Menu
2019-12-20T17:06:36-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados hoje

De olho na inflação mais forte, Ibovespa opera em queda; dólar sobe a R$ 4,09

A aceleração mais firme do IPCA-15 em dezembro traz alguma cautela ao mercado e, nesse cenário, os investidores optam por realizar parte dos lucros recentes, derrubando o Ibovespa

20 de dezembro de 2019
10:36 - atualizado às 17:06
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Após três altas consecutivas — e três recordes de fechamento —, o Ibovespa finalmente cede a um movimento de realização de lucros e, com isso, retorna ao nível dos 114 mil pontos. De olho nos sinais de aceleração na inflação, os agentes financeiros preferem embolsar parte dos ganhos recentes obtidos na bolsa.

Por volta de 17h05, o principal índice acionário brasileiro recuava 0,19%, aos 114.909,19 pontos, destoando do exterior: lá fora, o Dow Jones (+0,48%), o S&P 500 (+0,58%) e o Nasdaq (+0,48%) seguem com o fôlego em dia, continuando a buscar novas máximas.

No mercado de câmbio, a cautela imperou com mais força: o dólar à vista fechou em alta de 0,80%, a R$ 4,0947 — o real, assim, foi na contramão das demais divisas de países emergentes, que se valorizam em relação à moeda americana. Na semana, contudo, o dólar ainda acumulou baixa de 0,31%.

Em destaque nesta sexta-feira, aparece a alta de 1,05% na inflação medida pelo IPCA-15 em dezembro — no mês passado, o indicador subiu 0,14%. Trata-se da maior elevação mensal desde junho de 2018.

Assim como já tinha sido verificado no IPCA de novembro, o setor de alimentos e bebidas foi o grande responsável pela aceleração na inflação, especialmente por causa da disparada nos preços das carnes — o valor das proteínas animais saltou 17,7% em dezembro.

Com a inflação ganhando força, diminuem as apostas num possível corte da Selic no início de 2020: o Banco Central (BC) até deixou a porta aberta para mais uma baixa de 0,25 ponto na taxa básica de juros no ano que vem, mas que estaria atento aos dados econômicos, sobretudo o comportamento dos preços.

Considerando as pressões inflacionárias, o mercado promoveu ajustes positivos nas curvas de juros durante a manhã, precificando a menor chance de cortes na Selic. Mas, no início de tarde, ocorreu o movimento oposto: os DIs devolveram a alta do início do dia, numa correção após as fortes altas dos últimos dias.

Veja como ficaram as curvas mais líquidas nesta sexta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,66% para 4,63%;
  • Janeiro/2023: de 6,06% para 5,97%;
  • Janeiro/2025: de 6,72% para 6,64%;
  • Janeiro/2027: de 7,06% para 6,99%.

Tranquilidade nos EUA

Lá fora, os agentes financeiros mostram-se bastante tranquilos em relação ao estado da economia americana, o que dá suporte a mais uma rodada de ganhos nas bolsas do país.

Foi divulgada nesta manhã a terceira e última leitura do PIB dos EUA no terceiro trimestre, mostrando um crescimento de 2,1% da economia do país no período — um resultado em linha com as expectativas do mercado.

Top 5

Confira os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Gerdau PN (GGBR4): +4,76%
  • Tim ON (TIMP3): +3,54%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +3,10%
  • Natura ON (NTCO3): +2,19%
  • Cosan ON (CSAN3): +2,15%

Veja também as maiores quedas do índice no momento:

  • MRV ON (MRVE3): -3,77%
  • Cogna ON (COGN3): -2,23%
  • B2W ON (BTOW3): -2,15%
  • Marfrig ON (MRFG3): -2,06%
  • Fleury ON (FLRY3): -1,81%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

covid no brasil

Covid-19: Brasil tem 97.256 óbitos e 2,02 milhões de recuperados

Atualmente, 741.180 pacientes estão em acompanhamento

Resultados que mexem o mercado

Braskem, AES Tietê, SulAmérica: os balanços que vão movimentar o mercado nesta quinta

Resultados financeiros do primeiro trimestre afetam mercado em meio à pandemia

seu dinheiro na sua noite

O fim de um ciclo?

Após um ano de cortes sucessivos, o atual ciclo de queda da taxa básica de juros, a Selic, parece ter chegado ao fim nesta quarta-feira. No início da noite, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou a redução dos juros em 0,25 ponto percentual, para 2,00% ao ano, como já era esperado […]

Novo corte

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 2,00% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Mínima histórica

Banco Central reduz Selic para 2% ao ano e sinaliza fim do ciclo de cortes de juros

Essa foi a nona (e última?) redução consecutiva no atual ciclo de queda da Selic, que começou em julho do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements