Menu
2019-04-25T06:09:50-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado espera novos desafios para Previdência

Câmara instala hoje a comissão especial, que vai analisar texto da reforma da Previdência e mercado financeiro segue refém do cenário político

25 de abril de 2019
5:31 - atualizado às 6:09
NOVOSDESAFIOS
Desafio em torno da proposta deve ser tão longo e árduo quanto foi na CCJ

A Câmara dos Deputados deve instalar hoje (11h) a comissão especial, que vai analisar o texto da reforma da Previdência, dando início à segunda etapa de tramitação da proposta. E o mercado financeiro doméstico seguirá refém do cenário político, um dia após fortes perdas do Ibovespa e alta acentuada do dólar.

Existe uma pressão para a escolha do presidente e do relator da comissão especial já nesta quinta-feira, logo após a instalação. Porém, parlamentares se movimentam para que a comissão só seja formada após o feriado do Dia do Trabalho, na próxima quarta-feira. No fim, pode dar coluna do meio, compondo a comissão na terça-feira da semana que vem.

A data para a instalação da comissão especial só poderá ser marcada quando pelo menos 25 deputados forem indicados, mas o colegiado só começa a funcionar quando for realizada a primeira reunião. No total, a comissão terá 49 integrantes, número maior que os 34 membros estimados, mas que foi ampliado para acomodar representantes de mais partidos.

Ou seja, o desafio em torno da reforma da Previdência na comissão especial deve ser igualmente longo e árduo, tal qual foi na CCJ - ou até mais. E o governo terá de se esforçar mais para conquistar os votos necessários para aprovar o texto. Mas ainda tem muito ruído político e o mercado não tem a convicção de que uma reforma robusta será aprovada neste ano. O tamanho da economia a ser gerada aos cofres públicos e o timing até a aprovação continuam sendo os maiores riscos.

Para ajudar na articulação na comissão especial, o presidente Jair Bolsonaro deve abrir espaço na agenda para receber parlamentares e líderes partidários. A intenção do Executivo é de continuar com o movimento de aproximação, tentando criar uma base sólida para o governo conseguir aprovar as novas regras para aposentadoria.

Ontem, em pronunciamento em rede nacional, Bolsonaro agradeceu pelo “empenho e trabalho da maioria” dos deputados e pelo “comprometimento” do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com a reforma. Maia, porém, criticou, em entrevista, a associação que se faz do Congresso com a “velha política” e disse que “ninguém explicou o que é a nova política”.

Exterior mais ameno

Apontado como um dos principais fatores para a queda de quase 2% do Ibovespa ontem e pela disparada do dólar rumo à faixa de R$ 4,00, durante a sessão, o mercado internacional está mais tranquilo nesta quinta-feira e não deve pressionar os negócios locais. Ainda assim, os investidores retraem o apetite por ativos de risco.

Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram novamente no vermelho, mostrando fraqueza após o S&P 500 ter alcançado novo topo histórico, na última segunda-feira. A falta de tração em Wall Street penalizou o pregão na Ásia, onde apenas Tóquio subiu (+0,5%), enquanto Hong Kong caiu 0,8% e Xangai teve queda firme (-2,4%).

A bolsa japonesa reagiu à decisão do Banco Central do país (BoJ), que disse esperar manter as taxas de juros no Japão em níveis extremamente baixos até a primavera (no hemisfério norte) de 2020. Já os mercados chineses mostraram preocupação quanto à redução dos estímulos econômicos na China.

Na Europa, as principais bolsas iniciaram a sessão sem um rumo definido. Nos demais mercados, o dólar segue ganhando terreno das moedas rivais, ao passo que o petróleo volta a subir. Os investidores seguem à espera de indicadores para mensurar o crescimento econômico nos Estados Unidos e os resultados das empresas norte-americanas.

IPCA-15 em destaque

A prévia deste mês da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA-15) é o destaque da agenda econômica desta quinta-feira. E a previsão é de que o número tenha sido bem salgado, com alta de 0,70%, acelerando-se ainda mais em relação à março (+0,54%), quando o índice já havia ganhado força frente ao mês anterior (+0,34%).

Com isso, a taxa acumulada em 12 meses deve subir a 4,70%, ficando acima da meta perseguida pelo Banco Central, de 4,25%. Os números oficiais serão divulgados às 9h e devem refletir um pressão
nos preços de alimentos, combustíveis, passagens aéreas e energia elétrica. Antes, sai o índice de confiança do consumidor em abril (8h).

Ainda no calendário doméstico, será publica a nota do BC sobre o setor externo em março (10h30). Na safra de balanços, o Bradesco publica o resultado financeiro do primeiro trimestre antes da abertura do pregão local, enquanto Localiza e Renner divulgam seus números após o fechamento da sessão.

No exterior, a agenda econômica segue fraca, trazendo apenas as encomendas de bens duráveis nos EUA em março e os pedidos de auxílio-desemprego feitos no país na semana passada, ambos às 9h30. Entre os balanços, serão publicados os demonstrativos contábeis de American Airlines, 3M, Amazon, Intel, entre outras.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril mostram melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Aperto monetário

Vem aí uma alta de 1 ponto na Selic? Por que o mercado elevou as projeções para os juros após a ata do Copom

Juro básico da economia pode subir para 5,25% ao ano já em agosto se o Copom decidir apertar o ritmo de elevação da Selic para conter as pressões inflacionárias

Novo passo

PDG lança Vernyy, nova unidade de negócios de prestação de serviços imobiliários

Construtora está diversificando atividades como parte do seu plano de recuperação judicial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies