Menu
2019-12-19T18:54:56-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Não para de subir

Virou rotina: Ibovespa fecha em alta e crava mais um recorde de fechamento

Os dados mais fortes do Caged deram fôlego ao Ibovespa e fizeram o índice superar os 115 mil pontos pela primeira vez na história, marcando a terceira sessão consecutiva em que o índice chega a novas máximas

19 de dezembro de 2019
18:54
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Costumes de dezembro: shoppings lotados, "Então é Natal" tocando em todos os lugares, uva passa no arroz e Ibovespa nas máximas — bem, essa última parte parece ter virado tradição em 2019.

Afinal, o principal índice da bolsa brasileira chegou a um novo recorde de fechamento nesta quinta-feira (19), aos 115.131,25 pontos (+0,71%). É a oitava vez apenas neste mês que o Ibovespa crava um novo topo histórico — e olha que só tivemos 13 pregões em dezembro até agora.

E o que explica essa nova rodada de ganhos por aqui? Bem, o dia até teve fatores positivos, com destaque para os resultados surpreendentemente fortes de geração de emprego no país. Mas, num pregão normal, tais dados não seriam capazes de injetar tanto ânimo nos agentes financeiros.

Os últimos pregões, contudo, não têm sido normais. Desde o início de dezembro, a aversão ao risco por parte dos investidores caiu sensivelmente, graças a uma junção de fatores domésticos e externos — levando o Ibovespa às máximas e trazendo forte alívio ao câmbio.

Por aqui, os dados mais fortes da economia brasileira — especialmente a expansão de 0,6% do PIB no terceiro trimestre deste ano — indicam uma recuperação da atividade doméstica, elevam a expectativa quanto ao desempenho do país em 2020. As taxas de juros nas mínimas históricas também contribuem para aumentar o otimismo.

E, no exterior, tanto o Brexit quanto a guerra comercial entre EUA e China passaram por uma despressurização considerável nos últimos dias. Agora, há a expectativa de uma conclusão rápida da saída do Reino Unido da União Européia, enquanto americanos e chineses chegaram a um acordo para aliviar as tensões entre os países.

Assim, com um pano de fundo tão favorável, qualquer fator positivo é capaz de dar mais impulso aos investidores. E foi exatamente isso que os dados do Caged fizeram nesta quinta-feira: os números representaram o sinal verde para que os agentes financeiros continuassem acelerando fundo.

O fato de as bolsas internacionais também terem tido uma sessão positiva só contribuiu para prolongar os ganhos por aqui: nos Estados Unidos, o Dow Jones (+0,49%), o S&P 500 (+0,45%) e o Nasdaq (+0,67%) fecharam em alta e renovaram as máximas.

No mercado de câmbio, o dia foi de tranquilidade: o dólar à vista passou a sessão toda flutuando ao redor da estabilidade, fechando em leve alta de 0,06%, a R$ 4,0622.

Céu de brigadeiro

No front doméstico, destaque para os dados do Caged, com um saldo líquido de empregos formais positivo em 99.232 vagas em novembro — o melhor resultado para o mês desde 2010.

Além disso, também foi divulgado hoje o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) — o documento, contudo, não trouxe grandes novidades em relação ao cenário já traçado anteriormente pelo Banco Central (BC).

A instituição projeta IPCA em 4% em 2019, mesmo valor divulgado na última ata do Copom — no último relatório, de setembro, a estimativa era de 3,3% para o índice oficial de preços. A previsão para 2020 é de 3,5%, mesmo número divulgado na ata do Copom, ante 3,6% projetado no documento de setembro.

O único mercado que reagiu de maneira mais intensa à RTI foi o de juros. Apesar de o documento apenas ter reforçado as tendências já mostradas pelo Copom, o mercado encontrou nas projeções mais altas de inflação para este ano um motivo para promover ajustes positivos nos DIs.

Confira abaixo como ficaram as curvas mas líquidas nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,60% para 4,66%;
  • Janeiro/2023: de 5,92% para 6,06%;
  • Janeiro/2025: de 6,56% para 6,72%;
  • Janeiro/2027: de 6,90% para 7,02%.

Exterior tranquilo

Lá fora, o clima foi de calmaria generalizada. A aprovação do impeachment do presidente dos EUA, Donald Trump, pela Câmara dos Deputados do país, não mexeu com o mercado, uma vez que o desfecho da votação era amplamente aguardado.

Agora, o processo segue para apreciação do Senado, casa de maioria republicana — e, assim, também é esperado que a pauta não irá avançar nessa segunda fase de tramitação.

A pouca importância dada pelo mercado ao processo de impeachment abre espaço para que os ativos reajam com mais intensidade aos dados da agenda econômica americana. E, em linhas gerais, as informações mais recentes apontam para o fortalecimento da atividade no país.

Mais cedo, foi reportada a diminuição nos pedidos de auxílio-desemprego e a estabilidade no índice de indicadores antecedentes — dados que, embora tenham vido ligeiramente aquém das expectativas do mercado, ainda sinalizam que a economia americana está saudável.

Top 5

Veja abaixo quais são as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa:

  • Natura ON (NTCO3): +5,69%
  • Qualicorp ON (QUAL3): +3,70%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +3,69%
  • Gol PN (GOLL4): +3,67%
  • CVC ON (CVCB3): +3,53%

Confira também as maiores baixas do índice nesta quinta-feira:

  • Marfrig ON (MRFG3): -5,17%
  • Cogna ON (COGN3): -3,69%
  • Braskem PNA (BRKM5): -2,64%
  • Cielo ON (CIEL3): -2,29%
  • Engie ON (EGIE3): -1,87%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

DIA DE DECISÃO

Mais um ‘manteu’! Federal Reserve mantém juros inalterados, mas bolsas reagem negativamente à leitura de cenário

Fed voltou a afirmar compromisso com as metas, mas aquecimento da economia e inflação acelerada preocupam o mercado

Pressão para todo lado

Comissão inicia discussões sobre a Reforma Administrativa; relator afirma que Bolsonaro precisa manifestar seu apoio

A comissão especial formada na Câmara dá hoje o pontapé inicial na discussão da reforma administrativa. A primeira reunião é cercada de forte pressão para definir a lista das categorias de Estado a serem incluídas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O crescimento desse movimento é uma das preocupações do relator do projeto, deputado […]

Matéria-prima salgada

Commodities vão inflacionar o mercado de carros, diz presidente de consórcio que reúne Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën

Além da pandemia e da falta de chips, o executivo vê com preocupação o movimento inflacionário das commodities usadas pelo setor

MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies