Menu
2019-11-26T07:56:11-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Debêntures em crise

Fundos de crédito privado têm resgate de R$ 4,3 bilhões desde outubro

Saques são liderados pelos chamados fundos de caixa, aqueles com liquidez imediata ou carência máxima de cinco dias para resgates, que somam R$ 3,6 bilhões. Com a queda dos juros, eles surgiram como uma opção (errada) para os investidores em busca de um maior retorno na renda fixa

26 de novembro de 2019
5:50 - atualizado às 7:56
maisumferiado

Depois de uma explosão na captação nos últimos anos motivada, em muitos casos, por uma promessa irreal de rendimentos acima do CDI sem risco e com liquidez, o jogo virou para os fundos de crédito privado.

Desde o início de outubro, os fundos que investem em títulos de dívida de empresas, como debêntures, acumulam um resgate líquido de R$ 4,3 bilhões, de acordo com dados da Economatica que foram compilados por uma fonte de mercado ao Seu Dinheiro.

O patrimônio líquido total dessa amostra de 64 fundos – que exclui os voltados apenas a investidores qualificados – é de pouco mais de R$ 52 bilhões.

Os saques são liderados pelos chamados fundos de caixa, aqueles com liquidez imediata ou carência máxima de cinco dias para resgates, que somam R$ 3,6 bilhões. Com a queda da taxa básica de juros (Selic), eles surgiram como uma opção (errada) para os investidores em busca de um maior retorno na renda fixa, mas sem abrir mão da liquidez.

Existem hoje pelo menos 33 fundos com essas características. Com a possibilidade de resgatar o dinheiro a qualquer momento, eles chegaram inclusive a ser vendidos em corretoras e plataformas de investimento como alternativa de aplicação da reserva de emergência – aquele dinheiro que você pode precisar a qualquer momento.

O problema é que não existe mágica no mundo dos investimentos. E o forte aumento na captação desses fundos provocou uma distorção no mercado de debêntures.

Com muito mais demanda do que oferta de papéis, as taxas das emissões despencaram. Bom para as empresas que se aproveitaram da situação para captar dinheiro mais barato, mas péssimo para o investidor.

A situação piorou depois que as debêntures começaram a ser vendidas a taxas mais altas no mercado secundário. Com isso, os gestores foram obrigados a marcar na cota a nova taxa, o que na prática representou uma perda para os fundos.

Bola de neve

Daí começou o efeito bola de neve. Com a queda na rentabilidade, os investidores começaram a pedir resgates. Os fundos que têm liquidez imediata costumam ter um nível maior de caixa para fazer frente aos pedidos de saque, mas em alguns casos esse dinheiro não foi suficiente, o que obrigou os gestores a venderem debêntures no mercado para honrar o compromisso.

Com mais gente querendo vender do que comprar, houve um novo aumento nas taxas das debêntures no mercado e, por consequência, queda nas cotas. Que estimulou mais pedidos de resgate.

Da amostra de fundos sem carência ou com prazo máximo de cinco dias para resgate, apenas um apresenta retorno acima do CDI nos últimos 30 dias. Cinco deles foram ainda pior e acumulam rentabilidade negativa, em um sinal de que os gestores podem ter assumido riscos incompatíveis com a natureza do produto.

O aumento nas taxas das debêntures também afetou o desempenho dos fundos de crédito que possuem carência de pelo menos um mês para resgate. Desde outubro, eles já registraram pouco mais de R$ 717 milhões em saques.

O que fazer?

O principal risco para quem investe em um fundo que aplica em debêntures e outros títulos privados é o de calote da empresa emissora. Mas a atual crise não vem da qualidade de crédito das companhias, mas das taxas de juros que os gestores aceitaram para investir nesses papéis.

Como em praticamente os momentos de turbulência do mercado, esse também deve abrir oportunidades para os bons gestores entregarem retornos interessantes aos cotistas. É claro que sempre há exceções, mas eu não considero os chamados fundos que pagam o resgate imediato ou em um prazo menor que uma semana como uma boa opção de investimento em crédito privado.

Apesar da liquidez mais restrita (ou justamente por ela), os produtos com carência de pelo menos 30 dias são os mais adequados para quem quer diversificar suas aplicações de renda fixa nessa modalidade.

Pode parecer pouco intuitivo, mas o maior prazo para o pagamento dos resgates garante mais tempo para que o gestor consiga administrar a compra e venda de papéis da carteira sem prejudicar os demais cotistas.

No curto prazo, porém, a maior parte deles deve continuar sofrendo com a alta das taxas das debêntures no mercado secundário. Tome cuidado, portanto, para não pedir o resgate e acabar saindo no pior momento possível.

Agora, se você quer investir e deseja saber se o fundo que aparece na prateleira do seu banco ou corretora é bom, aqui vão algumas dicas.

Em primeiro lugar, saiba para quem você vai pagar taxa de administração e procure se informar sobre a experiência da equipe responsável pela gestão.

No caso específico de fundos de crédito privado, dê preferência a gestoras que atuam na área há pelo menos cinco anos e sobreviveram aos duros anos de recessão econômica. No caso das assets mais novas, confira se os profissionais já atuaram com crédito no passado – em bancos, por exemplo.

Verifique ainda como os fundos da casa se comportaram em diferentes períodos, e não apenas no último mês ou ano, como eles costumam ser apresentados pelas plataformas de investimento.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Você está cometendo esses erros nos seus investimentos?

Milhões de pessoas perderam trilhões de dólares porque violaram as leis da natureza. Uma das principais leis ou princípios que elas violaram é a Lei de Newton: para cada ação, há uma reação igual em direção oposta

Alguém anotou a placa?

Coronavírus derrubou quase tudo em fevereiro; só o dólar e uma parte da renda fixa se salvaram

Entre mortos e feridos, salvaram-se poucos; dólar disparou, bolsa desabou, e até alguns títulos de renda fixa tiveram desempenho negativo no mês.

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil aprova pagamento de R$ 517,4 milhões em juros sobre capital próprio

Total a ser pago, relativo ao primeiro trimestre de 2020, equivale a R$ 0,1814 por ação

Seu Dinheiro na sua noite

O que nós fizemos depois da queda da bolsa

Eu sei que assistir de braços cruzados à forte queda das ações em meio à completa falta de clareza sobre os impactos do coronavírus nos investimentos é difícil. Mas foi exatamente o que nós aqui do Seu Dinheiro fizemos. Bem, não ficamos exatamente de braços cruzados. Acompanhamos de perto todos os desdobramentos deste momento delicado […]

Perdas generalizadas

Coronavírus derruba o mercado e faz o Ibovespa cair 8,43% em fevereiro, o pior mês desde maio de 2018

O coronavírus se espalhou pelo mundo e trouxe uma enorme onda de aversão ao risco às bolsas. Como resultado, o Ibovespa desabou em fevereiro e o dólar à vista renovou as máximas, flertando com o nível de R$ 4,50

Pensando nas taxas

Goldman Sachs prevê 3 cortes de juros pelo Fed até junho com coronavírus

Primeira redução seria de 0,25 ponto já na reunião do próximo do comitê, marcada para os dias 17 e 18 de março

Polêmica em Brasília

Presidente do Senado convoca sessão para votar vetos do Orçamento impositivo

Projeto obriga o governo a pagar todas as emendas parlamentares neste ano

BC dos EUA

FED: fundamentos da economia continuam sólidos, mas coronavírus representa risco

Declaração foi dada pelo presidente do FED, Jerome Powell, em comunicado divulgado nesta sexta-feira

REAL DESVALORIZADO

Real está no topo da lista das moedas de emergentes com maior queda desde janeiro

Segundo o levantamento, o real está atrás até mesmo de moedas como o Rand Sul-africano (ZAR) e o peso colombiano (COP). Mas o movimento de depreciação de moedas emergentes em relação ao dólar não é único no Brasil

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: Como navegar as águas turbulentas do mercado?

O surto de coronavírus pegou os mercados em cheio, provocando enormes perdas ao Ibovespa e fazendo o dólar disparar rumo a novas máximas. Nesse cenário, nossos repórteres discutem como se comportar em meio ao tsunami de notícias negativas e proteger seus investimentos. Confira os destaques da semana: O coronavírus chegou com tudo aos mercados Dólar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements