A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-14T14:23:04-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
consumidor atento

Deflação de setembro não indica enfraquecimento mais grave da economia, diz especialista

Para André Braz, do Ibre/FGV, não há expectativa de novas quedas, mas de que a inflação continue baixa; índice reflete nível alto de desemprego

10 de outubro de 2019
8:12 - atualizado às 14:23
andre braz fgv
"O repasse fica limitado pela questão da demanda (baixa), desemprego alto não possibilita repasses instantâneos", diz André Braz. - Imagem: FGV/Youtube/reprodução

A deflação de setembro é pontual e não indica um enfraquecimento mais grave da economia brasileira, segundo o economista André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV).

"Não há expectativa de novas quedas, mas de que a inflação continue baixa." Segundo ele, a inflação na casa dos 3% reflete a economia lenta e com alto nível de desemprego, um cenário que não permite nem o repasse da alta do dólar. "O repasse fica limitado pela questão da demanda (baixa), desemprego alto não possibilita repasses instantâneos." A seguir, trechos da entrevista.

A deflação é pontual ou há uma tendência?

É pontual. Os números estão baixos, mas, estatisticamente, nem negativo foi (em setembro). Se a gente considerar esse número (0,04%) com uma casa decimal, seria zero. É um número muito baixo influenciado por alimentos in natura. A deflação está concentrada em produtos cuja oferta é forte. Produtos que não toleram estoque e que, se a quantidade (ofertada) é maior do que a demandada, há uma queda no preço.

O perigo da deflação é quando há um processo persistente e generalizado em vários outros produtos importantes, como serviços médicos, bens duráveis e alimentos industrializados. Aí é um processo revelando uma economia muito mais enfraquecida. Agora, não há expectativa de novas quedas, mas de que a inflação continue baixa. Há mecanismos em curso para fazer com que a economia se aqueça. O Banco Central tem reduzido a Selic (a taxa básica de juros) gradualmente. Tem movimentos na economia que podem fazer com que ela se recupere mais rapidamente, mas é um cenário mais para 2020. Uma parte dessa inflação baixa também está relacionada ao nível de desemprego. Quando a economia está crescendo pouco - a previsão de PIB para este ano é 0,8% -, com um nível de desemprego de 11%, não há chance de alta de preço de outros produtos, como bens duráveis.

Já tivemos casos de deflação no ano passado. Esses episódios não costumavam se repetir...
Tivemos deflação em agosto do ano passado, de 0,09%, e em novembro, de 0,21%. Também foram pontuais. Às vezes, a deflação acontece, por exemplo, quando se muda a bandeira vermelha na energia para verde. Como a queda no preço é nacional e em cima de uma despesa importante no orçamento, acaba levando a inflação para um patamar negativo, mas é um efeito transitório, não generalizado. No caso de agora, a causa é uma queda no preço de alimentos in natura. Eles subiram muito no primeiro semestre, com problemas de oferta. Como os últimos meses têm sido de clima mais favorável à oferta desses alimentos, isso tem permitido quedas nos preços. Como já estamos na primavera, o desafio climático é maior para esses produtos, que passarão de mocinhos para bandidos rapidamente.

O dólar tem se desvalorizado e, mesmo assim, temos deflação. O que acontece que os preços não estão sob pressão?
O repasse é gradual. Essa desvalorização aconteceu há pouco tempo. Ela chega primeiro ao consumidor encarecendo derivados de grandes commodities agrícolas, como milho, soja e trigo. O trigo contamina toda a família de pães. A soja é basicamente ração animal, então frango e suíno costumam subir de preço. Assim, quanto mais tempo a taxa de câmbio continuar nesse patamar, maior a probabilidade de contaminar alguns preços. Sem contar a gasolina. A Petrobrás também movimenta o preço da gasolina tanto pela variação cambial como pelo preço do petróleo. Mas existem outras questões que diminuem a possibilidade de repasse cambial. Você pode ter uma desvalorização cambial afetando commodities, mas, por outro lado, safras boas favorecendo a queda do preço desses grãos em Bolsas internacionais.

Mas esse é o caso agora?
É o caso para milho e trigo, mas não para a soja, que teve um probleminha de expectativa de safra ruim nos Estados Unidos. Essa questão cambial fica também limitada pela questão da demanda, desemprego alto não possibilita repasses instantâneos. Tudo é mais lento. Mas, se a taxa de câmbio continuar nesse patamar por muito tempo, com certeza vai haver algum repasse.

A deflação é pontual, mas, mesmo assim, a inflação está abaixo da meta de 4,25% para 2019. O Banco Central demorou para reduzir a taxa de juros?
Não. Mexeu na hora certa. A inflação não está abaixo do intervalo da meta (2,75% a 5,75%). Ela vai se recuperar a partir de novembro e a taxa de 12 meses vai avançar. Devemos encerrar o ano com uma inflação de 3,3%. Uma inflação baixa, sim, que reflete o PIB de 0,8% aguardado para o ano e uma economia com desemprego ainda elevado. O ideal é que estivéssemos terminando o ano com a inflação mais na meta, o que provavelmente indicaria um nível de desemprego menor e um PIB maior.

*Como informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa e dólar têm leve alta após dia volátil; ressaca pós-Fed perseguiu o mercado

18 de agosto de 2022 - 18:16

O Ibovespa conseguiu ampliar a sua sequência de ganhos, mas foi por um triz. O dia foi marcado por forte volatilidade

Market Makers

Dólar deve voltar a disparar no final do ano – e não tem nada a ver com as eleições, diz CEO da Armor Capital

18 de agosto de 2022 - 18:03

No episódio #08 do Market Makers, Alfredo Menezes e Rodrigo Campos, da Armor Capital, apontam seus prognósticos para o dólar e para as bolsas

TAP TON VAI AJUDAR?

Stone (STNE) sai do lucro para prejuízo de R$ 489,3 milhões no 2T22; mercado não perdoa desempenho e ações caem

18 de agosto de 2022 - 17:29

Vale lembrar que a base de comparação anual envolve um período conturbado para a história da Stone. Entre abril e junho de 2021, a empresa paralisou as concessões de seu produto de crédito e aumentou as provisões após um forte crescimento da inadimplência dos empréstimos que haviam sido concedidos.

MERCADO DE TRABALHO

Dia do estagiário: Saiba quais são as áreas e locais com mais vagas de estágio

18 de agosto de 2022 - 16:53

As oportunidades, em maior parte, são para áreas administrativa, recursos humanos, engenharia, comunicação e finanças

AO LADO DO REGULADOR

Mercado Bitcoin se une à CVM e lança grupo de estudos em criptomoedas para impulsionar setor no Brasil

18 de agosto de 2022 - 16:25

Quem representará o Mercado Bitcoin no grupo será Juliana Facklmann, diretora de Assuntos Regulatórios do MB

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies