Menu
2019-12-27T10:03:49-03:00
Última medição de 2019

Confiança da indústria sobe 3,2 pontos em dezembro, diz FGV

Indicador atingiu a marca de 99,5 pontos ante os 96,3 do mês anterior, na série com ajuste sazonal

27 de dezembro de 2019
10:03
Indústria
Imagem: Shutterstock

A confiança da indústria avançou 3,2 pontos em dezembro e atingiu a marca de 99,5 pontos ante os 96,3 do mês anterior, na série com ajuste sazonal, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com isso, o indicador acumula alta de 3,9 pontos no quarto trimestre do ano.

Todos os componentes do índice mostraram melhora na margem. O Índice de Situação Atual (ISA) subiu quatro pontos, de 95,8 pontos para 99,8, o maior valor desde maio de 2018 (100,2). O indicador que mede a satisfação com a situação atual dos negócios foi o que exerceu maior influência sobre o ISA, passando de 95,2 para 100,9 pontos, maior valor desde outubro de 2013.

O porcentual de empresas que avaliam a situação atual dos negócios como boa passou, entre novembro e dezembro, de 14,8% para 17,6% do total, enquanto a razão das que avaliam a situação como fraca caiu de 20,5% para 14,6%.

Já o Índice de Expectativas (IE) aumentou 2,4 pontos, para 99,2, a segunda alta consecutiva. A expectativa com relação ao volume de pessoal ocupado nos próximos três meses foi a que mais contribuiu para o avanço do índice, passando de 93,8 pontos para 97,2 pontos.

A proporção de empresas que prevê aumento de pessoal ocupado passou de 14,0% para 15,4% e a razão das que projetam redução oscilou de 13,8% para 13,5%.

Já o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) recuou 0,2 ponto porcentual, para 75,1%. Apesar de se tratar da segunda queda consecutiva na margem, o Nuci encerra 2019 0,8 ponto porcentual acima do nível de janeiro deste ano, de 74,3%.

"A indústria fecha o ano com boas notícias. A alta da confiança em dezembro é reflexo principalmente da melhora na percepção dos empresários a sobre os negócios e do aumento do otimismo em relação aos próximos meses. Para 2020, a continuidade da evolução favorável da confiança dependerá tanto de uma efetiva recuperação da demanda interna quanto da redução dos níveis de incerteza", diz, em nota, a economista da FGV Renata de Mello Franco.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

medo do calote

Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander somam R$ 31,5 bi em provisões

Cifra representa mais que o dobro dos ganhos no período: o lucro líquido recorrente foi de R$ 13,5 bilhões de abril a junho, queda de 37,3%

varejo em transformação

Magazine Luiza encaixa ‘última peça’ de ecossistema com novas aquisições

Varejista comprou empresas que produzem conteúdo e publicidade, passo estratégico para a companhia expandir mercado-alvo potencial

de olho nos balanços

Multiplan e Notre Dame Intermédica: os balanços que movimentam o mercado nesta sexta-feira

Ibovespa deve ser influenciado por, entre outros fatores, os números do segundo trimestre das duas companhias

esquenta dos mercados

TikTok na mira dos EUA aprofunda crise com a China e mercados azedam

Na agenda do dia, o destaque é o relatório do emprego americano, o payroll. No Brasil, os investidores ficam de olho na inflação oficial, o IPCA.

decisões em meio à crise

Justiça determina que Renault reintegre 747 demitidos em julho

Trabalhadores da fábrica estão em greve desde o anúncio dos cortes e decidiram na quinta-feira, 6, manter a paralisação até que a empresa reabra negociações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements