Menu
2019-12-06T17:20:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mais alívio

Ibovespa sobe aos 111 mil pontos, acompanhando o otimismo lá fora; dólar cai a R$ 4,14

Sinais animadores no front da guerra comercial dão forças às bolsas globais e colocam o Ibovespa novamente no campo positivo

6 de dezembro de 2019
10:28 - atualizado às 17:20
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Mesmo após quatro pregões consecutivos no campo positivo, o Ibovespa continua dando sinais de força e volta a operar em alta na manhã desta sexta-feira (6). O otimismo em relação aos rumos da guerra comercial segue dando suporte às bolsas globais — e dados animadores referentes à economia americana dão um gás extra aos ativos.

Por volta de 17h05, o principal índice da bolsa brasileira avançava 0,48%, aos 111.148,22 pontos — na máxima, foi aos 111.429,66 pontos (+0,73%), um novo recorde intradiário. O dólar à vista teve um dia igualmente tranquilo: fechou em baixa de 0,99%, a R$ 4,1469.

Lá fora, os agentes financeiros seguem na expectativa quanto ao fechamento da primeira fase do acordo comercial entre americanos e chineses. Nesta manhã, o ministério de Finanças da China afirmou que o país vai isentar de tarifas parte da soja, da carne de porco e outras commodities importadas dos EUA.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A noticia é comemorada pelos mercados por abrir caminho para um acerto mais amplo entre as partes. O timing é crítico, uma vez que, no próximo dia 15, o governo americano começará a implantar uma nova rodada de sobretaxações sobre as importações chinesas — há a expectativa de que, com o acordo, tais tarifas sejam canceladas ou, ao menos, adiadas.

Assim, por mais que ainda não haja uma sinalização mais concreta de que Washington e Pequim irão de fato assinar um termo comercial nos próximos dias, os indícios renovam as esperanças do mercado.

Força americana

E a sessão de hoje, que já se desenhava positiva por causa das negociações entre EUA e China, ganhou cores ainda mais vibrantes, com sinais de força do mercado de trabalho americano. A taxa de desemprego do país caiu a 3,5% em novembro, ligeiramente abaixo das previsões do mercado.

E não foi só isso: a economia do país criou 266 mil novos postos de trabalho no mês passado, superando em muito a expectativa dos analistas e agentes financeiros. Os dados provocaram uma reação imediata nas bolsas globais, ampliando o ritmo de ganhos lá fora.

O Dow Jones (+1,22%), o S&P 500 (+0,96%) e o Nasdaq (+1,03%) operam em alta firme, assim como as principais praças da Europa. E, nesse cenário, o Ibovespa caminha para mais uma sessão de recordes.

De olho na inflação

Por aqui, a inflação medida pelo IPCA é o destaque da agenda: o indicador acelerou para 0,51% em novembro — a maior leitura para o mês desde 2015. O resultado foi fortemente influenciado pelo grupo alimentação e bebidas, que teve alta de 8,09%, puxado pela disparada nos preços da carne.

Essa peculiaridade dos números do IPCA — uma pressão intensa nos alimentos, enquanto os demais núcleos ficaram comportados — amenizaram a preocupação quanto a uma escalada na inflação. Em linhas gerais, o mercado segue enxergando um cenário de Selic baixa por um tempo prolongado.

Nesse cenário — e com a forte baixa no dólar à vista — as curvas de juros encontram espaço para fechar em queda. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,69% para 4,60%;
  • Janeiro/2023: de 5,85% para 5,72%;
  • Janeiro/2025: de 6,44% para 6,35%;
  • Janeiro/2027: de 6,77% para 6,70%.

Quanto ao mercado de câmbio, o novo alívio visto no dólar à vista ocorreu em linha com a menor aversão ao risco no exterior, em meio ao otimismo dos agentes financeiros em relação à guerra comercial.

O real acompanhou as demais divisas de países emergentes — como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano —, que também se valorizaram em relação ao dólar.

Top 5

Veja as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +7,08%
  • Lojas Americanas PN (LAME4): +4,77%
  • Yduqs ON (YDUQ3): +4,66%
  • BTG Pactual units (BPAC11): +4,64%
  • MRV ON (MRVE3): +4,51%

Confira também os papéis que lideram a ponta negativa do índice:

  • Santander Brasil units (SANB11): -1,53%
  • Itaú Unibanco PN (ITUB4): -1,45%
  • Bradesco PN (BBDC4): -0,89%
  • Ultrapar ON (UGPA3): -0,88%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -0,82%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

BALANÇO

Receita bruta da Cia Hering soma R$ 502,9 milhões no 4º trimestre

Segundo a empresa, as vendas mesmas lojas apresentaram queda de 4% na rede Hering. Importante destacar que a rede apresentou nos últimos 7 trimestres crescimento desse indicador

AQUISIÇÃO

BC autoriza que Banco Inter compre 70% de controladora da DLM Invista

Hoje, a DLM possui R$ 4,5 bilhões em ativos sob gestão e é responsável pela gestão fundos de investimento e previdência privada, além de gestão de patrimônio por meio de fundos e carteiras de clientes de alta renda

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Nada além de céus azuis

“Blue days / All of them gone / Nothing but blue skies / from now on” Caro leitor, Os versos da canção otimista de Irving Berlin, composta há quase cem anos, dizem, numa tradução livre, que os dias “azuis” (no sentido de “tristes”, “depressivos”) se foram e que, de agora em diante, não haverá nada […]

Perto dos 119 mil pontos

Ibovespa ganha força na reta final, fecha em alta e crava um novo recorde; dólar sobe a R$ 4,18

Após passar boa parte da sessão flutuando perto do zero a zero, o Ibovespa acordou nos últimos minutos e chegou a uma nova máxima histórica, engatando a terceira alta consecutiva. O dólar à vista, por outro lado, teve um dia mais pressionado e subiu a R$ 4,18

DE OLHO NOS FUNDOS

Patrimônio dos fundos cresce 15,27% e vai a R$ 5 trilhões, diz Economatica

Em dólares, a indústria de fundos se mantém acima de US$ 1 trilhão desde dezembro de 2016.

UM PLANO DE INVESTIMENTOS

Já pensou em se aposentar aos 40 anos e viver de renda?

Esse conteúdo é para quem não está disposto a esperar até os 65 anos para se aposentar

Banco do Brasil zera custódia para investimentos em bolsa

Isenção já está em vigor e vale para os clientes do banco que investem em ações, fundos de índice (ETFs) e fundos imobiliários na bolsa

OLHOS ATENTOS

Bank of America rebaixa e corta preço-alvo das ações de Itaú e Bradesco; papéis caem

O banco cortou o preço-alvo em 12 meses para as ações de ambos. No caso do Itaú, o preço-alvo ficou em R$ 34, com potencial de queda de 3% em relação ao fechamento de sexta-feira (17). Já o Bradesco teve o preço-alvo reduzido para R$39, o que representa uma potencial expansão de 10%

Altas e baixas

Raia Drogasil, bancos e varejistas: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As ações da Raia Drogasil aparecem entre as maiores altas do Ibovespa após o Credit Suisse elevar a recomendação e o preço-alvo dos papéis

mais otimismo

FMI aumenta projeção para o PIB do Brasil para 2,2% em 2020

De acordo com o Fundo, a elevação da estimativa do PIB do Brasil para este ano ocorreu sobretudo devido à melhora do sentimento após a aprovação da reforma da Previdência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements