Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-28T13:07:26-03:00
fazendo as contas

Dívida pública federal chega a R$ 3,99 trilhões em julho

DPF inclui a dívida interna e externa; dados são do Tesouro Nacional divulgados nesta quarta-feira, 28

28 de agosto de 2019
12:36 - atualizado às 13:07
Notas de dinheiro
Imagem: Shutterstock

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 0,38% em julho, quando atingiu R$ 3,993 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 28, pelo Tesouro Nacional.

Em junho, o estoque estava em R$ 3,977 trilhões. A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 23,59 bilhões no mês passado, quando houve resgate líquido de R$ 8,38 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 0,52% e fechou o mês em R$ 3,846 trilhões.  Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 3,19% menor, somando R$ 146,85 bilhões no mês passado.

12 meses

A parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 13,92% em junho para 16,97% em julho, segundo o Tesouro Nacional. O prazo médio da dívida manteve-se estável em 4,18 anos.

O custo médio acumulado em 12 meses da DPF passou de 8,83% ao ano em junho para 8,66% ao ano em julho.

Estrangeiros

Os estrangeiros ampliaram o montante financeiro em títulos públicos da dívida interna brasileira detido por eles em julho, mas a participação total dos não-residentes recuou levemente no mês em relação a junho.

De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a participação dos investidores no Brasil no estoque da DPMFi passou de 12,34% para 12,31% em julho, somando R$ 473,45 bilhões. Em junho, o estoque estava em R$ 472,08 bilhões.

A categoria das instituições financeiras teve queda na participação do estoque da DPMFi de 23,17% em junho para 22,72% em julho.

Os fundos de investimentos reduziram a fatia de 26,85% para 25,59%. Já a participação das seguradores passou de 4,01% para 3,98%.

Composição

A parcela de títulos prefixados na DPF caiu de 31,80% em junho para 31,05% em julho. Já os papéis atrelados à Selic tiveram a participação aumentada, de 37,78% para 38,37%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 26,73% do estoque da DPF em julho, ante 26,44% em junho. Os papéis cambiais reduziram a participação na DPF de 3,98% em junho para 3,85% em julho.

Todos os papéis estão dentro das metas do PAF para este ano, incluindo os remunerados pela Selic, que estavam abaixo do patamar até o mês passado.

O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos remunerados pela Selic em 2019 vai de 38% a 42%.

Para os pré-fixados, o intervalo vai de 29% a 33%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta é de 24% a 28% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Será que sai?

Governo dos EUA está ‘confiante’ com o acordo bipartidário para pacote trilionário de infraestrutura

As discussões, porém, ainda enfrentam impasse em meio a discordâncias quanto aos montantes de recursos destinados para cada área

Líder do setor

Grupo FSB compra Giusti Comunicação e amplia seu portfólio de agências

Com a chegada da nova empresa, a FSB integra as contas de Aegea, Ame, Alpargatas, EDP, Grupo SBF, Centauro, SBT, Estadão, Protege, Centro Paula Souza e mais em sua lista de clientes

Reforma ministerial

Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro para chefiar Casa Civil

No último dia 22, Bolsonaro confirmou o convite a Nogueira e a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência que antes fazia parte da pasta de Paulo Guedes

Mais novidade

Unifique (FIQE3) estreia na bolsa em queda de 1%

Mesmo com o IPO saindo próximo do piso, a Unifique tem uma estreia no vermelho, em dia negativo para a bolsa brasileira

Decisão unânime

Conselho do Magazine Luiza aprova aquisição da Kabum! por R$ 1 bilhão

A decisão inclui também o pagamento de R$ 2,5 bilhões por meio da emissão de 75 milhões de ações ordinárias da varejista em favor dos acionistas da empresa comprada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies