Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-03T18:43:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Nervosismo

Ibovespa fecha em queda com tensão entre Guedes e deputados; dólar sobe

O mercado reagiu mal ao tom das discussões entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os deputados da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara

3 de abril de 2019
10:22 - atualizado às 18:43
Selo marca a cobertura de mercados do Seu Dinheiro para o fechamento da Bolsa
O tom ríspido do debate entre Guedes e os deputados na CCJ trouxe nervosismo aos mercados - Imagem: Seu Dinheiro

"O dia é de otimismo, mas é um otimismo meio nervoso..."

Um operador me disse isso antes do almoço, quando conversávamos sobre o comportamento dos mercados nesta quarta-feira. Ele acertou em cheio.

O Ibovespa, que operou em alta ao longo da manhã, virou para o campo negativo no meio da tarde. O dólar à vista fez o caminho contrário: estava caindo e passou a subir na segunda metade da sessão.

E o que aconteceu no meio do caminho? A sabatina do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, no âmbito da proposta de reforma da Previdência.

O evento era bastante aguardado pelo mercado. Mas, assim que a audiência começou, ficou claro que o debate não seria amistoso, com os deputados da oposição dominando o primeiro bloco de perguntas ao ministro.

E os momentos de bate-boca mais acalorado acenderam uma luz amarela no imaginário dos mercados: será que o governo está suficientemente alinhado com o Congresso para aprovar as reformas?

Com essa dúvida na cabeça, o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,94%, aos 94.491,48 pontos, após chegar aos 96.442,31 pontos na máxima (+1,11%). O dólar à vista terminou a sessão em alta de 0,55%, a R$ 3,8780 — durante a manhã, a moeda americana chegou a ser negociada na faixa de R$ 3,83.

Clima quente

"O mercado não bateu no conteúdo da fala do Guedes, mas sim, no tom", diz Álvaro Frasson, analista da Necton, afirmando que o tom acalorado das discussões na CCJ mostra que ainda há dificuldades no relacionamento entre governo e Congresso — e essa percepção provocou a piora generalizada dos mercados.

De fato, a virada no Ibovespa e no dólar começou por volta de 14h30, pouco depois do início da participação de Guedes na CCJ. O movimento coincidiu com uma discussão entre Guedes e os deputados acerca do modelo de capitalização previsto na reforma da Previdência.

"O Guedes está muito firme, muito bem embasado tecnicamente. Mas encontra uma oposição que o ataca com firmeza", diz Enrico Cozzolino, analista da Eleven Financial Research. "Ainda que ele diga sutilmente que é possível alguma negociação, ele joga a responsabilidade toda para os deputados. E a gente sabe que, no jogo político, não é assim que funciona".

Vale ressaltar que a audiência se estenderá até a noite: ontem, o presidente da CCJ, Felipe Francischini, afirmou que a sabatina deve durar de 6 a 8 horas. Assim, eventuais declarações a serem dadas por Guedes até o fim da sabatina serão repercutidas apenas amanhã pelos mercados.

As curvas de juros também sentiram o peso do nervosismo na CCJ e passaram a subir: os DIs com vencimento em janeiro de 2020 fecharam em alta, de 6,485% para 6,515%, e os com vencimento em janeiro de 2021 avançaram de 7,02% para 7,06%. As curvas para janeiro de 2023 foram de 8,12% para 8,22%.

E o otimismo da manhã, de onde vinha?

Do exterior. Lá fora, as notícias indicando avanços nas conversas entre Estados Unidos e China deram forças aos mercados globais — e, antes do início da sabatina na CCJ, tanto o Ibovespa quanto o dólar pegaram carona no otimismo visto no resto do mundo.

Segundo o Financial Times, as duas potências estão próximas de finalizar um acordo comercial, o que reduziria as preocupações acerca do ritmo de crescimento global. Nesse contexto, o Dow Jones (+0,13%), o S&P 500 (+0,23%) e o Nasdaq (+0,63%) fecharam em alta — na Europa, o índice Stoxx 600 terminou o dia com ganho de 0,86%.

A menor percepção de risco entre as relações Estados Unidos-China também foi sentida no minério de ferro: a commodity, que já vinha em forte tendência positiva, avançou mais 3,55% hoje.

CSN e Vale resistem

Com o otimismo em relação à China e os fortes ganhos do minério de ferro, as ações da CSN e da Vale tiveram um novo dia de ganhos, embora o clima quente entre Guedes e os deputados na CCJ tenha tirado força dos papéis.

As ações ON da CSN fecharam em alta de 1,48%, e os papéis ON da Vale conseguiram sustentar ganhos de 0,29% ao fim do pregão. Já Gerdau PN terminou o dia em queda de 0,5%.

Agitação na Petrobras

O noticiário corporativo envolvendo a Petrobras foi agitado. E, ao fim do dia, o saldo foi negativo para as ações da estatal.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, três grupos apresentaram propostas para comprar 90% da Transportadora Associada de Gás (TAG): a franco belga Engie, o fundo Mubadala e um consórcio capitaneado pela Itaúsa.

Além disso, o jornal Valor Econômico afirmou que o governo chegou a um consenso com a estatal sobre a revisão do contrato da cessão onerosa. De acordo com a publicação, o governo baixou o preço a ser pago à Petrobras pela revisão do contrato: de US$ 14 bilhões para US$ 10 bilhões.

"Muito dessas notícias já está no radar há tempos", diz um analista do setor de óleo e gás que prefere não ser identificado. "Então, não tem aquela surpresa que faz as ações reagirem muito".

Soma-se ao noticiário corporativo local o tom levemente negativo do petróleo no exterior: o WTI fechou em queda de 0,19%. Nesse contexto — e considerando o pano de fundo de Brasília —, Petrobras ON teve perda de 2,1%, e Petrobras PN recuou 2,65%.

Disputa pela Avianca

A Avianca mudou seu plano de recuperação judicial e, agora, prevê a divisão da empresa em sete partes. E a Gol e a Latam vão entrar na briga: mais cedo, as aéreas disseram que vão fazer proposta por ao menos uma dessas fatias, por um valor mínimo de US$ 70 milhões.

A proposta é uma reação das duas maiores empresas aéreas do país para evitar que a terceira colocada, a Azul, compre sozinha a Avianca e ganhe participação no mercado brasileiro — a Azul fez uma proposta de US$ 105 milhões pela Avianca em 11 de março.

No meio desse imbróglio, as ações PN da Gol oscilaram perto da estabilidade ao longo do dia, fechando em alta de 0,32%. Fora do Ibovespa, as ações PN da Azul subiram 0,41%.

 

 

 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies