Menu
2019-10-14T14:33:23-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Humor azedo

Rumores e boatos mexeram com o mercado — e fizeram o Ibovespa cair quase 2%

Ruídos de comunicação e especulações a respeito da reforma da Previdência e da guerra comercial fizeram o Ibovespa fechar no menor nível desde 3 de setembro

7 de outubro de 2019
10:33 - atualizado às 14:33
Boato
Conversas cruzadas e especulações mexeram com o rumo dos mercados nesta segunda-feira (7)Imagem: Shutterstock

Um diz que me diz tomou conta das mesas de operação nesta segunda-feira (7). Em meio aos ruídos sobre os desdobramentos da guerra comercial e às conversas desencontradas quanto à reforma da Previdência, o Ibovespa e o dólar à vista foram ficando mau-humorados — e terminaram o dia de cabeça quente.

O principal índice da bolsa brasileira passou a sessão todo no campo negativo, mas, durante a manhã, até tentou se manter perto da estabilidade. No entanto, conforme o dia foi passando, o mercado foi azedando cada vez mais. E, como resultado, fechou em queda firme, muito perto das mínimas intradiárias.

Ao fim do pregão, o Ibovespa recuou 1,93%, aos 100.572,77 pontos — é o menor nível de encerramento desde 3 de setembro, quando o índice estava abaixo dos 100 mil pontos. Somente em outubro, a bolsa brasileira já acumula perdas de 3,98%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Nos Estados Unidos, as praças acionárias também fecharam no vermelho, mas com baixas bem menos intensas: o Dow Jones caiu 0,36%, o S&P 500 recuou 0,45% e o Nasdaq encerrou em queda de 0,33%, também em meio à guerra de narrativas a respeito das negociações entre os governos americano e chinês.

No câmbio, o dia foi igualmente marcado por estresse: o dólar à vista subiu 1,19%, a R$ 4,1045, e devolveu boa parte das perdas acumuladas nas últimas três sessões. Lá fora, a moeda americana se fortaleceu em relação às demais divisas emergentes, mas num movimento bem mais suave do que o visto por aqui.

Tanto no Brasil quanto no exterior, o saldo das mudanças constantes de discurso foi o mesmo: ao fim do dia, o mercado ficou inseguro, sem saber no que acreditar. E, num cenário como esse, a reação natural foi partir para a defesa, reduzindo a aversão ao risco — o que derrubou o Ibovespa e fez o dólar dar um salto.

Confusão

Em termos globais, um assunto domina a atenção dos agentes financeiros: a nova rodada de negociações oficiais entre Estados Unidos e China, com início previsto para essa semana. E, às vésperas das conversas, o noticiário a respeito dos bastidores do encontro ficou bastante ruidoso.

Ainda durante a manhã, os mercados reagiram negativamente às notícias de que a delegação chinesa não estaria tão disposta a abrir mão de alguns pontos nas negociações com os americanos, sem se comprometer com uma agenda de reformas que envolva as políticas industriais ou os subsídios do governo.

O humor dos agentes financeiros globais melhorou um pouco com as declarações do diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, dizendo que o país está aberto às propostas da China na rodada de negociações comerciais.

Durante a tarde, o tom foi de otimismo pontual: segundo a imprensa americana, ambas as partes teriam cegado a algum tipo de entendimento, acertando de antemão um acordo prévio que englobasse alguns items em que as duas potências estariam de acordo.

Mas, com tantas idas e vindas a respeito do que pode acontecer ou não na rodada de negociações desta semana, o sentimento de cautela logo voltou a tomar conta das negociações, firmando as bolsas americanas no campo negativo e fazendo o dólar se fortalecer em relação às divisas emergentes.

"Temos mais do mesmo nesta segunda-feira, e o mesmo é ruim", diz um operador, referindo-se à falta de previsibilidade quanto ao que pode acontecer na guerra comercial. "E, por aqui, não temos nenhuma grande novidade, nada que dispare um gatilho para reverter essa tendência de queda".

Incerteza

Por aqui, a tramitação da reforma da Previdência também foi alvo de especulações: embora o cronograma oficial ainda estabeleça o dia 15 como data-limite para a votação do texto em segundo turno pelo plenário do Senado, ganha cada vez mais força a leitura de que esse prazo sofrerá novos atrasos.

Em Brasília, o clima é de incertezas em relação às disputas pelos recursos da cessão onerosa, o que tem travado a pauta de discussões da Câmara e do Senado. No momento, o entendimento é o de que é preciso chegar a algum tipo de acerto quanto à partilha — mas, por enquanto, ainda não há nenhum sinal de acordo.

Nesse cenário, o senador Major Olímpio (PSL-SP) afirmou, em entrevista ao Broadcast, que a Previdência poderá ser votada pelo plenário da Casa em segundo turno apenas no dia 22 — vale lembrar que um número relevante de senadores viajará ao Vaticano para acompanhar a cerimônia de canonização de Irmã Dulce, o que pode atrasar ainda mais a tramitação.

Nesse contexto, quaisquer declarações do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, ou movimentações de bastidores para tentar dar celeridade ao processo, podem mexer com o andamento dos mercados nos próximos dias. Por ora, os agentes financeiros preferiram assumir um tom de maior cautela quanto ao panorama político.

Ainda por aqui, boatos quanto à possibilidade de renúncia do ministro da Economia, Paulo Guedes, em fevereiro, circularam entre as mesas de operação e também contribuíram para trazer instabilidade às negociações.

Juros sobem

Em meio à alta do dólar à vista e ao noticiário conturbado, tanto no Brasil quanto no exterior, a curva de juros fechou em leve alta, tanto na ponta curta quanto na longa.

As curvas para janeiro de 2021, por exemplo, subiram de 4,86% para 4,88%, e as para janeiro de 2023 avançaram de 5,97% para 6,02%. No vértice mais extenso, os DIs com vencimento em janeiro de 2025 foram de 6,58% para 6,64%.

Alta solitária

Apenas uma ação do Ibovespa encerrou o pregão desta segunda-feira no campo positivo: Raia Drogasil ON (RADL3), em ligeira alta de 0,62%.

No lado negativo do índice, destaque para os papéis da Eletrobras: as ações ON (ELET3) recuaram 7,90%, enquanto as PNBs (ELET6) tiveram baixa de 6,61%, reagindo negativamente às notícias quanto ao abandono, por parte do governo, dos planos de injeção de R$ 3,5 bilhões em recursos na estatal, de modo a torná-la mais atrativa para receber investimentos privados.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ECONOMIA

‘Recessão profunda torna retomada lenta’, diz economista do Insper

“Um ponto a se considerar é que, somando com os resultados de 2018, já são quase 1,2 milhão de empregos desde a crise. O mercado de trabalho demorou para responder, porque a recessão foi muito profunda, mas está respondendo”, falou Sergio Fripo

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

ACORDOS

Bolsonaro assina 15 acordos com a Índia e fala que comércio poderá superar US$ 50 bilhões até 2022

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), segundo o jornal Folha de S.Paulo

MAIS LIDAS DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: O sonho da aposentadoria rápida

Caro leitor, O que te assusta mais: o coronavírus ou a fila do INSS? Não tenho dúvidas de que a nova doença foi o assunto da semana no mundo todo, mas o desejo de se aposentar rápido – e sem depender do governo – foi o que bombou aqui no Seu Dinheiro.  O projeto Aposente-se aos […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements