Menu
2020-05-21T06:08:15-03:00
ex-aliado da família do presidente

Paulo Marinho depõe por cinco horas e, ao sair, alega que processo é sigiloso

Havia a expectativa de que ele apresentasse provas sobre as acusações que fez contra o senador Flávio Bolsonaro, de quem é suplente

21 de maio de 2020
6:08
Plenário do Senado
Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). - Imagem: Roque de Sá/Agência Senado

Após cerca de cinco horas de depoimento na superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, o empresário Paulo Marinho disse que não podia comentar sobre o que falou aos investigadores porque o inquérito é sigiloso. Havia a expectativa de que ele apresentasse provas sobre as acusações que fez contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), de quem é suplente. Ao chegar ao local, o ex-aliado da família presidencial foi perguntado sobre o que carregava na mochila. "Um suco de laranja", brincou.

O depoimento foi prestado a delegados da PF e procuradores do Ministério Público Federal. Enquanto os policiais reabriram um procedimento antigo sobre o suposto vazamento da operação Furna da Onça, o MPF abriu um inquérito a partir das declarações do empresário.

"Para não prejudicar as investigações, não posso dar nenhuma declaração a respeito do meu depoimento. Em respeito a vocês que estão aqui desde as duas da tarde, vim dar essa declaração", limitou-se a dizer Marinho ao sair da superintendência.

Em entrevista à Folha de S.Paulo publicada no último domingo, Marinho afirmou que um delegado teria se encontrado na porta da superintendência da PF - a mesma em que foi depor hoje - com interlocutores do então deputado estadual e hoje senador para informar que a operação seria atrasada, a fim de não prejudicar a família Bolsonaro em meio ao período eleitoral de 2018.

A operação foi às ruas no dia 8 de novembro e cumpriu 19 mandados de prisão temporária, três de prisão preventiva e 47 de busca e apreensão, expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) e tendo como foco deputados da Assembleia Legislativa do Rio.

Flávio não era alvo, mas relatórios de inteligência financeira produzidos pelo antigo Coaf já apontavam desde janeiro daquele ano movimentações suspeitas nas contas de Fabrício Queiroz, seu suposto operador financeiro no esquema de "rachadinha". Os relatórios tinham como escopo deputados e assessores da Alerj, e o caso específico de Flávio foi revelado pelo Estadão no início de dezembro, quando o procedimento investigativo já havia sido aberto pelo Ministério Público do Rio.

Segundo Marinho, os advogados Miguel Braga Grillo e Victor Granado Alves, que têm longo histórico de relação com a família Bolsonaro em gabinetes e processos judiciais, compareceram à sede da PF junto com outra interlocutora, Val Meliga, para ouvir o que o delegado tinha a dizer.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

tombo histórico

Abinee reporta queda de 30,3% na produção do setor eletroeletrônico em abril

Essa foi a maior queda verificada na série histórica iniciada no início de 2002, segundo o presidente da entidade, Humberto Barbato

Empresários de comércio e serviços

76% de 400 micro e pequenos empresários esperam queda de faturamento

A pesquisa ouviu empresários dos setores de comércio e serviços. Parcela de 26% dos entrevistados espera recuo de 31% a 50%, enquanto 22% têm expectativa de queda até 30%

Compartilhamento de serviços

Cade nega recurso da Claro e mantém aprovação de operação entre Tim e Telefônica

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou recurso apresentado pela Claro contra o aval do órgão a operação de compartilhamento de redes entre a TIM e a Telefônica Brasil

Ajuda financeira

Maia diz ter informação que socorro a Estados e municípios será pago até dia 9

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a primeira parcela do socorro a Estados e municípios deve ser entregue aos entes até a próxima terça-feira, 9

Em meio ao bom humor global

Tesouro capta US$ 3,5 bilhões no exterior com títulos de dívida de 5 e 10 anos

Mais cedo, o Tesouro informou que tinha concedido mandato para a emissão de dois novos papéis

Fundo Nacional de Aviação Civil

Ajuda aérea: setor de aviação terá acesso a empréstimos de fundo, diz relatório de MP

Uma das previsões de relatório da MP de ajuda ao setor aéreo foi liberar o uso dos recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac) para empréstimos ao setor até 31 de dezembro de 2020

Efeito corona

Com prejuízo de R$ 19 bilhões, venda de dias dos namorados deve cair 33% na pandemia

O prejuízo calculado pode ultrapassar R$ 19 bilhões, mesmo com reabertura de parte das atividades em algumas regiões do Estado de SP, diz Fecomercio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements