A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-14T14:32:41-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Na contramão do exterior

Ibovespa fecha em alta e sustenta os 100 mil pontos pela quinta sessão consecutiva

O Ibovespa ganhou força na reta final do pregão e fechou em alta, apesar da cautela vista nas bolsas americanas. O dólar à vista teve leve queda

26 de junho de 2019
10:23 - atualizado às 14:32
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa fechou em alta e recuperou parte das perdas de ontem; dólar caiu a R$ 3,84 - Imagem: Seu Dinheiro

Até o último dia 19, o Ibovespa nunca tinha conseguido terminar um pregão acima dos 100 mil pontos. Mas, agora que rompeu a barreira dos três dígitos, o índice parece não querer mais deixar esse nível.

O mercado brasileiro, afinal, remou contra a maré negativa vinda do exterior nesta quarta-feira (26): o Ibovespa destoou das bolsas de Nova York e fechou em alta de 0,60%, aos 100.688,60 pontos — a quinta sessão consecutiva em que o índice encerra além dos 100 mil pontos. O dólar à vista caiu 0,13%, a R$ 3,8471.

Lá fora, as incertezas relacionadas ao front da guerra comercial provocaram oscilações bruscas de humor, tirando força dos mercados acionários ao longo do dia. No entanto, a relativa calmaria vista no cenário doméstico abriu espaço para uma recuperação do Ibovespa — vale lembrar que, ontem, o índice caiu quase 2%.

Jogo de xadrez

O dia começou positivo para os mercados globais, com as bolsas dos EUA avançando em bloco. Mas esse movimento se esvaiu e, ao fim da sessão, o Dow Jones (-0,04%) e o S&P 500 (-0,12%) foram ao campo negativo — o Nasdaq conseguiu sustentar alta de 0,32%. E essa perda sincronizada de força teve relação com os sinais conflitantes emitidos pelas autoridades americanas.

No início do dia, o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, afirmou que um acordo comercial entre os Estados Unidos e a China está "90% completo", dizendo esperar que um acerto seja fechado até o fim do ano.

A fala de Mnuchin foi entendida como um sinal de que as conversas oficiais entre Trump e o presidente da China, Xi Jinping, previstas para ocorrerem durante a reunião do G-20, poderiam resultar em algum tipo de trégua entre as partes, trazendo alívio ao front da guerra comercial.

Mas Trump assumiu um tom mais reticente ao falar sobre o tema. Em entrevista à Fox Business, o presidente americano disse que "é possível" que um acordo seja alcançado, mas afirmou estar "feliz" com o atual estado das relações entre os dois países.

O republicano ainda disse que mais US$ 300 bilhões em produtos chineses podem ser tarifados em 25%, "ou, talvez, em 10%", caso um acordo com Pequim não seja atingido — declarações que caíram como um balde de água fria nos mercados e reacenderam os temores quanto a uma disputa comercial mais ampla no mundo.

Essa piora de humor global após as falas de Trump também afetou as negociações de moedas. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta com as principais divisas do mundo, ganhou força e passou a operar em alta a partir do meio da tarde.

Em comparação com as divisas emergentes, no entanto, o dólar teve um dia de perdas, embora tenha reduzido as quedas na segunda metade da sessão. A moeda americana recuou ante o peso mexicano, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, mas subiu em relação ao rublo russo.

No mercado brasileiro, analistas e operadores destacam que a demanda por dólares tem aumentado nos últimos dias, quando a moeda americana chegou a patamares próximos de R$ 3,80 — na mínima do dia, a moeda chegou ao nível de R$ 3,83 no segmento à vista.

Assim, a atuação do Banco Central (BC) tem sido importante para acalmar os ânimos do mercado de câmbio. O BC colocou mais US$ 1 bilhão em dinheiro novo no mercado, via leilão de linha com compromisso de recompra — uma operação semelhante foi feita ontem. As operações buscam sanar  “disfuncionalidades” do mercado, em meio à menor liquidez.

Alívio e cautela

No front doméstico, o fato de a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidir manter preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também contribuiu para trazer algum alívio ao Ibovespa.

Ontem, a possibilidade de soltura do petista trouxe instabilidade extra às negociações, que já exibiam viés negativo. Analistas e operadores ponderaram que a eventual concessão de liberdade ao ex-presidente enfraqueceria o ministro da Justiça, Sergio Moro, o que poderia gerar turbulências ao cenário político.

No entanto, as atenções do mercado local seguem voltadas à tramitação da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara. E sinais de que o colegiado só votará o tema no início da próxima semana trouxeram apreensão às negociações.

O cronograma da Previdência é bastante apertado, já que o governo — e os mercados — espera aprovar a pauta no plenário da Casa até meados de julho, já que o Congresso entrará em recesso na segunda metade do próximo mês.

A própria líder do governo na Câmara, Joice Hasselmann, admite que a votação pode ficar para a semana que vem, embora afirme que esse atraso não trará maiores impactos ao cronograma de tramitação da proposta. E essa percepção de que um ligeiro atraso não compromete os planos do governo ajudou a trazer alguma calma ao mercado.

"Apesar de se falar que a Previdência tem apoio de um número grande de deputados, o mercado vê que [a tramitação] está um pouco embolada", diz Pedro Paulo Silveira, economista da Nova Futura. "O tempo é curto, e isso traz cautela".

Ajustes nos juros

A curva de juros exibiu oscilações moderadas nesta quarta-feira — a ponta curta ficou praticamente estável, enquanto a longa teve ajustes negativos. Há a percepção de que o Banco Central (BC) irá agir de maneira cautelosa em relação aos futuros cortes da Selic, o que impacta as expectativas em relação aos DIs mais curtos.

As curvas com vencimento em janeiro de 2021, por exemplo, subiram de 5,95% para 5,97%. Na ponta longa, por outro lado, os DIs para janeiro de 2023 caíram de 6,78% para 6,75%, enquanto os para janeiro de 2025 fecharam em baixa de 7,29% para 7,24%.

Compra aprovada

As ações PN do Itaú Unibanco (ITUB4) apareceram no campo positivo do Ibovespa e fecharam em alta de 2,38%, com o mercado reagindo positivamente à aprovação, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), da operação de compra de 11% da Ticket — uma das principais empresas do mercado de benefícios, ao lado de Sodexo e Alelo — sem restrições.

Os demais ativos do setor bancário também ajudam a dar força ao Ibovespa, embora apresentem desempenhos menos intensos. As units do Santander Brasil (SANB11), por exemplo, subiram 1,31%, enquanto Bradesco ON (BBDC3) e Bradesco PN (BBDC4) avançaram 0,39% e 1,25%, respectivamente. Banco do Brasil ON (BBAS3) teve ganho de 2,17%.

Commodities se recuperam

Apesar das incertezas no exterior, o mercado de commodities teve um dia bastante positivo. O minério de ferro subiu 2,77% no porto chinês de Qingdao; o petróleo também avançou, tanto o WTI (+2,68%) quanto o Brent (+2,20%).

Esse contexto ajudou a dar força aos papéis de empresas ligadas às commodities, caso de Vale ON (VALE3), em alta de 0,39%, CSN ON (CSNA3), com ganho de 0,50%, Gerdau PN (GGBR4), com valorização de 2,31%, e de Usiminas PNA (USIM5), subindo 1,42%.

Já as ações da Petrobras apresentaram comportamentos mistos: os papéis PN da estatal (PETR4) avançaram 0,58%, enquanto os ONs (PETR3) caíram 0,49%.

Ontem, a Caixa Econômica Federal informou que se desfez da participação que detinha na Petrobras com uma oferta de ações que rendeu R$ 7,3 bilhões ao banco público. Quem reservou as ações ON da estatal na oferta vai pagar R$ 30,25 por papel.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Foi tudo graças à peak inflation

11 de agosto de 2022 - 11:07

Imagine dois financistas sentados em um bar. Um desses sujeitos é religioso, enquanto o outro é ateu. Eles discutem sobre a eventual existência de bull markets

MARKET MAKERS

Os princípios: Conheça Ray Dalio, gestor do maior hedge fund do mundo, e seu manual para conseguir o que deseja na vida

11 de agosto de 2022 - 10:47

O livro Princípios se propõe a ser um manual sobre vida e trabalho que Dalio resolveu escrever contendo seus critérios de tomada de decisão que colecionou ao longo da sua vida

Cadê o retorno?

XP (XPBR31) na berlinda: JP Morgan corta recomendação para neutro e diz que o mercado quer ver lucro

11 de agosto de 2022 - 10:33

O JP Morgan mostrou-se preocupado com o salto nos custos e despesas da XP (XPBR31) no trimestre, o que pressionou as margens da empresa

ACELERANDO NA RETA

Bitcoin (BTC) busca os US$ 25 mil, mas alta é ofuscada por disparada de 12% do ethereum (ETH); confira que movimenta as criptomoedas hoje

11 de agosto de 2022 - 10:09

Os investidores estão otimistas com a atualização do ethereum: em julho deste ano, o ETH acumulou alta de 57,7% e sobe 14,9% nos primeiros dias de agosto

NADA DIPLOMÁTICO

Paulo Guedes fala em “ligar o foda-se” para França, maior empregador estrangeiro no Brasil

11 de agosto de 2022 - 9:36

O país europeu é terceiro que mais investe no Brasil; as exportações para a França vêm crescendo 18% neste ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies