Menu
2019-06-19T18:40:21-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Não rolou...

Gol e Smiles não chegam a acordo – futuro do programa de fidelidade fica à deriva e ações caem

Gol queria incorporar o Smiles, que é uma empresa independente e listada em bolsa desde 2013. Não conseguiu convencer.

19 de junho de 2019
10:54 - atualizado às 18:40
Avião da Gol pintado com o logo do Smiles
Avião da Gol pintado com o logo do Smiles - Imagem: Divulgação

Depois de mais de cinco meses de estudo e conversas, a Gol e a Smiles não conseguiram chegar a um acordo sobre a reestruturação societária. A companhia aérea informou nesta quarta-feira (19) por meio de fato relevante que as negociações foram encerradas por não atingir um consenso com a empresa de programa de fidelidade. Agora o futuro do programa de fidelidade, que é uma empresa independente, mas controlada pela Gol - é uma incógnita.

Em outubro do ano passado, a Gol anunciou que tinha a pretensão de incorporar o Smiles, que desde 2013 é uma empresa independente e listada em bolsa. A Gol mantém um contrato com o Smiles para a gestão do programa de fidelidade, que estabelece condições e preços para troca de passagens por milhas. A empresa aérea manifestou também que não pretende renovar esse contrato.

Depois da notícia, o mercado não gostou muito do que viu. As ações da Smiles (SMLS3) entraram em leilão e ao retornar despencaram mais de 10%. Em seguida, os papéis diminuíram as perdas e no fechamento do dia caíram 4,12%, negociados a R$ 44,20. Além disso, estavam liderando as maiores baixas do Ibovespa.

A reação mais negativa é porque a não renovação de contrato da Gol com a Smiles é extremamente prejudicial para a companhia de fidelidade, já que o seu forte está no resgate sob a forma de passagens aéreas.

Na opinião de analistas, diante da notícia, a Smiles terá que se reinventar e tentar parceria com outras operadoras, o que pode estar pressionando e muito as ações.

Já os papéis da Gol (GOLL4) tiveram alta de 3,22%, cotados em R$ 32,98.

Não tem mais acordo

Mesmo assim, a Gol destaca que o fim das tratativas com o Comitê Independente da Smiles Fidelidade não alteram a sua decisão de não renovar contrato operacional e de prestação de serviços de back office, que são feitos com a companhia de fidelidade.

A aérea ainda afirmou que as expectativas operacionais e financeiras permaneceram inalteradas porque "nenhum dos benefícios operacionais e financeiros esperados da reorganização societária foi implementado no seu plano de negócios".

Já a Smiles disse que "está trabalhando na revisão de seu planejamento estratégico de forma a refletir a decisão da Gol de não renovar o contrato operacional e o atual cenário competitivo da indústria em que a Smiles atua. O resultado desse trabalho será oportunamente submetido para deliberação do Conselho de Administração da Smiles e, caso qualquer alteração venha a ser aprovada, o novo plano estratégico será oportunamente comunicado ao mercado".

Melhor cortar as asas

A incorporação do Smiles era parte de um plano maior de reestruturação da Gol. A empresa pretendia migrar suas ações para o Novo Mercado da B3 em um segundo momento.

A operação resultaria na extinção da Smiles, em que a aérea é acionista controladora e ocorreria a migração da base acionária da empresa de milhagens para a Gol.

A Gol tenta seguir os passos da Latam, que fechou o capital da Multiplus. No passado, ambas companhias aéreas enxergaram na separação de programas de fidelidade uma oportunidade de fazer caixa e gerar valor aos acionistas.

Recentemente, a visão mudou. Agora a manutenção de programas de milhagem independentes passou a ser considerado um obstáculos para as empresas aéreas. Elas perdem autonomia para precificar a conversão de passagem com milhas, algo que seria uma desvantagem competitiva frente a empresas que mantém seus programas dentro de casa, como a Azul.

 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Quem quer comprar?

Corrida por aquisições pode elevar ofertas na Bolsa a R$ 200 bi neste ano

Analistas apontam que as empresas estão buscando cada vez mais as ofertas públicas de ações para viabilizar fusões e aquisições

Mercado aquecido

O minério de ferro virou pedra preciosa — e Vale e siderúrgicas são joias na bolsa

O minério de ferro sobe forte desde 2020 e já vale mais de US$ 200 a tonelada. Um cenário animador para Vale, Gerdau, CSN e Usiminas

Segue na gaveta

Após defender proposta do governo, Guedes afirma não estar surpreso com falta de avanço da reforma administrativa na pandemia

O ministro também criticou a estabilidade após pouco tempo de serviço público, um dos alvos da proposta de reforma do governo

INVESTIMENTOS

ETF de criptomoedas: conheça o HASH11, a oportunidade de comprar bitcoin e outras 5 criptos na bolsa com um clique

Com esse fundo, é possível ter exposição a criptoativos de maneira simples, segura e regulada. Em entrevista ao podcast RadioCash, executivos da gestora brasileira Hashdex explicam quais os riscos e oportunidades do ETF e desse criptomercado, confira:

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies