Menu
2019-12-06T19:01:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Nadando no dinheiro

Ibovespa nas máximas e dólar a R$ 4,14: o retrato de uma semana quase perfeita para os mercados

O Ibovespa cravou a quinta alta consecutiva nesta sexta-feira e chegou a mais um recorde de fechamento, aso 111.125,75 pontos. O dólar à vista acumulou perdas de mais de 2% na semana, voltando a R$ 4,14

6 de dezembro de 2019
19:01
Tio Patinhas Ibovespa
Imagem: Reprodução/YouTube

Digamos que você seja igual ao Tio Patinhas e tenha começado seus investimentos com uma moedinha da sorte. Digamos também que você tenha optado por aplicar essa pataca na bolsa — mais precisamente, num ETF que replique o desempenho do Ibovespa. Pois saiba que seu retorno foi de 2,67% apenas nessa semana.

Ok, ainda não dá para encher uma caixa-forte. Mas é um começo promissor: afinal, o principal índice da bolsa brasileira subiu em todos os dias dessa semana, uma sequência positiva que não era vista desde outubro. Melhor guardar essa moedinha numa redoma — ela pode virar um talismã da sorte.

Nesta sexta-feira (6), o Ibovespa fechou em alta de 0,46%, a 111.125,75 pontos, um novo recorde em termos de fechamento — na verdade, é o terceiro dia seguido em que o índice renova o topo histórico. O ganho de 2,67% acumulado desde segunda representa o melhor desempenho semanal desde agosto.

E o mercado de câmbio? Bem, se a sua pataca for denominada em reais, sorte a sua: o dólar à vista caiu nos últimos cinco dias, fechando a sessão de hoje a R$ 4,1469, em baixa de 0,99%. Na semana, a divisa americana caiu 2,21% — ou, em números mais concretos: ficou 10 centavos mais barato.

Otimismo em Patópolis

E o que explica essa onda de ganhos do Ibovespa e o forte alívio no dólar? Nas palavras de um analista com quem eu conversei, os mercados tiveram uma semana quase perfeita — uma espécie de "tempestade perfeita" de fatores positivos.

Tudo por causa de uma combinação bastante difícil: tanto no exterior quanto no Brasil, o noticiário e os dados econômicos foram bastante favoráveis, reduzindo fortemente a aversão ao risco nos mercados financeiros.

Veja a situação no Brasil, por exemplo: no começo da semana, tivemos a alta de 0,6% no PIB do terceiro trimestre, dado que surpreendeu positivamente os analistas; depois, veio a expansão de 0,8% na produção industrial em outubro, o terceiro avanço consecutivo no indicador; por fim, a inflação medida pelo IPCA acelerou para 0,51% em novembro, puxada pela disparada no preço das carnes.

A partir desses números, o mercado conseguiu fazer algumas projeções em relação à situação econômica do Brasil — e as perspectivas para o futuro foram positivas.

Em relação ao PIB, destaque para a revisão para cima do resultado no segundo trimestre, indicando uma tendência de aquecimento econômico. E, considerando o bom resultado das varejistas na Black Friday, há a percepção de ganho de tração na atividade.

Além disso, vale ressaltar que a indústria da construção civil — uma das que mais sofreu nos últimos anos — foi uma das que mais contribuiu para a evolução do PIB no terceiro trimestre, mais um indício animador quanto às perspectivas futuras para a economia.

A produção industrial, por sua vez, ficou ligeiramente abaixo das previsões dos analistas. Mas, de qualquer maneira, o terceiro mês consecutivo de expansão na atividade das indústrias também cria uma expectativa positiva em relação à recuperação da economia do país.

Já a inflação... bem, o IPCA, à primeira vista, parece ter implicações negativas — o avanço de 0,51% em novembro, afinal, marca a maior leitura para o mês desde 2015. Mas fato é que, tirando a forte pressão no grupo de alimentos, os demais núcleos da inflação continuam sob controle.

Assim, por mais que o IPCA tenha ficado acima das expectativas, o dado não trouxe maiores preocupações ao mercado. Em outras palavras: a perspectiva de manutenção da Selic em patamares baixos segue firme e forte — e, nesse cenário, varejistas e construtoras tiveram ganhos expressivos na bolsa.

Professor Pardal

Ok, o cenário macro brasileiro está benéfico para os mercados financeiros. Mas o Brasil não é uma ilha — sendo assim, o exterior fatalmente influencia nas negociações.

E, lá fora, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu uma de professor Pardal: inventou das suas e causou alguma confusão, mas, ao fim do dia, tudo deu certo.

Trump começou a semana chamando Brasil e Argentina para a guerra comercial: ele acusou os países de estarem desvalorizando artifcialmente suas moedas e, com isso, ganhando uma vantagem no comércio internacional. Com esse argumento, ele voltou a sobretaxar as importações sobre o aço e alumínio dos dois países.

Um fator negativo, certo? Certo. Só que a medida está longe de ser uma tragédia para as siderúrgicas brasileiras, que tem na China seu principal cliente externo — e, em Pequim, as notícias foram boas para o aço brasileiro.

A produção industrial do gigante asiático deu sinais de força nesta semana, indicando que a demanda por minério de ferro e por aço tende a seguir elevada no curto prazo — fator que fez com que os mercados ficassem indiferentes ao rompante do Professor Pardal.

Voltando ao presidente americano: ele também fez ameaças à França, dando a entender que as negociações com a China poderiam estar sob risco. Mas, aparentemente, era tudo uma estratégia à la Trump — criar um ambiente agressivo para depois conversar.

Ao longo da semana, o noticiário internacional foi unânime ao apontar evoluções nas negociações comerciais entre americanos e chineses, indicando que o fechamento da primeira fase de um acordo é iminente. E essa percepção embalou as bolsas americanas.

O Dow Jones fechou o pregão de hoje em alta de 1,22%, o S&P 500 subiu 0,91% e o Nasdaq avançou 1,00% — os três índices acumularam ganhos na semana. O Ibovespa, assim, pegou carona nesse contexto global.

E a sessão de hoje?

Nesta sexta-feira, todo esse otimismo ganhou cores ainda mais vibrantes, com sinais de força do mercado de trabalho americano. A taxa de desemprego do país caiu a 3,5% em novembro, ligeiramente abaixo das previsões do mercado.

E não foi só isso: a economia do país criou 266 mil novos postos de trabalho no mês passado, superando em muito a expectativa dos analistas e agentes financeiros. Os dados provocaram uma reação imediata nas bolsas globais, ampliando o ritmo de ganhos lá fora.

As cinco mais...

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +7,30%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): +7,07%
  • Yduqs ON (YDUQ3): +5,47%
  • BTG Pactual units (BPAC11): +5,14%
  • Gol PN (GOLL4): +4,98%

Confira também os papéis que tiveram as maiores altas no acumulado da semana:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +13,51%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): +10,73%
  • MRV ON (MRVE3): +9,62%
  • B2w ON (BTOW3): +9,00%
  • Weg ON (WEGE3): +7,63%

...e as cinco menos

Saiba quais foram os papéis que lideram a ponta negativa do índice nesta sexta-feira:

  • Itaú Unibanco PN (ITUB4): -1,81%
  • Santander Brasil units (SANB11): -1,17%
  • Energias do Brasil ON (ENBR3): -1,14%
  • Bradesco PN (BBDC4): -1,12%
  • Itaúsa PN (ITSA4): -0,96%

E as ações que recuaram mais na semana:

  • Smiles ON (SMLS3): -8,69%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -7,14%
  • Qualicorp ON (QUAL3): -4,48%
  • JBS ON (JBSS3): -3,62%
  • Hypera ON (HYPE3): -3,03%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies