Menu
2019-12-23T18:34:14-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Ho-ho-ho!

Presentes de Natal: Ibovespa sobe e chega a mais um recorde; dólar cai a R$ 4,08

Em meio ao noticiário positivo no front da guerra comercial, o Ibovespa encontrou espaço para subir mais um pouco e, com isso, chegar a uma nova máxima de fechamento, aproximando-se dos 116 mil pontos.

23 de dezembro de 2019
18:34
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A bolsa brasileira estará fechada na terça (24) e na quarta (25), por causa do feriado de Natal. Então, Papai Noel precisou antecipar a visita aos investidores, deixando alguns presentes ao pé da árvore do Ibovespa.

Mas, depois de um ano tão positivo, o que mais os agentes financeiros poderiam pedir? Bem, como não há nada que não possa melhorar, o bom velhinho sabia exatamente o que faria o Natal dos agentes financeiros ser ainda melhor: um novo recorde para o índice.

Pois foi exatamente isso que os investidores encontraram ao abrir os pacotes: depois de passar boa parte do pregão desta segunda-feira perto do zero a zero, o Ibovespa ganhou força na reta final e terminou o dia em alta de 0,64%, aos 115.863,29 pontos, atingindo mais uma máxima de fechamento.

O presente não é inédito: somente em dezembro, é a nona vez que o Ibovespa atinge novos topos históricos. Mas, nesse caso, os agentes financeiros nem ligam — ninguém reclama dessa figurinha repetida.

A última sessão antes do Natal também trouxe algumas surpresas para o mercado de câmbio: o dólar à vista fechou em queda de 0,32%, a R$ 4,0817, acompanhando a tendência vista no exterior.

Ho-ho-ho!

Noite feliz

Essa nova rodada de alívio nos mercados financeiros do Brasil se deve ao alívio vindo do exterior, mais precisamente da China: na noite de domingo para segunda, o governo de Pequim anunciou o corte de tarifas de importação sobre carne de porco congelada, farmacêuticos e alguns componentes de alta tecnologia, a partir de 1º de janeiro.

A medida abre caminho para que EUA e China assinem a primeira fase do acordo comercial o mais rápido possível — e, com o acerto, os mercados apostam num menor risco de desaceleração econômica em escala global.

Assim, considerando esse cenário, as bolsas americanas encontraram espaço para continuar subindo: o Dow Jones fechou em alta de 0,34%, o S&P 500 avançou 0,09% e o Nasdaq teve ganho de 0,23% — os três índices também atingiram novos recordes de encerramento.

E, com o tom positivo visto no exterior, o Ibovespa aproveitou para pegar carona e comemorar o Natal antecipadamente.

Bate o sino

O noticiário referente à guerra comercial fez bater o sino do alívio no mercado de câmbio, com o dólar à vista devolvendo parte dos ganhos acumulados na última sexta-feira, quando a divisa americana fechou em alta de 0,80%, a R$ 4,0947.

O dólar perdeu terreno em escala global nesta segunda-feira, com os investidores sentido-se mais à vontade para assumir riscos no mercado de câmbio, em meio à evolução positiva nas negociações entre Washington e Pequim. O índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana ante uma cesta com as principais divisas do mundo, fechou em leve baixa.

Na comparação com as moedas de países emergentes, o dólar perdeu força em relação ao peso colombiano, o peso chileno e o rand sul-africano, entre outras — contexto que ajudou o real.

Por fim, as curvas de juros terminaram em queda, em linha com o comportamento do dólar. Veja como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,63% para 4,62%;
  • Janeiro/2023: de 5,97% para 5,90%;
  • Janeiro/2025: de 6,64% para 6,56%;
  • Janeiro/2027: de 6,99% para 6,90%.

Presentes

O noticiário corporativo foi relativamente intenso nesta segunda-feira. Em destaque, apareceram as ações ON da B3 (B3SA3), que caíram 4,54% e tiveram o pior desempenho do Ibovespa.

Os investidores mostraram-se receosos quanto ao possível fim do monopólio no mercado de ações no Brasil. A B3, dona da Bovespa, BM&F e Cetip, fechou um acordo para prestar serviços a uma bolsa concorrente que quiser operar no segmento de negociação com ações brasileiras.

Outro destaque foi JBS ON (JBSS3), em alta de 1,23%, depois da compra dos ativos de margarina no Brasil da Bunge, anunciada na sexta-feira à noite. A aquisição, realizada pela Seara, envolveu um valor total de R$ 700 milhões.

Fora do Ibovespa, destaque para os papéis da Oi, após a operadora de telefonia anunciar a captação de R$ 2,5 bilhões por meio de uma emissão de debêntures, mas em condições bem duras. As ações ON (OIBR3) caíram 2,25%, enquanto as PNs (OIBR4) ficaram estáveis.

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

  • Eletrobras ON (ELET3): +7,00%
  • CSN ON (CSNA3): +5,21%
  • Eletrobras PNB (ELET6): +3,44%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): +3,07%
  • Braskem PNA (BRKM5): +3,07%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

  • B3 ON (B3SA3): -4,54%
  • Qualicorp ON (QUAL3): -1,36%
  • NotreDame Intermédica ON (GNDI3): -1,26%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -1,03%
  • Marfrig ON (MRFG3): -0,95%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

abrindo os negócios

Ibovespa abre em queda com desentendimento entre Guedes e Campos Neto; dólar e juros sobem com temor fiscal

Embate no seio da equipe econômica deixa investidores cautelosos. Mercados nos Estados Unidos ficam fechados por ocasião do Dia de Ação de Graças

DINHEIRO NO BOLSO

Smiles e Guararapes anunciam pagamento de JCP

Empresa de fidelidade vai pagar R$ 53,9 milhões, enquanto confecção vai repassar R$ 202,5 milhões aos acionistas

Passivo ambiental

Conta da Braskem por afundamento de bairros em Maceió pode chegar a quase R$ 11 bilhões

Medidas para o encerramento das atividades na capital de Alagoas determinadas pela Agência Nacional de Mineração (ANM) podem aumentar despesa da Braskem em mais R$ 3 bilhões

Nova operação

Lava Jato mira ex-funcionário da Petrobras pela 2ª vez por US$ 2,2 mi em propinas

Agentes cumprem dois mandados de busca e apreensão em Angra dos Reis e Araruama, no Rio de Janeiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies