Menu
2019-10-14T14:32:44-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Acima dos 100 mil pontos

Ibovespa fecha em leve alta e termina o semestre com ganho acumulado de quase 15%

O Ibovespa terminou o primeiro semestre de 2019 muito perto do topo histórico em termos nominais. Os avanços na reforma da Previdência e a perspectiva de cortes de juros no mundo deram ânimo ao índice nas últimas semanas, levando-o para além da marca dos 100 mil pontos

28 de junho de 2019
10:26 - atualizado às 14:32
Alpinista chega ao topo da montanha
Ibovespa encontrou dificuldades pelo caminho, mas teve uma escalada intensa no primeiro semestre deste ano - Imagem: Shutterstock

Há uma espécie de lenda que corre entre as mesas de operação: o último pregão do semestre sempre termina no campo positivo. Afinal, é hora de passar a régua nas carteiras e nos investimentos e prestar contas. Qual foi o lucro (ou o prejuízo) acumulado no período?

A lógica é muito simples: tentar maximizar ainda mais os ganhos (ou minimizar as perdas) do semestre na bacia das almas. E, bom, lenda ou não— tem quem jure de pés juntos que é tudo verdade — fato é que, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, o pregão dessa sexta-feira (28) foi ligeiramente positivo.

No entanto, mesmo que esse mito fosse desconstruído hoje, creio que ninguém teria motivos para reclamar: afinal, o Ibovespa fechou o semestre na marca dos 100.967,20 pontos — um leve ganho de 0,24% hoje, mas uma alta acumulada de 14,88% desde o início do ano.

Em Nova York, o tom foi semelhante: Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq registraram valorizações de mais de 10% nos primeiros seis meses de 2019.

É claro que a trajetória dos mercados acionários não foi linear ao longo do semestre: por aqui, as instabilidades políticas trouxeram turbulência ao Ibovespa e, lá fora, a guerra comercial foi responsável por fortes oscilações nos preços dos ativos.

No entanto, os agentes financeiros fecharam o mês de junho com um sabor de vitória. No Brasil, os avanços da reforma da Previdência injetaram confiança nos mercados — no exterior, a perspectiva de cortes de juros nas principais economias do mundo diminui a aversão ao risco.

O dólar à vista também terminou o semestre com uma nota de alívio. A moeda americana fechou o pregão de hoje em leve alta de 0,18%, a R$ 3,8404 — mas, no saldo dos últimos seis meses, acumulou queda de 0,80%, também na esteira das oscilações dos cenários local e externo.

Uma escalada de respeito

Ao fim de 2018, as perspectivas eram amplamente positivas para os mercados do Brasil. O início do governo Jair Bolsonaro e as promessas de implantação de uma agenda econômica liberal — capitaneada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes —, elevaram as expectativas dos agentes financeiros.

As atenções estavam todas voltadas à reforma da Previdência, pauta tratada como prioritária pela nova gestão. E, a cada sinal de progresso em relação às novas regras para a aposentadoria, o Ibovespa ia avançando e buscando novas máximas.

Essa escalada ocorreu de maneira quase ininterrupta até março, quando os primeiros atritos a respeito da articulação política do novo governo começaram a trazer ruídos à tramitação da reforma. E as instabilidades em Brasília culminaram num período de oscilações no Ibovespa ao longo dos meses seguintes.

Mas, apesar dos atritos entre os principais atores da cena política, o texto da reforma foi avançando — muitas vezes num ritmo mais lento que o desejado pelo mercado, mas foi avançando.

A proposta enviada pelo governo, considerada forte pelos agentes financeiros — com economias de mais de R$ 1 trilhão nos próximos 10 anos — passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e, agora, está prestes a ser votada na comissão especial da Casa.

E, por enquanto, o texto não sofreu maiores desidratações, o que anima o mercado. E, além disso, ainda há a perspectiva de que a proposta seja votada na comissão especial e no plenário da Câmara antes do próximo dia 18, quando o Congresso entra em recesso.

Com os avanços na tramitação, o mercado voltou a ganhar confiança na segunda metade de maio e, na semana passada, o Ibovespa finalmente conseguiu fechar acima dos 100 mil pontos — permanecendo acima desse patamar desde então. Com isso, o índice fecha o semestre em seu topo histórico, em termos nominais.

Ganhadores e perdedores

Ao fim do semestre, não há um setor que se destaque entre as maiores altas ou maiores quedas do Ibovespa no semestre: os papéis que ocupam os dois pódios são bastante diversificados, mostrando que o noticiário corporativo também teve peso no desempenho das ações ao longo dos últimos seis meses.

O ativo com o melhor desempenho do índice foi CSN ON (CSNA3), que acumulou um ganho de 98,22% desde o início do ano. O top 5 ainda conta com Qualicorp ON (QUAL3), JBS ON (JBSS3), MRV ON (MRVE3) e Sabesp ON (SBSP3), nesta ordem.

Diversos motivos ajudam a explicar essa disparada das ações da CSN, com destaque para a forte valorização dos preços do minério de ferro no exterior e as dificuldades enfrentadas pela Vale desde o rompimento da barragem em Brumadinho (MG) — a empresa possui um braço forte de mineração e ocupou o 'vácuo' deixado pela Vale.

Na ponta negativa, o destaque foi Braskem PNA (BRKM5), que acumulou baixa de 26,07% no semestre, seguido por Ultrapar ON (UGPA3), B2W ON (BTOW3), Cielo ON (CIEL3) e CVC ON (CVCB3).

Vale lembrar que as ações da Braskem foram fortemente impactadas pelo encerramento das negociações entre LyondellBasell com a Odebrecht — a empresa holandesa queria comprar a fatia da Braskem detida pelo grupo brasileiro.

Mas é claro que a cena política local e o noticiário corporativo não foram os únicos fatores que influenciaram o Ibovespa no semestre. Lá fora, os últimos meses foram bastante movimentados — mas, ao fim do período, o exterior também deu um empurrão para o mercado local.

Euforia, mas com estresse

As bolsas americanas também tiveram desempenhos fortes desde o início do ano. E, lá fora, os últimos meses também foram marcadas pelas idas e vindas dos mercados — a guerra comercial trouxe tensão aos agentes financeiros, mas os movimentos dos Bancos Centrais geraram euforia às negociações.

Estados Unidos e China, que pareciam perto de fechar um acordo comercial, rasgaram o script: o diálogo entre as potências regrediu e novas taxações foram adotadas por ambos os lados. E a questão ainda está em aberto.

Donald Trump e Xi Jinping, líderes dos dois países, abrirão neste fim de semana uma nova rodada de conversas — e o mercado aguarda por alguma sinalização de alívio nas tensões comerciais.

Afinal, cresce cada vez mais a percepção de que a guerra comercial irá afetar a economia mundial como um todo. Na Europa, a atividade econômica tem patinado há um bom tempo e, na China, os dados de produção industrial e balança comercial mostram que o gigante asiático enfrenta dificuldades para manter seu ritmo de expansão.

E os Estados Unidos também dão sinais de que irão aderir à onda de fraqueza econômica, uma vez que os dados econômicos mais recentes mostram que a atividade do país tem patinado. E, em meio a esse cenário, os Bancos Centrais começam a agir.

No velho continente, o Banco Central Europeu (BCE) já deu indícios de que pode cortar juros para estimular a economia da zona do euro. E o Federal Reserve (Fed) não ficou para trás: também mostrou-se aberto a um movimento de ajuste negativo nas taxas americanas, de modo a evitar um declínio maior nos dados econômicos do país.

Assim, quase que paradoxalmente, os temores com a guerra comercial e a desaceleração econômica no mundo criaram uma situação que foi favorável aos mercados acionários, uma vez que, com taxas de juros potencialmente mais baixas, diminui a aversão ao risco por parte dos agentes financeiros.

E, nesse contexto, as bolsas americanas também fecharam o semestre com um saldo amplamente positivo, apesar das incertezas no meio do caminho. No acumulado dos últimos seis meses, o Dow Jones teve ganhos de 14,03%, o S&P 500 subiu 17,35% e o Nasdaq teve alta de 20,66%.

Leve alta no dólar

Ativo que está sujeito ao maior número de fatores exógenos, o dólar à vista também passou por uma montanha-russa ao longo dos últimos meses. E a história se repetiu no mercado de moedas: apesar das instabilidades no meio do caminho, a foto da linha de chegada mostrou alívio, embora bem menor que o do Ibovespa.

Os avanços da reforma da Previdência e a perspectiva de corte de juros nas principais economias do mundo neutralizou as tensões comerciais entre Estados Unidos e China e os atritos de articulação política do governo Bolsonaro, levando o dólar à vista para a faixa de R$ 3,84 — ligeiramente abaixo do nível do fim de 2018.

A queda acumulada de 0,8% pode não parecer muita coisa, mas vale ressaltar que a moeda americana chegou a bater os R$ 4,10 em meados de maio — período em que as tensões políticas locais e a tensão com a guerra comercial chegaram ao ápice. Assim, em menos de dois meses, a cotação passou por um amplo movimento de alívio.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fundos de investimento

Ney Miyamoto deixa equipe de gestão da Alaska

Fundador e um dos executivos mais experientes da equipe da Alaska, Miyamoto permanece como sócio e investidor dos fundos da casa

Vai pedir música no Fantástico

CVM abre terceiro processo administrativo desde início da crise na Petrobras

O sistema da CVM não indica a apuração de eventuais operações atípicas com papéis da petroleira no período recente.

No banco de reservas

Brasil deixa time das 10 maiores economias

O País deverá fechar o ano como a 12ª maior economia em termos de valor do PIB, ultrapassado por Canadá, Coreia do Sul e Rússia.

Mercado de capitais

CVM libera bancos para fazerem empréstimos “travestidos” de debêntures

Financiamento via debêntures conta com algumas vantagens em relação ao empréstimo tradicional, como a alíquota zero de IOF

Crise

Venda de veículos cai 16,7% e tem pior fevereiro em 3 anos, diz Fenabrave

Desde 2018, quando foram vendidos 156,9 mil veículos no segundo mês do ano, o setor não tinha um fevereiro tão fraco.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies