Menu
2019-08-28T13:07:26-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
fazendo as contas

Dívida pública federal chega a R$ 3,99 trilhões em julho

DPF inclui a dívida interna e externa; dados são do Tesouro Nacional divulgados nesta quarta-feira, 28

28 de agosto de 2019
12:36 - atualizado às 13:07
Notas de dinheiro
Imagem: Shutterstock

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) subiu 0,38% em julho, quando atingiu R$ 3,993 trilhões. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 28, pelo Tesouro Nacional.

Em junho, o estoque estava em R$ 3,977 trilhões. A correção de juros no estoque da DPF foi de R$ 23,59 bilhões no mês passado, quando houve resgate líquido de R$ 8,38 bilhões.

A DPF inclui a dívida interna e externa. A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) subiu 0,52% e fechou o mês em R$ 3,846 trilhões.  Já a Dívida Pública Federal externa (DPFe) ficou 3,19% menor, somando R$ 146,85 bilhões no mês passado.

12 meses

A parcela da DPF a vencer em 12 meses subiu de 13,92% em junho para 16,97% em julho, segundo o Tesouro Nacional. O prazo médio da dívida manteve-se estável em 4,18 anos.

O custo médio acumulado em 12 meses da DPF passou de 8,83% ao ano em junho para 8,66% ao ano em julho.

Estrangeiros

Os estrangeiros ampliaram o montante financeiro em títulos públicos da dívida interna brasileira detido por eles em julho, mas a participação total dos não-residentes recuou levemente no mês em relação a junho.

De acordo com dados divulgados pelo Tesouro Nacional, a participação dos investidores no Brasil no estoque da DPMFi passou de 12,34% para 12,31% em julho, somando R$ 473,45 bilhões. Em junho, o estoque estava em R$ 472,08 bilhões.

A categoria das instituições financeiras teve queda na participação do estoque da DPMFi de 23,17% em junho para 22,72% em julho.

Os fundos de investimentos reduziram a fatia de 26,85% para 25,59%. Já a participação das seguradores passou de 4,01% para 3,98%.

Composição

A parcela de títulos prefixados na DPF caiu de 31,80% em junho para 31,05% em julho. Já os papéis atrelados à Selic tiveram a participação aumentada, de 37,78% para 38,37%.

Os títulos remunerados pela inflação subiram para 26,73% do estoque da DPF em julho, ante 26,44% em junho. Os papéis cambiais reduziram a participação na DPF de 3,98% em junho para 3,85% em julho.

Todos os papéis estão dentro das metas do PAF para este ano, incluindo os remunerados pela Selic, que estavam abaixo do patamar até o mês passado.

O intervalo do objetivo perseguido pelo Tesouro para os títulos remunerados pela Selic em 2019 vai de 38% a 42%.

Para os pré-fixados, o intervalo vai de 29% a 33%. No caso dos que têm índices de preço como referência, a meta é de 24% a 28% e, no de câmbio, de 3% a 7%.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

QUESTIONAMENTOS

Frente parlamentar aciona STF para suspender reforma administrativa

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão imediata da tramitação da reforma administrativa. No mandado de segurança, deputados e senadores argumentam que não é possível analisar a proposta por falta de informações técnicas. Segundo os parlamentares, a imposição de sigilo nos documentos que […]

BALANÇO

BC informa que 50 milhões de chaves já foram cadastradas no Pix

O Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Esse tal de BDR

O mercado financeiro adora usar termos e siglas em inglês, talvez para tornar a coisa mais difícil do que realmente é. Nos últimos dias você já deve ter lido, inclusive aqui no Seu Dinheiro, sobre um tal de BDR. As três letras vêm de Brazilian Depositary Receipts. O quê? Calma, nós chegamos lá. O BDR é […]

As queridinhas

Tesla, Apple e Mercado Livre são os BDRs mais negociados no 1º dia de mercado aberto a todos os investidores

Empresas de tecnologia dominaram o primeiro dia de negociações liberadas a qualquer investidor, que teve volume superior à média

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies