Menu
2019-12-05T17:14:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mais recordes

Ibovespa sobe e busca mais recordes, impulsionado pela Petrobras; dólar cai a R$ 4,18

Aproveitando o tom positivo no exterior, o Ibovespa opera em ligeira alta nesta quinta-feira e busca novos recordes

5 de dezembro de 2019
10:33 - atualizado às 17:14
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa até começou o pregão desta quinta-feira (5) com um leve viés negativo, dando pinta de que os investidores optariam por embolsar parte dos lucros recentes. Mas, em meio ao bom desempenho das ações da Petrobras, o índice brasileiro ganhou força e virou para alta, buscando novos recordes.

Por volta de 17h05, o Ibovespa avançava 0,33%, aos 110.660,42 pontos — na máxima do dia, chegou aos 111.072,80 pontos (+0,70%), um novo recorde intradiário. Com isso, o índice descola das bolsas americanas: o Dow Jones (+0,07%), o S&P 500 (+0,12%) e o Nasdaq (+0,01%) ficam perto da estabilidade.

O dólar à vista fez um caminho parecido com o do Ibovespa: no início do dia, a moeda americana chegou a subir 0,50%, a R$ 4,2235, mas, ao fim da sessão, estava cotado a R$ 4,1882, em baixa de 0,34%. O real, assim, juntou-se às demais divisas de países emergentes, que também se valorizaram nesta quinta-feira.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Em linhas gerais, o pano de fundo para os mercados continua o mesmo dos últimos dias: lá fora, há certo "otimismo cauteloso" em relação às negociações comerciais entre Estados Unidos e China; aqui dentro, segue a perspectiva de recuperação da economia do Brasil, após os dados animadores do PIB no terceiro trimestre e da produção industrial em outubro.

Lá fora, autoridades de Pequim disseram que as conversas entre as potências continuam em andamento, apesar dos recentes atritos entre os países nos assuntos ligados aos protestos sociais em Hong Kong.

Essa sinalização traz algum sentimento positivo aos agentes financeiros, mas o front da guerra comercial ainda inspira cuidados. Afinal, os Estados Unidos começarão a implantar uma nova rodada de tarifas às importações da China no próximo dia 15 — e, ao menos por enquanto, não há avanços concretos nas negociações para barrar essas sobretaxas.

Nesse cenário, as bolsas americanas exibem um ligeiro viés negativo, com os investidores evitando se expor a riscos desnecessários, apesar da indicação animadora do governo chinês. Por aqui, contudo, há fatores domésticos que ajudam a dar forças ao Ibovespa.

Otimismo com a Petrobras

Um dos motores por trás da nova sessão de ganhos do Ibovespa é o bom desempenho dos papéis da Petrobras: no momento, as ações PN da estatal (PETR4) sobem 1,72%, enquanto as ONs (PETR3) têm ganho de 1,88%.

Ontem, a companhia realizou um evento dedicado a analistas e investidores nos Estados Unidos, transmitindo uma mensagem positiva acerca do futuro. Casas como o BTG Pactual e o Credit Suisse mostraram-se otimistas quanto às perspectivas para a estatal, o que dá forças aos papéis da companhia.

Além disso, o petróleo não cedeu a um movimento de realização de lucros, mesmo após os ganhos expressivos da sessão passada. O WTI com vencimento em janeiro ficou estável, enquanto o Brent para fevereiro subiu 0,61%.

Vale lembrar que a reunião semanal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados — grupo conhecido como Opep+ — está em andamento, e há a expectativa quanto a um anúncio de manutenção no corte de produção da commodity, o que elevaria os preços do produto.

Bancos avançam

O clima de otimismo em relação à economia doméstica também dá forças às ações do setor bancário. Bradesco ON (BBDC3) lidera o grupo, com alta de 0,56%, enquanto Bradesco PN (BBDC4) sobe 0,17%, Itaú Unibanco PN (ITUB4) avança 0,19% e as units do Santander Brasil (SANB11) têm ganho de 0,64% — a exceção é Banco do Brasil ON (BBAS3), em baixa de 1,28%.

Top 5

Confira as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa no momento:

  • Cielo ON (CIEL3): +4,82%
  • Bradespar PN (BRAP4): +3,1%
  • Weg ON (WEGE3): +2,61%
  • Petrobras ON (PETR3): +2,00%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): +1,99%

Veja também as cinco maiores quedas do índice:

  • Ultrapar ON (UGPA3): -2,35%
  • Banco do Brasil ON (BBAS3): -1,45%
  • Ecorodovias ON (ECOR3): -1,43%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -1,41%
  • MRV ON (MRVE3): -1,34%

Dólar vira para queda

O dólar à vista iniciou o dia sob pressão e chegou a tocar o nível de R$ 4,22 na máxima do dia, em meio ao cenário estrutural para a moeda: diferencial de juros em queda, menor apelo do carry trade e remessas mais volumosas de divisas ao exterior — um fator comum no encerramento do ano.

Mas, segundo o operador de câmbio da corretora Correparti, Ricardo Gomes Filho, esse patamar mais elevado da divisa provocou um movimento de venda no mercado futuro — o que, consequentemente, puxou a cotação da moeda para baixo no segmento à vista.

"É uma faixa de flutuação absolutamente normal", diz Gomes Filho, referindo-se ao intervalo entre R$ 4,18 e R$ 4,22. "Não há nenhum fator macroeconômico mais relevante, tudo segue sob controle".

O operador da Correparti ainda lembra que, no fim de ano, o volume de negociações do mercado de câmbio tende a cair bastante, o que deixa as operações mais sujeitas à volatilidade. Ele ainda ressalta que, ao mudar de tendência, o real ficou em linha com os pares no exterior, que também se valorizaram em relação ao dólar.

Divisas como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano, entre outras, ganharam terreno pelo segundo dia seguido. E mesmo as moedas fortes também conseguiram passar por uma onda de alívio: o índice DXY, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta com as principais divisas do mundo, caiu 0,23%.

"O investidor sai da proteção, da segurança, e se expõe mais ao risco. O ambiente externo está melhor, em meio às negociações EUA-China", diz Gomes Filho. "Não tem nenhum vento ruim lá fora, e, por aqui, o ambiente também é bom".

Juros em alta

As curvas de juros não acompanharam o alívio do dólar nesta tarde e fecharam em leve alta. Veja como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,67% para 4,70%;
  • Janeiro/2023: de 5,82% para 5,85%;
  • Janeiro/2025: de 6,42% para 6,44%;
  • Janeiro/2027: de 6,73% para 6,77%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

precaução

Por receio do coronavírus, China adia reabertura do mercado de ações

Originalmente, os negócios nas bolsas de Xangai e de Shenzhen seriam retomados na sexta-feira; agora, serão voltam segunda

Produtos de investimento

Na disputa com plataformas, Itaú lança fundo que segue carteira recomendada pelo banco

Fundo lançado há pouco mais de uma semana na rede já conta com R$ 500 milhões em patrimônio e permite que cliente invista em toda a carteira de recomendações em um único produto

Vítima da guerra das maquininhas

Lucro da Cielo cai pela metade em 2019 e despenca 68% no 4º trimestre

A estratégia deliberada da empresa controlada por Banco do Brasil e Bradesco é sacrificar as margens de lucro para defender a liderança do mercado de maquininhas de cartão. Os números refletem bem esse esforço, para o bem e para o mal

POLÍTICA

Moro diz que quem vai decidir o vice (em 2022) é o presidente; mas ideal é o vice Mourão

O ministro considerou que “pode ser que no futuro lá distante volte a se cogitar isso” e defendeu: “Não acho uma boa ideia”. “Os ministérios juntos são mais fortes.”

APROVADA SEM RESTRIÇÕES

Cade aprova compra da Embraer pela Boeing

A operação analisada pelo Cade prevê duas transações. Uma delas consiste na aquisição pela Boeing de 80% do capital do negócio de aviação comercial da Embraer, que engloba a produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte (operação comercial)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bolsa contaminada pelo coronavírus

Caro leitor, A semana começou mal para as bolsas do mundo todo. O avanço do coronavírus na China durante o fim de semana colocou os mercados de molho nesta segunda. Já foram confirmados quase 3 mil casos em mais de dez países, sendo a maioria deles na China. Até agora, foram computadas 82 mortes. Os […]

Cautela elevada

Em dia de queda de 3% do Ibovespa com alerta sobre coronavírus, ações de drogaria sobem

A disseminação do coronavírus elevou a aversão ao risco nos mercados financeiros, derrubando o Ibovespa e fazendo o dólar romper a marca de R$ 4,20. Apenas cinco ações do índice subiram, incluindo Raia Drogasil

DE OLHO NO CORONAVÍRUS

‘Índice do medo’ atinge patamar visto no auge da guerra comercial e sobe mais de 25%

Na máxima intradiária, o indicador chegou a bater a casa dos 19,02 pontos, valor que não era visto desde outubro do ano passado quando ele atingiu a marca dos 19,28 pontos

CONCESSÕES

Maia definirá até dia 30 quando lei de concessões vai a plenário, dizem deputados

“Se ele (presidente da Câmara) estiver convencido de que esse texto é um texto bom, que atende a sociedade, eu acho que a gente vota ele rápido”, disse também o deputado João Maria

CRÉDITO

Demanda por crédito do consumidor cai em dezembro e cresce em 2019, diz Boa Vista

Considerando os segmentos que compõem o indicador, o Financeiro apresentou elevação de 6,1% no ano, enquanto o segmento Não Financeiro registrou evolução de 2,5% na mesma base de comparação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements