Menu
2019-12-23T16:22:36-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Bolsa e dólar hoje

Ibovespa tem reação contida a corte de tarifas pela China; Ação da B3 lidera quedas

No último pregão antes do Natal (a bolsa fecha amanhã e quarta-feira), o volume negociado de negociações do Ibovespa tende a ser baixo, a exemplo do que acontece lá fora

23 de dezembro de 2019
10:19 - atualizado às 16:22
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A descompressão em torno da guerra comercial não é suficiente para animar os investidores em ações nesta segunda-feira (23). O Ibovespa apenas flutua ao redor da estabilidade, com um ligeiro viés positivo, destoando das bolsas americanas, que sustentam desempenho positivo.

  • Oportunidade: Contrate o Ivan Sant’Anna como seu mentor de investimentos. Saiba mais aqui.

Por volta de 16h15, o principal índice acionário do Brasil operava em alta de 0,03%, aos 115.075,09 pontos. Lá fora, o Dow Jones (+0,39%), o S&P 500 (+0,15%) o Nasdaq (+0,32%) sobem em bloco, impulsionados pelo noticiário internacional.

Afinal, o governo chinês anunciou nesta manhã que cortará tarifas de importação sobre carne de porco congelada, farmacêuticos e alguns componentes de alta tecnologia a partir de 1º de janeiro — uma medida que abre caminho para que EUA e China assinem a primeira fase do acordo comercial o mais rápido possível.

Com o fechamento do acerto, os mercados apostam num menor risco de desaceleração econômica em escala global, o que reduziria boa parte das preocupações dos investidores em relação ao cenário macroeconômico para 2020. E, considerando esse cenário, as bolsas americanas encontram espaço para continuar subindo.

O noticiário também trouxe alívio ao câmbio: no mesmo horário, o dólar à vista recuava 0,45%, a R$ 4,0758, devolvendo boa parte dos ganhos acumulados na última sexta-feira, quando a divisa americana fechou em alta de 0,80%, a R$ 4,0947.

O dólar perde terreno em escala global nesta segunda-feira, com os investidores sentido-se mais à vontade para assumir riscos no mercado de câmbio, em meio à evolução positiva nas negociações entre Washington e Pequim. O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta com as principais divisas do mundo, opera em leve baixa.

Na comparação com as moedas de países emergentes, o dólar também perde força em relação ao peso colombiano, o peso chileno e o rand sul-africano, entre outras — contexto que ajuda o real.

Mas... e o Ibovespa? Por que o principal índice da bolsa brasileira não consegue acompanhar a calmaria vista no mundo?

Noticiário agitado

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que o mercado acionário local vem de uma sequência de sessões positivas, acumulando ganhos de mais de 6% somente em dezembro — o que facilita eventuais movimentos de realização de lucros.

Considerando isso, também há o noticiário corporativo relativamente intenso nesta segunda-feira. Em destaque, aparecem as ações ON da B3 (B3SA3), que caem 5,25% e têm o pior desempenho do Ibovespa.

Os investidores mostram-se receosos quanto ao possível fim do monopólio no mercado de ações no Brasil. A B3, dona da Bovespa, BM&F e Cetip, fechou um acordo para prestar serviços a uma bolsa concorrente que quiser operar no segmento de negociação com ações brasileiras.

Outro destaque é JBS ON (JBSS3), em alta de 0,69%, depois da compra dos ativos de margarina no Brasil da Bunge, anunciada na sexta-feira à noite. A aquisição, realizada pela Seara, envolveu um valor total de R$ 700 milhões.

Fora do Ibovespa, destaque para os papéis da Oi, após a operadora de telefonia anunciar a captação de R$ 2,5 bilhões por meio de uma emissão de debêntures, mas em condições bem duras. As ações ON (OIBR3) caem 2,25%, enquanto as PNs (OIBR4) ficam estáveis.

Top 5

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

  • CSN ON (CSNA3): +5,21%
  • Eletrobras ON (ELET3) +3,39%
  • Via Varejo ON (VVAR3): +2,46%
  • Eletrobras PNB (ELET6): +2,34%
  • Natura ON (NTCO3): +2,25%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

  • B3 ON (B3SA3): -5,25%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -2,05%
  • Qualicorp ON (QUAL3): -1,92%
  • Suzano ON (SUZB3): -1,42%
  • Multiplan ON (MULT3): -1,25%

Juros em baixa

As curvas de juros operam em queda nesta segunda-feira, em linha com o comportamento do dólar à vista. Veja como estão os principais DIs neste momento:

  • Janeiro/2021: de 4,63% para 4,62%;
  • Janeiro/2023: de 5,97% para 5,92%;
  • Janeiro/2025: de 6,64% para 6,59%;
  • Janeiro;2027: de 6,99% para 6,94%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SANGUE FRIO E CAPACITADO

‘Pessoa física deu show este ano’, diz presidente da B3

Investidor pessoa física aproveitou baixa do mercado e se posicionou para alta, enquanto institucionais e estrangeiros saíam do mercado, diz Finkelsztain

raio-x do setor

Lançamentos de imóveis no país caem no 3º tri, diz CBIC; vendas sobem

O estoque de imóveis disponíveis para venda chegou a 173.601 unidades em setembro, corte de 13% em relação ao mesmo período do ano passado.

Na briga pelo cliente

Na onda da taxa zero, Vitreo lança home broker com tarifa zerada

Isenção de taxa de corretagem é somente para aqueles que que executarem a ação utilizando uma boleta simplificada no site ou no aplicativo.

regulação dos aai

Estudo da CVM recomenda fim da exclusividade entre agentes autônomos e corretoras

Análise da xerife do mercado de capitais aponta necessidade de reavaliar exclusividade desse profissional, prevista em instrução da autarquia. Hoje, maioria absoluta dos agentes se encontra sob o guarda-chuva da XP

Ainda é hora de comprar

BTG Pactual aponta venda de florestas como positiva para Suzano e vê ação barata

Os analistas do BTG calculam o preço-alvo das ações da Suzano em R$ 59 nos próximos 12 meses, o que representa um potencial de alta de pouco mais de 15%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies