2019-05-15T20:54:03-03:00
Acusações contra o filho do presidente

MP do Rio aponta indícios de que Flávio Bolsonaro comprou 19 imóveis no Rio para lavar dinheiro

Informações do site VEJA apontam que, entre os anos de 2010 e 2017, o então deputado estadual lucrou R$ 3,089 milhões em transações imobiliárias

15 de maio de 2019
20:54
Imagem: Reprodução

O site Veja.com publicou na noite desta quarta-feira, 15, uma série de informações sobre o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, que podem azedar de vez o humor dos investidores nesta semana.

De acordo com informações do Ministério Público do Rio de Janeiro, obtidas após a quebra de sigilo autorizada pelo juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27º Vara Criminal, Flávio Bolsonaro teria se utilizado dos processos de compra e venda de imóveis para promover lavagem de dinheiro.

Desde cedo, boatos de que haveriam novas denúncias envolvendo a família Bolsonaro já circulavam no mercado financeiro. Os investidores passaram então a especular sobre a veracidade das informações.

Especula-se também se esses dados fariam parte do "tsunami" anunciado por Bolsonaro no começo da semana. O próprio irmão de Flávio, Carlos Bolsonaro, havia tuitado a respeito de notícias que, segundo ele, "podem derrubar o capitão eleito".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Lucros extraordinários

A Veja aponta que entre os anos de 2010 e 2017 o então deputado estadual lucrou R$ 3,089 milhões em transações imobiliárias. O rendimento teria ocorrido pelo subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas dos imóveis. Os dados da Justiça mostram ainda que, nesse mesmo período, Flávio teria investido R$ 9,425 milhões na compra de 19 imóveis.

O documento sigiloso do MP carioca afirma também que a suposta fraude teria como função "simular ganhos de capital fictícios". Esse processo serviria de fachada para “o enriquecimento ilícito decorrente dos desvios de recursos” da Assembleia Legislativa do Rio.

Em janeiro de 2018, a imprensa já havia circulado notícias sobre as transações envolvendo o nome de Flávio. Na época, o jornal Folha de S. Paulo publicou que o senador tinha realizado transações relâmpago com os mesmos 19 imóveis.

Caso a caso

O documento do MP divulgado pela Veja também detalha os casos em que teria havido uma valorização excessiva no preço dos imóveis.

Em 2012, Flávio comprou um imóvel em Copacabana por R$ 140 mil e, 15 meses depois o vendeu por R$ 550 mil - um lucro de 292%. Para se ter uma ideia, o índice Fipezap, que calcula os preços no mercado imobiliário, aponta que a valorização de imóveis no bairro foi de 11% no período.

Também em 2012, Flávio comprou outro imóvel em Copacabana por R$ 170 mil. Um ano depois, vendeu por R$ 573 mil (lucro de 237%).

Já entre dezembro de 2008 e setembro de 2010, Flávio efetuou a compra de dez salas comerciais na Barra da Tijuca por R$ 2,662 milhões.

De acordo com a Veja, em outubro de 2010 todos os imóveis foram vendidos para a empresa MCA Exportação e Participações por R$ 3,167 milhões de reais. Os promotores ressaltam que o comprador tem, entre os sócios, a Listel S.A., sediada no Panamá, um paraíso fiscal.

*Com informações do site Veja.com.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CERCO FECHANDO?

Com big techs na mira dos órgãos reguladores, Cade britânico manda Meta, a dona do Facebook, vender a Giphy

A Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido considera que o negócio tem potencial de prejudicar usuários de redes sociais e anunciantes

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro recua com novos temores sobre a covid-19 no mundo e dólar também cai

Os investidores permanecem de olho na votação da PEC dos precatórios na CCJ do Senado, marcada para esta terça-feira (30)

O melhor do Seu Dinheiro

Ômicron de “A” a “Z”, dividendos, balanço da Black Friday e outros destaques

A variante ômicron recebeu este nome para evitar maiores conflitos de linguagem, mas Matheus Spiess vai além da semântica em sua análise

A BOLSA HOJE

Esquenta dos mercados: notícia sobre possível baixa eficácia das vacinas contra ômicron derruba mercados, em dia de discurso de Powell e votação dos precatórios

O investidor local ainda permanece de olho nas falas de Roberto Campos Neto e Paulo Guedes em eventos separados hoje

SÓ NO SAPATINHO

Dividendos: Arezzo (ARZZ3) vai distribuir R$ 60 milhões aos acionistas; veja como participar

Serão R$ 33,78 milhões em JCP e R$ 26,22 milhões em dividendos a serem depositados até 31 de janeiro de 2022