Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-17T18:44:25-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
112.615,66 pontos

Novo recorde: Ibovespa pisa no acelerador na reta final do pregão e renova as máximas

Impulsionado pelo bom desempenho das ações da Petrobras e dos bancos, o Ibovespa recuperou as perdas de ontem e chegou a uma nova máxima de fechamento. O dólar teve leve alta, mas continua em R$ 4,06

17 de dezembro de 2019
18:44
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O pregão desta terça-feira (17) caminhava para um desfecho com poucas emoções. Desde o início do dia, o Ibovespa exibia um leve viés positivo, mas sem nunca conseguir se afastar da estabilidade — o dia, afinal, contava com poucos fatores de influência para as operações.

Tanto aqui quanto lá fora, o clima era de certo marasmo: até foram publicados alguns dados referentes à economia americana, mas que não provocaram grandes interferências no preço dos ativos. No front doméstico, destaque para a ata do Copom — mas ela também não trouxe grandes mudanças no panorama que já estava consolidado.

Só que, na última hora de sessão, o Ibovespa começou a acelerar. Como quem não quer nada, o índice foi ganhando terreno — e fechou o dia em alta de 0,64%, aos 112.615,66 pontos — um novo recorde de encerramento.

Lá fora, o dia também foi positivo, embora em menor magnitude: o Dow Jones subiu 0,11%, o S&P 500 teve alta de 0,03% e o Nasdaq avançou 0,10%. Os desempenhos, embora tímidos, foram suficientes para garantir novas máximas aos três índices.

Como já foi dito, a terça-feira trouxe poucos fatores capazes de influenciar o andamento dos mercados. Assim, o pano de fundo para as negociações continuou o mesmo dos últimos dias — e ele é positivo, com menos atritos na guerra comercial e perspectivas otimistas em relação à economia brasileira.

Assim, as bolsas americanas continuaram encontrando espaço para subir, enquanto o Ibovespa recuperou as perdas contabilizadas na sessão de ontem — quando o índice perdeu força subitamente, nos últimos minutos de pregão.

O mercado de câmbio também refletiu esse ambiente de calmaria: o dólar à vista fechou em leve alta de 0,06%, a R$ 4,0646. A divisa americana apresentou um viés de estabilidade na comparação com a maior parte das moedas de países emergentes.

Por mais que o dia tenha sido relativamente tranquilo, alguns fatores foram repercutidos pelos agentes financeiros nesta terça-feira — com destaque para a ata da última reunião do Copom, que cortou a Selic ao nível de 4,5% ao ano.

Cautela

No documento, o Banco Centralsugeriu cautela com a política de juros, em meio à retomada da atividade econômica.

Ou seja: a autoridade não se comprometeu com um eventual novo corte na Selic no início de 2020 — uma sinalização que provocou ajustes positivos mais intensos nas curvas de juros, tanto na ponta curta quanto na longa.

Veja como ficaram os principais DIs nesta terça-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,55% para 4,65%;
  • Janeiro/2023: de 5,82% para 5,99%;
  • Janeiro/2025: de 6,46% para 6,60%;
  • Janeiro/2027: de 6,81% para 6,92%.

"O Copom reiterou a postura mais cautelosa, levando em consideração as informações novas [de retomada na economia e aumento na inflação]", diz Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos. "É preciso analisar a sensibilidade das variáveis macroeconômicas à política monetária, que nunca esteve tão estimulativa".

A ata do Copom, no entanto, não teve grande influência para os mercados de ações e de câmbio. Neles, outras variáveis estiveram em jogo — a começar pelo cenário externo.

Dólar nos holofotes

As negociações de moedas foram impactadas por dois fatores: o noticiário referente ao Brexit e os mais recentes dados da economia americana.

No Reino Unido, a notícia de que o primeiro-ministro do país, Boris Johnson, estaria considerando a alteração do acordo costurado com a Comissão Europeia para a saída do país do bloco continental foi motivo de turbulência nos mercados financeiros.

"Ele abriu espaço para negociar com os parlamentares britânicos, mas agora quer alterar o acordo, algo que gera desconforto em relação à possibilidade de um Brexit sem acordo", diz Beyruti.

Como resultado, o dólar se valorizou mais de 1% em relação à libra esterlina nesta terça-feira — o índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana em relação a uma cesta com as principais divisas do mundo, avançou 0,22%, em função das incertezas ligadas ao Reino Unido.

Além do Brexit, também foi repercutida pelo mercado de câmbio a alta de 1,1% na produção industrial dos Estados Unidos em novembro ante outubro, resultado que ficou acima das previsões dos analistas.

E o Ibovespa?

Bem, o Ibovespa reagiu apenas marginalmente a todos esses pontos citados acima. Sem um fator direto de influência, o índice brasileiro passou por ajustes marginais, aproveitando o tom de calmaria nas bolsas americanas para recuperar as perdas de ontem.

Alguns papéis que fecharam em queda na sessão passada apareceram no campo positivo nesta terça-feira. Foi o caso de Petrobras PN (PETR4), em alta de 1,50%, Petrobras ON (PETR3), com ganho de 1,38%, Itaú Unibanco PN (ITUB4), avançando 1,52%, e Bradesco PN (BBDC4), com valorização de 1,84%.

Por outro lado, ações do setor de varejo e construção fecharam em queda firme, obedecendo uma lógica contrária: em meio à elevação na curva de juros, o mercado aproveitou para realizar os lucros recentes obtidos nesses ativos.

Nesse grupo, estiveram Magazine Luiza ON (MGLU3), com perda de 2,88%, Lojas Americanas PN (LAME4), em baixa de 2,38%, Via Varejo ON (VVAR3), com queda de 2,31%, e MRV ON (MRVE3), recuando 2,15%.

Top 5

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa no momento:

  • Cielo ON (CIEL3): +5,52%
  • B3 ON (B3SA3): +3,40%
  • Ultrapar ON (UGPA3): +2,54%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): +2,46%
  • NotreDame Intermédica ON (GNDI3): +2,29%

Confira também as cinco maiores quedas do índice nesta terça-feira:

  • B2W ON (BTOW3): -3,40%
  • BRF ON (BRFS3): -3,20%
  • Natura ON (NATU3): -3,00%
  • Magazine Luiza ON (MGLU3): -2,88%
  • Gol PN (GOLL4): -2,75%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Vibra (VBBR3) distribui R$ 148,5 milhões em JCP

Valor refere-se à segunda parcela de pagamento aos acionistas anunciado quando a Vibra ainda atendia como BR Distribuidora

Rumo aos dois dígitos

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 9,25%

Aumento da taxa básica dispara gatilho de mudança na forma de remuneração da poupança. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

BC aumenta a Selic, Nubank conclui IPO e mercado reage bem à PEC dos precatórios; veja o que marcou esta quarta-feira

Conforme esperado pelos economistas após dados recentes mais fracos da atividade econômica brasileira, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual, a 9,25% ao ano, em sua última reunião do ano. Se em muitos momentos ao longo de 2021 o mercado acionário reagiu ao […]

2022 MAIS GORDO

Dividendos e JCP: Copel (CPLE6) engrossa a lista de pagamentos milionários aos acionistas; não fique fora dessa

Data da remuneração ainda não foi definida pela empresa, mas valerá para aqueles com posição até 30 de dezembro deste ano

FECHAMENTO DO DIA

Investidores tentam equilibrar noticiário e Ibovespa emplaca mais um dia de alta; dólar tem queda firme com ômicron no radar

Com o avanço da PEC dos precatórios, a pandemia se torna um dos únicos gatilhos negativos a rondar o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies