Menu
2019-11-14T09:16:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho nos dados?

Em parceria com banco, Google quer oferecer serviço de conta-corrente

Intitulado “Cache”, o projeto terá contas operadas pelo Citigroup e por uma cooperativa de crédito da Universidade Stanford, segundo publicação americana

14 de novembro de 2019
9:08 - atualizado às 9:16
google dinheiro
Imagem: Shutterstock

O avanço de gigantes de tecnologia sobre os serviços financeiros segue firme. Depois de Facebook anunciar sua criptomoeda e Apple lançar um cartão de crédito, o Google em breve vai oferecer serviço de conta-corrente aos seus usuários, disse o Wall Street Journal.

Intitulado "Cache", o projeto terá contas operadas pelo Citigroup e por uma cooperativa de crédito da Universidade Stanford. Segundo o que um executivo disse a publicação americana, as marcas das instituições financeiras, e não a do Google, terão posição central nas contas. Os detalhes relacionados a regulação e fiscalização também ficarão a cargo dos bancos.

Embora uma conta corrente pareça um projeto modesto para uma gigante como a Alphabet, a controladora do Google, o serviço deve ampliar a base de dados que a companhia tem dos usuários. A gigante tecnológica pode ter acesso ao quanto uma pessoa ganha, onde ela faz compras e que contas ela paga.

Ao WTJ, o executivo do Google, Caesar Sengupta, disse que o pacote de serviços incluiria um programas de fidelidade. O representante da empresa ainda ressaltou que a companhia não venderia os dados financeiros obtidos das contas-correntes dos usuários, que hoje os dados do Google Play não são usados para fins publicitários e que não compartilha esses dados com anunciantes.

Ainda não há decisão sobre tarifas para as contas-correntes - que seriam acessadas por meio do Google Pay, o serviço de pagamentos do Google -, conforme ainda o executivo explicou para a publicação. A plataforma deve chegar a 100 milhões de usuários em todo o mundo em 2020.

A possibilidade do Google lançar uma conta-corrente surge num momento em que autoridades regulatórias federais americanas apertam o cerco contra ao menos uma outra gigante tecnológica: o Facebook. A chamada Libra, projeto de criptomoeda da empresa, enfrenta questionamentos sobre seus possíveis efeitos para a economia global. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

CORONACRISE

Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI

Em 42% das empresas afetadas, vendas externas caíram a menos da metade

FII do mês

Os melhores fundos imobiliários para investir em julho segundo 7 corretoras

FII queridinho do mês recebeu quatro indicações, mas outros cinco fundos receberam duas indicações cada um

mp 925

Câmara conclui votação de MP da Aviação e texto segue para Senado

A proposta traz ações emergenciais ao setor de aviação civil para mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia

mundo aéreo

Azul vende participação de 6% na TAP para governo português, por R$ 65 milhões

A companhia aérea Azul informou nesta quarta-feira, 8, que vendeu a participação indireta de 6% que detinha na aérea portuguesa TAP, para o governo de Portugal. O valor fechado foi de R$ 65 milhões

Um milhão em três meses

Em meio à pandemia, Banco Inter alcança 6 milhões de clientes da conta digital

No mês de abril, o banco havia informado que tinha alcançado 5 milhões de clientes. Na ocasião, também disse que só no primeiro trimestre o número de novas contas bateu recorde

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements