Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
Dados da Bolsa por TradingView
2019-03-22T10:59:04-03:00
O teste dos 100 mil pontos

Ibovespa a 100 mil pontos, o Everest e a mística dos números redondos

Cem mil pontos tornou-se uma marca cabalística. Deixou de ser um muro para se transformar num Everest. Mas, caso a PEC previdenciária se mostrar apenas um remendo, o marco não será conquistado novamente tão cedo

22 de março de 2019
6:18 - atualizado às 10:59
shutterstock_258841592
Imagem: Shutterstock

Na segunda-feira 18 de março, o Ibovespa atingiu 100.000 pontos pela primeira vez. Mas não se sustentou acima da marca, fechando a 99.993. No pregão seguinte, estabeleceu novo recorde histórico, a 100.438,87. Só que voltou a cair.

Nos dias que se seguiram, o mercado perdeu o gás. Da máxima até a mínima de quinta-feira, 21, foram quase cinco mil pontos perdidos, equivalentes a 4,96%.

Teria sido o fim do bull market Bolsonaro/Guedes/Reforma da Previdência? Ainda é cedo para se dizer. Mas definitivamente as notícias não são boas. Para começar, a popularidade do capitão caiu 15%.

Uma coisa é certa. Cem mil pontos tornou-se uma marca cabalística. Deixou de ser um muro para se transformar num Everest.

Acho que já caiu muito”, pode estar dizendo um trader. Vou comprar o índice futuro agora e vender quando voltar aos 100.000. Cem mil, não. Se bater em 98.900, eu caio fora.”

A psicologia do número redondo

É esse tipo de raciocínio que formam as grandes resistências, principalmente quando elas unem duas características importantes: número redondo; máxima de todos os tempos.

Os 98.990 mais acima não são um número aleatório, chutado de araque por mim. Ele é formado por uma lógica de raciocínio.

No período áureo do open market, antes do advento do real, e antes mesmo do surto hiperinflacionário, os leilões de ORTNs (Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional), junto ao Banco Central, eram o momento mais importante da rotina da trading desk de uma instituição financeira.

Digamos que as ORs (que era como as chamávamos na intimidade), estivessem sendo negociadas próximas do par: 100%. Um trader mais otimista, querendo receber um grande lote no leilão, oferecia comprá-las a 101,11. Outro, ainda mais ansioso por levar os papéis, pagava 101,12.

Sempre o eixo do raciocínio era o número redondo: 100%.

Nas licitações públicas acontece exatamente o contrário.

Digamos que o preço de uma ambulância esteja ao redor de 75 mil reais. E que uma prefeitura faça uma concorrência para adquirir dez. Um dos fabricantes interessados oferece um preço unitário de R$ 74,499,99. Mesmo assim poderá perder para outro que pôs no envelope de oferta a cifra de R$ 74,499,98.

Os números redondos, já que se tratam de uma mudança de faixa, têm um efeito psicológico tão grande que o comércio procura fugir dele. Hoje mesmo comprei um par de meias elásticas para melhorar a circulação nas artérias. Paguei R$ 199,90.

Vi no jornal que uma agência de automóveis está vendendo um Mini Cooper Cabrio 0 km, conversível, por  R$ 149.990,00. Cento e cinquenta mil, nem pensar. O comprador em potencial vai achar muito caro.

É com esse tipo de raciocínio que nós, traders, costumamos operar. Liquidar meus lotes de soja Novembro na Chicago Board of Trade (CBoT) a US$ 10,00 por bushel? Não. Minha estratégia é vendê-lo por nove dólares, noventa e nove cents e três oitavos (as frações do mercado de soja são em oitavos). A dez dólares tem muito vendedor. Isso porque os especuladores dizem para seus brokers. 

Quando chegar a 10, vende tudo.”

Nem sempre os mercados têm dificuldades para romper números redondos (even numbers). Mas precisa que fundamentos sólidos os impulsionem.

Dow Jones a 1.000 e petróleo a US$ 100

Lembro bem quando o índice Industrial Dow Jones ultrapassou os 1.000 pontos pela primeira vez (hoje está ao redor de 26.000). Foi na sexta-feira 10 de novembro de 1972 (consultei o Google). Nesse mesmo dia, recuou e fechou a 995,26. Só que dois pregões mais tarde ultrapassou os mil e nunca mais voltou lá, diferentemente do que aconteceu aqui no Brasil nos 100.000 do Ibovespa.

Essa marca histórica do Dow foi logo após a reeleição de Richard Nixon, em quem Wall Street confiava muito (ainda não ocorrera o episódio Watergate).

Pudera. Henry Kissinger, assessor de Segurança Nacional de Nixon, negociava, em Paris, o fim da guerra do Vietnã, iniciara uma aproximação com a China Comunista de Mao Tsé-Tung e afrouxava a Guerra Fria tratando da détente em Moscou com o líder soviético Leonid Brejnev.

Naquela ocasião, a inflação americana era de 3,67% ao ano, baixa para os padrões dos anos 1970. A taxa básica de juros estava em 5,22% e a economia dos Estados Unidos crescia à razão de 5,3%.

Já a primeira vez que o preço do barril de petróleo (tipo WTI – West Texas Intermediate) chegou a US$ 100,00 na Nymex, em Nova York, foi neste século, mais precisamente em janeiro de 2008. A alta foi provocada pela demanda da China (cuja economia crescia 9,7% ao ano) reduzindo a níveis estrategicamente críticos os estoques internacionais.

O mercado ainda foi até a marca de US$ 142,57 (julho de 2008), high de todos os tempos, antes de desabar para US$ 48,90 (janeiro de 2009).

Tanto na ida quanto na volta o nível de cem dólares não representou resistência nem suporte importantes.

O teste dos 100 mil

Acho que a marca de 100 mil do Ibovespa só voltará a ser testada (e até mesmo ultrapassada) quando, e se, Jair Bolsonaro se mostrar um verdadeiro adepto do liberalismo e da economia de mercado e não um simples despachante dos militares, policiais e bombeiros, sua principal característica durante seus sete mandatos como deputado federal.

Se a Reforma da Previdência for a montanha que pariu um rato, sem uma reestruturação atuária de verdade, duvido que os 100.000 sejam rompidos num horizonte de tempo previsível.

Vou além. Caso a PEC previdenciária se mostrar apenas um remendo, para ter de ser reformulada novamente daqui a três ou quatro anos, acredito que a Bolsa de Valores de São Paulo já fez sua máxima do ano.

Nessa hipótese, o Everest não será conquistado tão cedo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O respiro da bolsa brasileira, o tropeço do bitcoin e o vazamento de dados do PIX: confira as principais notícias do dia

Para quem não aguentava mais ver a bolsa brasileira apanhando enquanto Wall Street renovava recordes, este início de ano está sendo o momento da revanche. Ou melhor, de o Ibovespa “correr atrás do prejuízo”. Nesta terceira semana de janeiro, o principal índice da B3 mais uma vez contrariou o exterior e enfileirou altas, enquanto as […]

Fechamento da semana

Ibovespa tem dia morno com exterior negativo, mas termina semana com ganho de 1,88%; dólar fecha em alta, mas acumula queda de 1,05% no período

Bolsa terminou o dia em baixa, com dólar e juros em alta, com piora no exterior e preocupações fiscais

CASOS DE FAMÍLIA

Elon Musk pega pesa pesado com o Twitter após integração de NFTs; veja o que o bilionário falou

Rede social passou a permitir que usuários do iOS, sistema da Apple, utilizassem os chamados tokens não fungíveis como fotos de seus perfis

Renda fixa

Nubank lança fundo para reserva de emergência que busca retorno entre 100% e 105% do CDI – mas tem uma pimentinha

Nu Reserva Imediata é o primeiro fundo de renda fixa da família Nu Reserva; embora seja de baixo risco, ele tem opção de investir em títulos privados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies