Menu
2019-12-30T20:03:16-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
FECHAMENTO DO ANO

Ibovespa termina 2019 com alta de mais de 30%; veja como foi o ano de recordes do principal índice da bolsa brasileira

Na máxima do ano, índice chegou a superar os 117 mil pontos, mas fechou aos 115.645,34, uma queda de 0,76% no último pregão de 2019.

30 de dezembro de 2019
19:27 - atualizado às 20:03
Foguete voando na frente do Ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Quem investiu na bolsa brasileira em 2019 se deu bem. Apesar da queda de 0,76% no último pregão do ano (30) - um dia de volumes de negociação baixos, exterior negativo e movimentos técnicos de realização de lucros -, o Ibovespa terminou 2019 com um ganho de 31,58%, aos 115.645,34 pontos.

Só em dezembro, o avanço foi de 6,85%, em quatro semanas consecutivas de valorização.

O otimismo no mês foi resultado de perspectivas mais otimistas para o PIB de 2019, com uma sucessiva divulgação de números positivos, e por um ambiente externo mais favorável, com o fechamento do acordo de primeira fase entre Estados Unidos e China dando uma trégua na guerra comercial.

Nesta segunda, o Ibovespa até ensaiou uma alta no começo da manhã, reflexo do otimismo dos investidores com a notícia de que tal acordo já seria assinado nesta semana.

Porém, o desempenho negativo das bolsas americanas no pregão de hoje fez o Ibovespa virar.

Um ano pra lá de bom

O ano de 2019 teve um cenário muito favorável para a bolsa, com queda nos juros futuros e cortes sucessivos na Selic que reduziram a atratividade da renda fixa conservadora e aumentaram a dos ativos de risco, como as ações.

Além da migração dos recursos dos investidores locais (o gringo, afinal, não inundou nosso mercado de dólares como esperávamos) da renda fixa para a bolsa, os investidores também apostaram na agenda liberal do governo de Jair Bolsonaro desde o início do ano.

  • Novo projeto do Seu Dinheiro: Tacadas de Mestre: a chance da década para você se tornar um grande investidor

Não foi à toa que o Ibovespa já apresentou uma alta de 10,82% logo em janeiro. A animação do mercado tinha um nome: reforma da Previdência. A expectativa era que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) seria apresentada à Câmara já em fevereiro e que o governo tinha boas chances de aprová-la até a metade do ano.

Porém, o mês seguinte reservou algumas surpresas. As trapalhadas com a reforma da Previdência aliadas aos temores de baixo crescimento econômico mundial e ao acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China jogaram um balde de água fria nos investidores. Naquele mês, o Ibovespa fechou com queda de 1,86%.

Os meses seguintes, contudo, foram mais positivos, e até mesmo a "maldição de maio" - aquela ideia do mercado de que maio é sempre um mês de perdas - foi quebrada. Naquele mês, o Ibovespa chegou a bater a mínima do ano (89.992 pontos), mas conseguiu terminar no azul por um triz: alta de 0,7%, o primeiro resultado positivo em maio desde 2010.

Após a reforma da Previdência

O segundo semestre foi marcado pela aprovação da reforma da Previdência em outubro. Naquele mês, também houve outros dois acontecimentos marcantes, desta vez no cenário internacional: o fechamento de um acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China e a aprovação de um acordo entre Reino Unido e União Europeia para o Brexit.

Tanto a guerra comercial quanto o Brexit eram fatores que pesavam sobre os mercados porque poderiam pesar sobre o crescimento mundial. As tréguas representaram um forte alívio para os ativos de risco.

Nos meses seguintes, vimos uma sucessão de bons indicadores econômicos no Brasil, nos Estados Unidos e na China. Enquanto os dados locais sugerem o início de uma bem-vinda e necessária recuperação econômica, os dados dos outros dois países reduzem os temores de uma recessão global ou mesmo de uma desaceleração econômica mais forte.

Em dezembro, Estados Unidos e China finalmente fecharam a primeira fase do seu acordo comercial, sacramentando a trégua tão ansiada pelo mercado. Na semana de Natal, o Ibovespa deu uma de Papai Noel e presenteou os investidores com duas máximas históricas: o recorde de fechamento em 26 de dezembro, quando o índice terminou o pregão aos 117.203,2 pontos; e o recorde intradiário de 117.802,9 pontos no dia 27.

De olho em 2020

As perspectivas continuam positivas para o Ibovespa em 2020. Especialistas do mercado financeiro são unânimes em afirmar que o índice continuará subindo no próximo ano.

Para os mais otimistas, ele tem potencial para avançar até 20% em relação aos níveis atuais. A razão está ligada a dois fatores: taxas de juros baixas e crescimento da economia brasileira, que abrem espaço para que as ações sigam se valorizando, especialmente as de empresas voltadas ao mercado doméstico.

Apesar das expectativas mais positivas para a bolsa, o ideal é que o investidor não se esqueça de investir também em um seguro.

Afinal, nada melhor do que lucrar na alta e perder menos dinheiro na baixa. Ativos como ouro e dólar ajudam a amortecer as perdas que a bolsa eventualmente possa ter ao longo do ano que vem.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

balanço

Crise do 737 Max faz Boeing ter o primeiro ano de prejuízo desde 1997

Empresa perdeu US$ 636 milhões em 2019, após apresentar prejuízo de US$ 1,01 bilhão no quarto trimestre – analistas esperavam por lucro de US$ 636 milhões no período

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Expectativa

Ibovespa abre em alta e dólar fica estável; mercados aguardam a decisão de juros nos EUA

Sem tirar o coronavírus do radar, o Ibovespa acompanha o exterior e opera em leve alta, aguardando o parecer do Federal Reserve em relação à taxa de juros nos EUA

no balanço

Santander Brasil tem lucro de R$ 14,5 bilhões em 2019, e aumenta a participação nos ganhos do grupo

Filial brasileira divulgou resultados do quarto trimestre; lucro chegou a R$ 3,7 bilhões, avançando 9,49%; retorno sobre patrimônio bate 21,3%

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

A elite financeira do país se reúne em um evento do banco Credit Suisse para discutir a economia. Um dos sócios de uma das gestoras mais renomadas do país disse que a maioria das ações do Ibovespa está cara. Nos mercados, as atenções se dividem entre o avanço do coronavírus e a decisão de hoje do Federal […]

auditoria da auditoria?

Bolsonaro vê ‘coisa esquisita’ no BNDES e Montezano deve se explicar nesta quarta

Banco gastou R$ 48 milhões em auditoria; atual presidente autorizou aditivo do contrato inicial

Esquenta dos mercados

Em compasso de espera por decisão do Federal Reserve, bolsas ensaiam mais um dia de recuperação

Coronavírus continua trazendo cautela aos mercados, mas as bolsas tentam engatar mais um dia de recuperação

pode não acontecer

Auditoria em contrato com a Odebrecht pode ser abortada

Após a auditoria do BNDES nas operações da JBS apontar inexistência de indícios de irregularidade e gastar R$ 48 milhões, avaliação é que “não faz mais sentido” gastar recursos

conflito internacional

Trump revela ‘plano de paz’ para Oriente Médio; palestinos são contrários ao projeto

Israel teria controle sobre a totalidade de Jerusalém como sua capital. O plano também propõe a criação de uma capital da Palestina na periferia a leste de Jerusalém

Vendas de iPhones aumentam e Apple supera estimativas no 4º trimestre

Vendas do produto somaram US$ 55,96 bilhões, ao passo que as estimativas eram de US$ 51,6 bilhões e o desempenho do quarto trimestre de 2018 havia sido de US$ 52 bilhões.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements