Menu
2019-12-10T18:37:19-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Jogo tenso

Com as cartas da guerra comercial ainda na mesa, o Ibovespa e as bolsas globais fecharam em queda

O Ibovespa teve a segunda baixa consecutiva, refletindo o clima de cautela que tomou conta dos ativos globais nesta terça-feira. Lá fora, os mercados ficaram de olho nas movimentações da guerra comercial — e, ao menos por enquanto, não há nada definido entre EUA e China

10 de dezembro de 2019
18:37
Pôquer cartas baralho Ibovespa
Imagem: Shutterstock

O Ibovespa e os demais mercados acionários do mundo estão acompanhando uma partida particularmente nervosa. À mesa, estão dois jogadores com cacifes elevados: de um lado, Estados Unidos; do outro, China. E, com tantas fichas em jogo, nenhum deles quer fazer um movimento em falso — a menor hesitação pode ser definitiva no pôquer da guerra comercial.

A tensão apenas cresce com o passar do tempo. Afinal, a partida tem um tempo-limite: no próximo domingo, dia 15, as disputas entre americanos e chineses entrarão numa fase ainda mais crítica. Assim, se quiserem evitar essa etapa, os jogadores terão que tomar uma decisão em breve.

Pois bem: nesta terça-feira (10), parecia que o jogo caminharia para um desfecho: lá fora, a imprensa internacional chegou a noticiar que os governos de Pequim e Washington estavam próximos de chegar a um acordo comercial — e que esse acerto adiaria a imposição, pelo governo dos EUA, de novas tarifas sobre as importações chinesas, a partir do dia 15.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Por um breve momento, os agentes financeiros que estavam na arquibancada chegou a comemorar: as cartas finalmente seriam abertas e os dois jogadores apertariam as mãos, encerrando a disputa — ao menos, por enquanto. Só que não foi bem isso o que aconteceu.

"A verdade é que as tarifas ainda estão na mesa", disse Larry Kudlow,
diretor do Conselho Econômico dos Estados Unidos, numa conferência promovida pelo Wall Street Journal. Ou seja: o jogo ainda não acabou — e, consequentemente, a tensão continua elevada.

E, em função do nervosismo dessa partida — e da proximidade da data-limite —, os mercados globais tiveram um dia de maior estresse. No Brasil, o Ibovespa, fechou em baixa de 0,28%, aos 110.672,01 pontos; nos Estados Unidos, o Dow Jones (-0,10%), o S&P 500 (-0,11%) e o Nasdaq (-0,07%) também recuaram.

Jogo casado

Desde o início da sessão desta terça-feira (10), o Ibovespa andou em linha com os demais mercados do mundo. Logo após a abertura, o índice brasileiro recuava, acompanhando as bolsas globais. Minutos depois, a bolsa local ganhou força e afastou-se das mínimas, num movimento também em paralelo com o exterior.

Mas esse impulso teve fôlego curto: já no início de tarde, o Ibovespa voltou a aparecer no campo negativo, de onde não saiu mais. Tudo por causa do vaivém no noticiário referente à guerra comercial entre EUA e China.

As negociações entre americanos e chineses têm sido o principal fator de influência para os mercados nos últimos dias. Em linhas gerais, os agentes financeiros mostram-se otimistas quanto ao desfecho das conversas, apostando num consenso que viabilize a postergação de uma nova rodada de tarifas de importação a serem aplicadas por Washington.

Esse otimismo foi responsável pelo rali da semana passada nas bolsas globais — e que levou o Ibovespa às máximas. No entanto, a falta de avanços concretos no diálogo entre as potências começou a trazer algum desconforto aos investidores: como foi dito lá em cima, a data-limite para a aplicação das sobretaxas é o próximo domingo, dia 15.

E é aí que chegamos à sessão de hoje. No início do dia, o panorama seguia o mesmo, com os mercados otimistas, mas apreensivos em relação ao impasse comercial — o que colocava as bolsas no campo negativo.

Mas, ainda durante a manhã, relatos de que americanos e chineses estariam próximos de um consenso para adiar a implantação de tarifas adicionais dos EUA sobre as importações do país asiático deram força aos mercados: os futuros de Nova York viraram ao campo positivo, levando o Ibovespa de carona.

Só que, por mais que os relatos da imprensa internacional sejam animadores, fontes oficiais ainda não confirmam um avanço significativo nas conversas. Pelo contrário: as cartas "ainda estão na mesa", como disse Kudlow. Assim, a cautela voltou a tomar conta dos agentes financeiros.

Vale lembrar que o Ibovespa acumulou cinco altas consecutivas na semana passada, o que facilitou os movimentos de correção e realização de lucro. Assim, por mais que os mercados dos EUA tenham tido perdas pouco intensas, o índice brasileiro acabou assumindo uma postura mais defensiva.

All in

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

  • Marfrig ON (MRFG3): +2,94%
  • BR Malls ON (BRML3): +2,91%
  • Gerdau PN (GGBR4): +2,85%
  • BR Distribuidora ON (BRDT3): +2,21%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +2,03%

Confira também as maiores quedas do índice no pregão de hoje:

  • Gol PN (GOLL4): -4,61%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -2,81%
  • Tim ON (TIMP3): -2,15%
  • Fleury ON (FLRY3): -2,10%
  • Azul PN (AZUL4): -2,03%

Você pode ver a cobertura completa dos destaques do Ibovespa nesta terça-feira em nossa matéria especial.

Apostas no dólar

E o mercado de câmbio? Bem, o dólar também passou por um certo alívio: logo depois da abertura, a moeda americana chegou a subir 0,54%, a R$ 4,1515. Mas, no fechamento, a divisa teve alta de 0,47%, a R$ 4,1488.

Lá fora, o dólar também perdeu parte da força exibida durante a manhã, embora tenha continuado avançando em relação a maior parte das divisas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno e o rand sul-africano. O real, assim, acompanhou a tendência dos pares.

Em meio às incertezas relacionadas à guerra comercial, o mercado opta por uma estratégica clássica: parte para a segurança do dólar, rejeitando ativos mais arriscados, como as moedas de países emergentes — e, considerando que a divisa americana caiu nas últimas seis sessões por aqui, é normal ver um certo ajuste positivo no câmbio.

De olho nos juros

Além das idas e vindas da guerra comercial, os mercados seguem esperando as decisões de juros nos EUA e no Brasil, nesta quarta-feira (11). Em ambos os casos, o cenário-base é bastante nítido: estabilidade nas taxas americanas e corte de 0,5 ponto na Selic por aqui.

Assim, a expectativa recai sobre os comunicados oficiais dos bancos centrais dos dois países, apontando para os próximos passos.

Nesse contexto, as curvas de juros acompanharam o comportamento do dólar à vista e fecharam em alta, mas sem mostrar movimentações muito expressivas. Veja abaixo como ficaram os DIs nesta terça-feira:

  • Janeiro/21: de 4,61% para 4,62%;
  • Janeiro/23: de 5,71% para 5,72%;
  • Janeiro/25: de 6,34% para 6,35%;
  • Janeiro/27: estável em 6,70%.
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O que mexe com os negócios hoje

Com coronavírus no radar, mercados ensaiam dia de recuperação

Ontem o dia foi de temor nos mercados, como reflexo da rápida disseminação do coronavírus pelo mundo. Nas primeras horas da manhã tanto as sessões europeias como os índices futuros em Wall Street ensaiavam uma recuperação

bons negócios

JBS faz acordo com empresa chinesa que deve movimentar R$ 3 bilhões

Parceria com WH Group oferecerá portfólio de produtos das marcas Friboi e Seara

agenda oficial

BNDES vai até Brasília explicar ‘caixa-preta’

Comitiva vai dar explicações sobre a auditoria de R$ 48 milhões; estudo não encontrou nenhuma irregularidade no banco

entrevista

Por que o coronavírus é mais um elemento de risco à economia, segundo este especialista

Segundo o economista-chefe da consultoria MB Associados, Sergio Vale, a doença aumenta as incertezas nos mercados; entenda

dados oficiais

Na China, número de mortes pelo coronavírus passa de 100

Autoridades de saúde da China afirmam que mais de 4 mil pessoas foram infectadas

precaução

Por receio do coronavírus, China adia reabertura do mercado de ações

Originalmente, os negócios nas bolsas de Xangai e de Shenzhen seriam retomados na sexta-feira; agora, só voltam segunda

Produtos de investimento

Na disputa com plataformas, Itaú lança fundo que segue carteira recomendada pelo banco

Fundo lançado há pouco mais de uma semana na rede já conta com R$ 500 milhões em patrimônio e permite que cliente invista em toda a carteira de recomendações em um único produto

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements