo do El Capitan, uma parede rochosa com quase 1000 metros de altura. Detalhe: a escalada é feita sem equipamentos de segurança. O filme vencedor do Oscar está disponível no Disney Plus. Mas quem não é […]

Respiro

E-commerce fatura R$ 7,72 bilhões com Black Friday e Cyber Monday em 2020

O valor representa aumento de 27,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

fechamento dos mercados

Ibovespa engata 5ª semana seguida de alta com Petrobras, Vale e aéreas

Índice local de ações não tinha sequência tão longa de ganhos semanais desde dezembro de 2019; dólar mantém trajetória de queda e juros longos se descomprimem de novo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies