Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:32:41-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Na contramão do exterior

Ibovespa fecha em alta e sustenta os 100 mil pontos pela quinta sessão consecutiva

O Ibovespa ganhou força na reta final do pregão e fechou em alta, apesar da cautela vista nas bolsas americanas. O dólar à vista teve leve queda

26 de junho de 2019
10:23 - atualizado às 14:32
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
Ibovespa fechou em alta e recuperou parte das perdas de ontem; dólar caiu a R$ 3,84 - Imagem: Seu Dinheiro

Até o último dia 19, o Ibovespa nunca tinha conseguido terminar um pregão acima dos 100 mil pontos. Mas, agora que rompeu a barreira dos três dígitos, o índice parece não querer mais deixar esse nível.

O mercado brasileiro, afinal, remou contra a maré negativa vinda do exterior nesta quarta-feira (26): o Ibovespa destoou das bolsas de Nova York e fechou em alta de 0,60%, aos 100.688,60 pontos — a quinta sessão consecutiva em que o índice encerra além dos 100 mil pontos. O dólar à vista caiu 0,13%, a R$ 3,8471.

Lá fora, as incertezas relacionadas ao front da guerra comercial provocaram oscilações bruscas de humor, tirando força dos mercados acionários ao longo do dia. No entanto, a relativa calmaria vista no cenário doméstico abriu espaço para uma recuperação do Ibovespa — vale lembrar que, ontem, o índice caiu quase 2%.

Jogo de xadrez

O dia começou positivo para os mercados globais, com as bolsas dos EUA avançando em bloco. Mas esse movimento se esvaiu e, ao fim da sessão, o Dow Jones (-0,04%) e o S&P 500 (-0,12%) foram ao campo negativo — o Nasdaq conseguiu sustentar alta de 0,32%. E essa perda sincronizada de força teve relação com os sinais conflitantes emitidos pelas autoridades americanas.

No início do dia, o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, afirmou que um acordo comercial entre os Estados Unidos e a China está "90% completo", dizendo esperar que um acerto seja fechado até o fim do ano.

A fala de Mnuchin foi entendida como um sinal de que as conversas oficiais entre Trump e o presidente da China, Xi Jinping, previstas para ocorrerem durante a reunião do G-20, poderiam resultar em algum tipo de trégua entre as partes, trazendo alívio ao front da guerra comercial.

Mas Trump assumiu um tom mais reticente ao falar sobre o tema. Em entrevista à Fox Business, o presidente americano disse que "é possível" que um acordo seja alcançado, mas afirmou estar "feliz" com o atual estado das relações entre os dois países.

O republicano ainda disse que mais US$ 300 bilhões em produtos chineses podem ser tarifados em 25%, "ou, talvez, em 10%", caso um acordo com Pequim não seja atingido — declarações que caíram como um balde de água fria nos mercados e reacenderam os temores quanto a uma disputa comercial mais ampla no mundo.

Essa piora de humor global após as falas de Trump também afetou as negociações de moedas. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta com as principais divisas do mundo, ganhou força e passou a operar em alta a partir do meio da tarde.

Em comparação com as divisas emergentes, no entanto, o dólar teve um dia de perdas, embora tenha reduzido as quedas na segunda metade da sessão. A moeda americana recuou ante o peso mexicano, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno, mas subiu em relação ao rublo russo.

No mercado brasileiro, analistas e operadores destacam que a demanda por dólares tem aumentado nos últimos dias, quando a moeda americana chegou a patamares próximos de R$ 3,80 — na mínima do dia, a moeda chegou ao nível de R$ 3,83 no segmento à vista.

Assim, a atuação do Banco Central (BC) tem sido importante para acalmar os ânimos do mercado de câmbio. O BC colocou mais US$ 1 bilhão em dinheiro novo no mercado, via leilão de linha com compromisso de recompra — uma operação semelhante foi feita ontem. As operações buscam sanar  “disfuncionalidades” do mercado, em meio à menor liquidez.

Alívio e cautela

No front doméstico, o fato de a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidir manter preso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também contribuiu para trazer algum alívio ao Ibovespa.

Ontem, a possibilidade de soltura do petista trouxe instabilidade extra às negociações, que já exibiam viés negativo. Analistas e operadores ponderaram que a eventual concessão de liberdade ao ex-presidente enfraqueceria o ministro da Justiça, Sergio Moro, o que poderia gerar turbulências ao cenário político.

No entanto, as atenções do mercado local seguem voltadas à tramitação da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara. E sinais de que o colegiado só votará o tema no início da próxima semana trouxeram apreensão às negociações.

O cronograma da Previdência é bastante apertado, já que o governo — e os mercados — espera aprovar a pauta no plenário da Casa até meados de julho, já que o Congresso entrará em recesso na segunda metade do próximo mês.

A própria líder do governo na Câmara, Joice Hasselmann, admite que a votação pode ficar para a semana que vem, embora afirme que esse atraso não trará maiores impactos ao cronograma de tramitação da proposta. E essa percepção de que um ligeiro atraso não compromete os planos do governo ajudou a trazer alguma calma ao mercado.

"Apesar de se falar que a Previdência tem apoio de um número grande de deputados, o mercado vê que [a tramitação] está um pouco embolada", diz Pedro Paulo Silveira, economista da Nova Futura. "O tempo é curto, e isso traz cautela".

Ajustes nos juros

A curva de juros exibiu oscilações moderadas nesta quarta-feira — a ponta curta ficou praticamente estável, enquanto a longa teve ajustes negativos. Há a percepção de que o Banco Central (BC) irá agir de maneira cautelosa em relação aos futuros cortes da Selic, o que impacta as expectativas em relação aos DIs mais curtos.

As curvas com vencimento em janeiro de 2021, por exemplo, subiram de 5,95% para 5,97%. Na ponta longa, por outro lado, os DIs para janeiro de 2023 caíram de 6,78% para 6,75%, enquanto os para janeiro de 2025 fecharam em baixa de 7,29% para 7,24%.

Compra aprovada

As ações PN do Itaú Unibanco (ITUB4) apareceram no campo positivo do Ibovespa e fecharam em alta de 2,38%, com o mercado reagindo positivamente à aprovação, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), da operação de compra de 11% da Ticket — uma das principais empresas do mercado de benefícios, ao lado de Sodexo e Alelo — sem restrições.

Os demais ativos do setor bancário também ajudam a dar força ao Ibovespa, embora apresentem desempenhos menos intensos. As units do Santander Brasil (SANB11), por exemplo, subiram 1,31%, enquanto Bradesco ON (BBDC3) e Bradesco PN (BBDC4) avançaram 0,39% e 1,25%, respectivamente. Banco do Brasil ON (BBAS3) teve ganho de 2,17%.

Commodities se recuperam

Apesar das incertezas no exterior, o mercado de commodities teve um dia bastante positivo. O minério de ferro subiu 2,77% no porto chinês de Qingdao; o petróleo também avançou, tanto o WTI (+2,68%) quanto o Brent (+2,20%).

Esse contexto ajudou a dar força aos papéis de empresas ligadas às commodities, caso de Vale ON (VALE3), em alta de 0,39%, CSN ON (CSNA3), com ganho de 0,50%, Gerdau PN (GGBR4), com valorização de 2,31%, e de Usiminas PNA (USIM5), subindo 1,42%.

Já as ações da Petrobras apresentaram comportamentos mistos: os papéis PN da estatal (PETR4) avançaram 0,58%, enquanto os ONs (PETR3) caíram 0,49%.

Ontem, a Caixa Econômica Federal informou que se desfez da participação que detinha na Petrobras com uma oferta de ações que rendeu R$ 7,3 bilhões ao banco público. Quem reservou as ações ON da estatal na oferta vai pagar R$ 30,25 por papel.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Crise hídrica

Ministro de Minas e Energia descarta racionamento e diz trabalhar para evitar apagão

Com níveis alarmantes nas usinas hidrelétricas, até mesmo a volta do horário de verão é considerada por alguns membros do governo e indústria

Negócio da China?

SEC confirma pausa em IPOs de empresas chinesas; agência reguladora dos EUA fará novas orientações sobre riscos

Em meio à ofensiva regulatória de Pequim, a SEC busca novas orientações ao mercado sobre os riscos envolvidos em comprar ações de companhias do país asiático

Passo à frente

Rumo ao “outro patamar”: EQI, que trocou a XP pelo BTG, recebe autorização para abrir corretora

Depois de ser pivô de disputa entre os bancos, escritório de agentes autônomos dá um passo decisivo para ter “vida própria” no mercado

Estreia forte

Ações da ClearSale estreiam na bolsa com disparada de 20% após IPO

No 40º IPO na B3 no ano, empresa de soluções antifraude movimentou pouco mais de R$ 1 bilhão

Deu ruim, Jeff Bezos

Quando o bom não é suficiente: Amazon despenca e afunda o Nasdaq após trimestre frustrante

As ações da Amazon têm a maior queda desde março do ano passado, afetadas pela perspectiva de desaceleração no crescimento das receitas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies