Menu
2019-10-07T16:05:52-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
A bola da vez

Os mais buscados: fundos de ações são os campeões de cotistas em 2019

O levantamento faz parte de um estudo feito pela consultoria Economatica. A pesquisa mostra que esses tipos de fundos tiveram um incremento de 262.689 mil cotistas até o fim de setembro deste ano

7 de outubro de 2019
16:05
shutterstock_375186478
Imagem: Shutterstock

Depois de ver um verdadeiro boom na rentabilidade de alguns fundos de ações oferecidos pela gestora Alaska, a casa viu o número de cotistas disparar. E não foi só ela.

Um levantamento feito pela consultoria Economatica divulgado hoje (7) aponta que a classe de fundos que mais ganhou cotistas em 2019 foi a de ações livre, com um incremento de 262.689 mil cotistas. Na prática, esse tipo de fundo permite que o gestor invista em qualquer ação.

Na sequência, aparecem os fundos multimercados livre que tiveram um crescimento de 170.003 cotistas. Desde o começo do ano até 30 de setembro deste ano, o número passou de 333.109 para 503.112.

Apenas em terceiro lugar vem os fundos de renda fixa duração livre grau de investimento, que englobam fundos que investem em títulos de renda fixa mais seguros em termos de classificação de crédito e que são, na sua maioria, títulos públicos.

Em seguida vem os multimercados de estratégia específica, que podem ser desde macro - com operações em diversas classes de ativos com base em cenários macroeconômicos de médio e longo prazos -, assim como long and short, que montam posições apostando na alta (comprado) ou na baixa (vendido) de um ativo.

Nessa última categoria, houve um incremento de 118.248 cotistas durante o mesmo período de análise. O número passou de 79.457 para 197.705 cotistas no fim de setembro deste ano.

A pesquisa corrobora a tese de que o investidor está buscando produtos mais arriscados com foco em obter retornos mais gordos. Isso ocorre porque os investimentos em renda fixa vêm oferecendo rentabilidades cada vez menores, especialmente agora com mais um corte da taxa Selic e possíveis quedas até o fim do ano.

Para a análise, o estudo não levou em conta fundos de bancos de varejo como Bradesco, BBDTVM, Itaú, Santander e Banco do Brasil, assim como fundos exclusivos, estruturados e que fecharam ou abriram em 2019.

Os preferidos

E na hora de escolher, o primeiro lugar na lista de fundos que mais ganharam cotistas em 2019 é do Vinci Valorem FI Mult, que é um fundo multimercado focado em juros e moedas.

Segundo o estudo, o número de cotistas saiu de 942 para 89.300 mil até 30 de setembro deste ano. O patrimônio líquido do fundo também teve uma alta de 136,32%. Em compensação, o retorno do fundo não foi o melhor da lista. No acumulado do ano, a rentabilidade oferecida ficou em 10,2% ao ano.

Na sequência, o fundo que mais ganhou cotistas foi o popular Alaska Black Institucional FIA, que é focado em ações e que recebeu 69.302 cotistas durante o mesmo período. Assim como o primeiro lugar, o fundo não vem performando tão bem em 2019 em relação a outros que investem ações. No acumulado do ano, a rentabilidade dele é de 16,4% ao ano.

O terceiro lugar, por sua vez, é do fundo CA Indosuez Debêntures Incentivadas CP FIC FIM, que é um fundo que busca investir em ativos que financiam projetos de infraestrutura prioritários ao governo Federal. Pelo fato de investir em debêntures incentivadas, ele é isento de Imposto de Renda para a pessoa física.

A razão para o aumento da procura por esses tipos de fundos focados em debêntures é porque a oferta deles também têm crescido, especialmente agora que as empresas estão trocando dívida externa por interna e que há uma expansão de projetos de infraestrutura. No acumulado do ano, o fundo da CA apresenta rentabilidade de 13,2% ao ano.

Já o ganhador em termos de retorno no acumulado do ano é o fundo Icatu Vanguarda Dividendos FIA, com uma rentabilidade de 29,6% ao ano. Apesar de ser o campeão em termos de retorno, ele aparece apenas em 20º lugar na lista dos fundos com maior crescimento de cotistas em 2019.

As gestoras mais queridas

Já no quesito gestoras com maior crescimento de cotistas neste ano, o primeiro lugar ficou com a XP, com um incremento de 104.363 mil cotistas do fim do ano passado até 30 de setembro de 2019. O valor passou de 105.643 para 210.006 mil.

Na sequência, há a gestora de Henrique Bredda, a Alaska Investimentos Ltda. A casa viu um aumento de 101.944 mil cotistas no mesmo período. Antes, o número era de 72.831 cotistas.

Em terceiro lugar, está a gestora Vinci Gestão de Patrimônio com uma entrada de 88.463 cotistas. Por lá, o número passou de 1.147 para 89.610 no fim de setembro deste ano.

Outra gestora que se destacou foi a Vitreo Gestão de Recursos Ltda. O documento relembra que, apesar de ser nova, a gestora terminou o mês de setembro passado com 31.471 cotistas.

Por outro lado, teve gente que perdeu muitos cotistas. Na lista das campeãs de perdas está a Adamcapital Gestão de Recursos Ltda, com queda de 17.701 cotistas no ano de 2019.

A gestora contava com 60.252 cotistas no começo do ano e terminou o mês de setembro com 42.551 cotistas.

Outra que foi bastante afetada foi a GWI Asset Management SA, que administrou a incorporadora Gafisa durante um turbulento período. A gestora no final de 2018 tinha 353 cotistas contra 4 cotistas no fim de setembro de 2019.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Títulos públicos

Tesouro Direto tem emissão líquida recorde de R$ 1,57 bilhão em abril

Com a emissão recorde, o estoque do programa fechou abril em R$ 60,24 bilhões, um aumento de 3,1% em relação ao mês anterior (R$ 58,44 bilhões)

Em meio à pandemia

56,6 milhões de brasileiros já receberam auxílio emergencial, diz Caixa

Todos receberam o pagamento da primeira parcela do benefício, no valor total de R$ 39,9 bilhões, enquanto 44,2 milhões de brasileiros também já receberam a segunda parcela, em um total de R$ 30,9 bilhões

Em pronunciamento

Em pronunciamento, Maia faz convite à “pacificação dos espíritos”

Sem citar as crises institucionais do Executivo ou mesmo chefes de outros Poderes, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, fez um pronunciamento nesta terça-feira

Renda imobiliária

Vitreo lança primeira carteira de fundos imobiliários e quer captar R$ 100 milhões

Após colocar em operação sua distribuidora de valores no início de maio, a Vitreo lança sua primeira carteira administrada composta de diferentes fundos imobiliários

Esperanças para o fim da crise

Conheça três dos principais estudos que buscam uma vacina contra o coronavírus – e que mexem com o mercado

Notícias do avanço de pesquisas sobre vacinas contra o coronavírus costumam impactar o mercado, que espera ansiosamente por uma solução que permita uma retomada das economias

Coronavírus na estatal

Petrobras tem 181 empregados com covid-19 e 510 recuperados, diz MME

A empresa não registra nenhum óbito entre os seus contratados, segundo o MME

De mãos dadas

Ministros militares agora negociam com o Centrão

Partiu do general reformado Augusto Heleno Ribeiro, o atual ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), na convenção do PSL que confirmou a candidatura de Jair Bolsonaro ao Planalto em julho de 2018, um dos mais duros ataques ao Centrão. Agora, andam de mãos dadas

ENERGIA

Aneel propõe empréstimo de R$ 15,4 bi a elétricas para evitar tarifaço

O financiamento visa cobrir custos gerados pela crise da covid-19 no setor elétrico e evitar um reajuste médio imediato de cerca de 12% no meio da pandemia.

em meio à crise

Governo pretende gastar R$ 44 mil com esteira ergométrica para Mourão

Justificativa para a procura é que o Palácio do Jaburu não tem aparelho “minimamente adequado” e que atenda aos “princípios da ergonomia e biomecânica”

dados do bc

Despesas de brasileiros no exterior foram as menores para abril desde 1999

Gastos de estrangeiros no País também caíram de forma dramática e somaram US$ 113 milhões em abril, o pior resultado para o mês de 1997

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements