Menu
2019-09-28T16:55:24+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Vai atrasar?

O lançamento da Libra, o bitcoin do Facebook, pode ficar para depois de 2020

O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, foi evasivo ao ser questionado sobre o lançamento da criptomoeda Libra, dizendo apenas não querer que o processo leve muito tempo

28 de setembro de 2019
15:24 - atualizado às 16:55
Montagem do logo da Libra (Criptomoeda do Facebook Libra) em uma criptomoeda
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Desde seu anúncio, em junho deste ano, a Libra tem movimentado as cotações do bitcoin e do mercado global de criptomoedas. Afinal, ter um nome como Facebook por trás da criação de uma moeda digital traz amplo respaldo e visibilidade para o segmento das moedas digitais.

  • Pela primeira vez em 42 anos, um dos maiores grafistas do Brasil vai revelar seus segredos para ganhar no mercado de criptomoedas. Leia mais aqui

Originalmente, a empresa comandada por Mark Zuckerberg estabeleceu o ano de 2020 como meta para que a Libra — uma espécie de bitcoin do Facebook — entrasse em funcionamento. No entanto, recentes declarações do executivo trouxeram dúvidas quanto ao cumprimento desse cronograma.

Em entrevista ao jornal japonês Nikkei Asian Review, Zuckerberg assumiu uma postura evasiva ao ser questionado sobre a estreia da Libra em 2020. "Obviamente, queremos avançar em algum momento em breve e não levar muito tempo para o lançamento", disse ele. "Agora estou realmente focado em garantir que façamos isso tudo com qualidade".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Zuckerberg tem defendido que a Libra ajudaria as pessoas em países emergentes a fazer parte do sistema financeiro. No entanto, os planos do Facebook têm gerado desconfiança por parte das autoridades, que questionam os efeitos que a criptomoeda poderia trazer à economia global — e o executivo mostrou-se aberto a dialogar com os órgãos regulatórios.

"Muitas pessoas têm dúvidas e questões, e estamos comprometidos em garantir que vamos trabalhar em todos esses pontos antes de prosseguirmos", disse o executivo, na entrevista à publicação japonesa.

Esse tom mais cauteloso possui relação com as recentes polêmicas em que o Facebook esteve envolvido nos últimos anos. Falhas de segurança e vazamentos de dados pessoais dos usuários minaram danificaram a imagem da empresa — assim, Zuckerberg diz preferir fazer as coisas "com calma".

"Essa é uma abordagem muito diferente da que nós teríamos adotado há cinco anos. Mas eu acho que é o caminho certo a seguir, considerando a escala em que estamos operando", concluiu Zuckerberg.

As declarações vagas do presidente do Facebook quanto ao lançamento da Libra coincidem com uma semana bastante ruim para o bitcoin: a criptomoeda, que era negociada perto dos R$ 42.000 na segunda-feira (23), passou por uma forte queda nos últimos dias, chegando ao nível de R$ 34.000 na sexta-feira (27).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

A Bula do Mercado

Mercado divide atenção entre indicadores e política

Agenda do dia traz dados de atividade nos EUA e na China, enquanto racha no PSL ganha novos contornos

Análise

O que o ‘Lula Livre’ tem a ver com o seu bolso?

Supremo Tribunal Federal (STF) volta a julgar prisão em segunda instância e desdobramentos têm chances de chegar aos mercados, mesmo que indiretamente

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements