2019-03-29T14:24:27-03:00
Estadão Conteúdo
Investigado

Alcolumbre deverá colocar MDB e Flávio Bolsonaro na cúpula do Senado

Filho de Jair Bolsonaro decidiu adotar postura discreta nas negociações no Senado após a eclosão do caso envolvendo o seu ex-assessor na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) Fabrício Queiroz

6 de fevereiro de 2019
6:49 - atualizado às 14:24
Imagem: Divulgação

O acordo costurado pelo novo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para os cargos na cúpula da Casa vai incluir espaço para o MDB, do seu adversário Renan Calheiros (AL), e também para o filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). A eleição interna está marcada para esta quarta-feira, 6.

Flávio deverá ser indicado pela bancada do seu partido para assumir a terceira secretaria na Comissão Diretora da Casa. O posto não tem atribuições administrativas de grande relevância, mas dá ao parlamentar a possibilidade de contratar pelo menos 13 funcionários comissionados.

O filho de Jair Bolsonaro decidiu adotar postura discreta nas negociações no Senado após a eclosão do caso envolvendo o seu ex-assessor na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) Fabrício Queiroz, que teve movimentações financeiras consideradas atípicas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), conforme revelou o jornal O Estado de S.Paulo em dezembro.

Questionado sobre as suspeitas envolvendo Flávio, o presidente do Senado afirmou que é preciso aguardar. "O partido vai indicar o quadro que decidir, não posso me meter nessa indicação do PSL. O PSL deverá ter uma vaga na presidência de comissão e vai compor a Mesa, sim, como os outros partidos", afirmou. "Investigados têm tantos nomes aí no Brasil. É preciso aguardar e ter tranquilidade."

Apesar de ter apenas quatro senadores, Alcolumbre decidiu abrir espaço ao PSL pelo fato de ser o partido do presidente e pela influência que tem no governo federal. A sigla também reivindica espaço em outras duas comissões na Casa, de Agricultura e de Segurança Pública - esta ainda deve ser criada por iniciativa de Alcolumbre, com aval da Casa Civil.

Também terão postos na Mesa do Senado - o grupo de sete senadores que comandam os trabalhos da Casa - PSDB, Podemos e PSD. A quarta secretaria será negociada entre quatro legendas: PT, PP, PDT e PSB.

Proporcionalidade

Pelo acordo, caberá ao MDB a segunda secretaria. O partido tem a maior bancada da Casa, mas foi derrotado na eleição para a presidência, quando indicou Renan para disputa contra Alcolumbre. O emedebista, porém, desistiu no meio da votação.

Apesar do tom de conciliação adotado pelo presidente do Senado ao oferecer o posto na cúpula da Casa ao partido, o líder da sigla, Eduardo Braga (AM), deixou uma reunião com os demais líderes, ontem, reclamando.

"Registrei claramente a nossa preocupação com a questão da proporcionalidade, que é muito importante nas horas mais íngremes de um Parlamento. Se você não tiver critérios, você acaba gerando impasses.. Obviamente a gente reconhece que há uma circunstância política. Houve uma disputa e nós não vencemos a disputa. Então eles estão colocando a segunda secretaria (para o MDB). Eu registrei que o MDB, pela proporcionalidade, deveria ter duas cadeiras na Mesa", disse.

Pelo regimento do Senado, a participação proporcional dos partidos e blocos deve ser respeitada "tanto quanto possível". Isso quer dizer que as siglas com maior número de parlamentares têm preferência nas escolhas de cargos na Comissão Diretora e em comissões.

Braga admite que pode indicar a senadora Simone Tebet (MDB-MS) para o cargo, como um gesto de "bom senso". Nos bastidores, quem ganha força entre os emedebistas é Eduardo Gomes (MDB-TO).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas