Menu
2019-11-14T09:16:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho nos dados?

Em parceria com banco, Google quer oferecer serviço de conta-corrente

Intitulado “Cache”, o projeto terá contas operadas pelo Citigroup e por uma cooperativa de crédito da Universidade Stanford, segundo publicação americana

14 de novembro de 2019
9:08 - atualizado às 9:16
google dinheiro
Imagem: Shutterstock

O avanço de gigantes de tecnologia sobre os serviços financeiros segue firme. Depois de Facebook anunciar sua criptomoeda e Apple lançar um cartão de crédito, o Google em breve vai oferecer serviço de conta-corrente aos seus usuários, disse o Wall Street Journal.

Intitulado "Cache", o projeto terá contas operadas pelo Citigroup e por uma cooperativa de crédito da Universidade Stanford. Segundo o que um executivo disse a publicação americana, as marcas das instituições financeiras, e não a do Google, terão posição central nas contas. Os detalhes relacionados a regulação e fiscalização também ficarão a cargo dos bancos.

Embora uma conta corrente pareça um projeto modesto para uma gigante como a Alphabet, a controladora do Google, o serviço deve ampliar a base de dados que a companhia tem dos usuários. A gigante tecnológica pode ter acesso ao quanto uma pessoa ganha, onde ela faz compras e que contas ela paga.

Ao WTJ, o executivo do Google, Caesar Sengupta, disse que o pacote de serviços incluiria um programas de fidelidade. O representante da empresa ainda ressaltou que a companhia não venderia os dados financeiros obtidos das contas-correntes dos usuários, que hoje os dados do Google Play não são usados para fins publicitários e que não compartilha esses dados com anunciantes.

Ainda não há decisão sobre tarifas para as contas-correntes - que seriam acessadas por meio do Google Pay, o serviço de pagamentos do Google -, conforme ainda o executivo explicou para a publicação. A plataforma deve chegar a 100 milhões de usuários em todo o mundo em 2020.

A possibilidade do Google lançar uma conta-corrente surge num momento em que autoridades regulatórias federais americanas apertam o cerco contra ao menos uma outra gigante tecnológica: o Facebook. A chamada Libra, projeto de criptomoeda da empresa, enfrenta questionamentos sobre seus possíveis efeitos para a economia global. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies