Menu
2019-07-16T11:05:35-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
risk-on

Para 90% dos gestores, Ibovespa termina o ano acima dos 110 mil pontos

Pesquisa do Bank of America Merrill Lynch também mostra que câmbio deve ficar entre R$ 3,6 a R$ 3,8 e Selic entre 5,5% e 6%

16 de julho de 2019
11:05
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

Depois do desânimo de maio, a percepção dos gestores com relação ao Brasil passou por firme recuperação, acompanhando o avanço da reforma da Previdência. Pesquisa do Bank of America Merrill Lynch mostra que quase 90% deles acreditam em Ibovespa acima dos 110 mil pontos até o fim do ano (48% em junho), dólar entre R$ 3,6 e 3,8 e Selic na faixa de 5,5% a 6% ao ano.

Desde as mínimas registradas em maio, o índice MSCI Brasil acumula alta de 25% contra uma valorização de 6% do MSCI para países emergentes. Segundo o banco, o momento é de tomada de risco (risk-on), com menores níveis de caixa, maiores exposições ao mercado e menores posições defensivas.

A pesquisa também mostra que os investidores estão se posicionando para uma retomada do consumo, com mais gestores ampliando posições em ações do setor. Também há aumento de exposição ao setor financeiro.

Previdência

Com a aprovação em primeiro turno da reforma da Previdência, os investidores subiram a barra com relação à economia que seria vista como satisfatória. Até então, algo na linha dos R$ 700 bilhões era visto como positivo.

Agora, a linha subiu para R$ 900 bilhões, indicando que os gestores não acreditam em desidratação da reforma nas etapas que faltam (segundo turno na Câmara e Senado). A aprovação final do texto acontecerá no terceiro trimestre para 77% dos entrevistados, contra 55% em junho.

Para ter uma avaliação ainda mais positiva com relação ao país, 40% dos gestores esperam progresso em outras reformas (30% em junho) e outros 37% falam em crescimento econômico mais forte (44% em junho).

Os investidores continuam acreditando que o país vai retomar o grau de investimento, mas há grande divisão com relação ao timing. Quase metade trabalha com 2021, 20% acredita em 2022 e o restante acredita que isso só acontece em 2023 ou depois.

Riscos

Perguntados sobre quais os maiores riscos para o cenário na América Latina, 23% citaram a guerra comercial, outros 20% apontaram uma desaceleração na economia chinesa, com reflexo no preço das commodities, e outros 20% citaram possíveis erros de política do Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Pesquisa Global

A melhora de percepção não é exclusividade do Brasil. Na sondagem com gestores globais, caiu de 50% para 30% a fatia de gestores que acredita em menor crescimento global nos próximos 12 meses.

Os gestores também ampliaram a alocação no mercado de ações, saindo de “abaixo da média”, para 10% “acima da média”.

“O aceno do Fed e a trégua na guerra comercial levaram os investidores a reduzir posição em caixa e tomar risco. Mas as expectativas de menores lucros e redução de endividamento continuam dominando o sentimento”, disse o estrategista-chefe do banco, Michael Hartnett, em nota.

O que gestores não enxergam é inflação, já que apenas 1% acredita em aumento nos índices de preços ao longo dos próximos 12 meses.

Os gestores mostram preocupação com o endividamento das empresas (48%), e para 73% deles o atual ciclo de negócios representa um risco para a estabilidade financeira, maior leitura em oito anos.

A pesquisa foi feita entre os dias 5 e 11 de julho com 207 gestores responsáveis por US$ 598 bilhões. Participaram da pesquisa global 162 gestores, com US$ 489 bilhões. As pesquisas regionais tiveram 102 participantes, com US$ 242 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

bem na praça

Fintechs e corretoras lideram avaliações positivas de clientes

Nota geral mais alta foi da corretora Órama, com 4,64, em uma escala de 0 a 5. Ela foi seguida pelo Nubank (4,37), Banco Inter (4,31), a corretora Mirae (4,22) e o BTG Pactual Digital (4,20)

olho na composição

Ações de companhias elétricas podem equilibrar a carteira de investimentos

Empresas são consideradas mais resistentes a ciclos de baixo crescimento da economia e sentem menos os altos e baixos da Bolsa

sem privilégios

Petrobras pode perder direito de preferência no próximo leilão do pré-sal

Segundo jornal, avaliação é de que esse direito distorce a concorrência e afasta competidores

O que esperar dos mercados?

BCs, Davos e feriados pautam os negócios na semana

Enquanto líderes mundiais viajam para o Fórum Econômico de Davos, os investidores aguardam novidades dos BCs e da atividade doméstica. Feriados diminuem a liquidez dos negócios

dinheiro no caixa

Ânima Educação anuncia oferta de ações que pode movimentar R$ 1 bilhão

Empresa quer recursos para novas aquisições estratégicas e investimentos nas atuais linhas de negócio da companhia

na mesma

China mantém taxas de juros de referência inalteradas pelo 2º mês seguido

Taxa de empréstimos de um ano, que em agosto passou a ser uma taxa principal, permanece em 4,15%

empresário tinha 96 anos

Morre fundador do grupo Queiroz Galvão

Fundador ao lado de seus irmãos Dario, João e Mário em 1953, Antônio ajudou a transformar a pequena construtora de Pernambuco em uma das maiores empreiteiras do País

Seu Dinheiro Premium

Os segredos da bolsa: ações de dois setores têm uma semana intensa pela frente

A agenda econômica doméstica continua no centro das atenções do mercado, mas diversos eventos no exterior podem trazer volatilidade à bolsa

De olho nos desbancarizados

Fintech do Santander, Superdigital quer ser a conta dos MEI e das classes C e D

Banco digital de bancão, a Super dá lucro, cobra tarifa e não se volta para os millenials descolados. Foco são os desbancarizados e, sobretudo, as folhas de pagamento dos grandes empregadores.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements