Menu
2019-12-06T17:20:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mais alívio

Ibovespa sobe aos 111 mil pontos, acompanhando o otimismo lá fora; dólar cai a R$ 4,14

Sinais animadores no front da guerra comercial dão forças às bolsas globais e colocam o Ibovespa novamente no campo positivo

6 de dezembro de 2019
10:28 - atualizado às 17:20
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Mesmo após quatro pregões consecutivos no campo positivo, o Ibovespa continua dando sinais de força e volta a operar em alta na manhã desta sexta-feira (6). O otimismo em relação aos rumos da guerra comercial segue dando suporte às bolsas globais — e dados animadores referentes à economia americana dão um gás extra aos ativos.

Por volta de 17h05, o principal índice da bolsa brasileira avançava 0,48%, aos 111.148,22 pontos — na máxima, foi aos 111.429,66 pontos (+0,73%), um novo recorde intradiário. O dólar à vista teve um dia igualmente tranquilo: fechou em baixa de 0,99%, a R$ 4,1469.

Lá fora, os agentes financeiros seguem na expectativa quanto ao fechamento da primeira fase do acordo comercial entre americanos e chineses. Nesta manhã, o ministério de Finanças da China afirmou que o país vai isentar de tarifas parte da soja, da carne de porco e outras commodities importadas dos EUA.

A noticia é comemorada pelos mercados por abrir caminho para um acerto mais amplo entre as partes. O timing é crítico, uma vez que, no próximo dia 15, o governo americano começará a implantar uma nova rodada de sobretaxações sobre as importações chinesas — há a expectativa de que, com o acordo, tais tarifas sejam canceladas ou, ao menos, adiadas.

Assim, por mais que ainda não haja uma sinalização mais concreta de que Washington e Pequim irão de fato assinar um termo comercial nos próximos dias, os indícios renovam as esperanças do mercado.

Força americana

E a sessão de hoje, que já se desenhava positiva por causa das negociações entre EUA e China, ganhou cores ainda mais vibrantes, com sinais de força do mercado de trabalho americano. A taxa de desemprego do país caiu a 3,5% em novembro, ligeiramente abaixo das previsões do mercado.

E não foi só isso: a economia do país criou 266 mil novos postos de trabalho no mês passado, superando em muito a expectativa dos analistas e agentes financeiros. Os dados provocaram uma reação imediata nas bolsas globais, ampliando o ritmo de ganhos lá fora.

O Dow Jones (+1,22%), o S&P 500 (+0,96%) e o Nasdaq (+1,03%) operam em alta firme, assim como as principais praças da Europa. E, nesse cenário, o Ibovespa caminha para mais uma sessão de recordes.

De olho na inflação

Por aqui, a inflação medida pelo IPCA é o destaque da agenda: o indicador acelerou para 0,51% em novembro — a maior leitura para o mês desde 2015. O resultado foi fortemente influenciado pelo grupo alimentação e bebidas, que teve alta de 8,09%, puxado pela disparada nos preços da carne.

Essa peculiaridade dos números do IPCA — uma pressão intensa nos alimentos, enquanto os demais núcleos ficaram comportados — amenizaram a preocupação quanto a uma escalada na inflação. Em linhas gerais, o mercado segue enxergando um cenário de Selic baixa por um tempo prolongado.

Nesse cenário — e com a forte baixa no dólar à vista — as curvas de juros encontram espaço para fechar em queda. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,69% para 4,60%;
  • Janeiro/2023: de 5,85% para 5,72%;
  • Janeiro/2025: de 6,44% para 6,35%;
  • Janeiro/2027: de 6,77% para 6,70%.

Quanto ao mercado de câmbio, o novo alívio visto no dólar à vista ocorreu em linha com a menor aversão ao risco no exterior, em meio ao otimismo dos agentes financeiros em relação à guerra comercial.

O real acompanhou as demais divisas de países emergentes — como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano —, que também se valorizaram em relação ao dólar.

Top 5

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +7,08%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): +4,77%
  • Yduqs ON (YDUQ3): +4,66%
  • BTG Pactual units (BPAC11): +4,64%
  • MRV ON (MRVE3): +4,51%

Confira também os papéis que lideram a ponta negativa do índice:

  • Santander Brasil units (SANB11): -1,53%
  • Itaú Unibanco PN (ITUB4): -1,45%
  • Bradesco PN (BBDC4): -0,89%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -0,88%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -0,82%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

“efeito de três pontos”

O [mau] comportamento dos mercados: as semelhanças entre a trajetória do câmbio e de uma bola de basquete

O câmbio vai oscilar ao gosto das notícias – das guerras comerciais à falta de agenda econômica do governo federal. Mas existe um estranho – e ainda pouco compreendido – “efeito de três pontos”.

DRAGÃO COM FOME

Comida pressiona inflação até o fim do ano, dizem analistas

Dólar em alta, oferta escassa por causa da entressafra e o auxílio emergencial estão provocando o aumento dos preços

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies