Menu
2019-04-05T15:39:39-03:00
Índice de Preços ao Consumidor

IPC-S sobe 0,45% na 1ª quadrissemana de março ante 0,35% na anterior, diz FGV

Quatro das oito classes de despesas analisadas registraram aceleração, sendo que a maior contribuição para o avanço do IPC-S foi do grupo Alimentação, que passou de 0,94% para 1,18%

8 de março de 2019
11:37 - atualizado às 15:39
Frutas expostas em supermercado em São Paulo
Frutas expostas em supermercado em São Paulo - Imagem: J.F. Diorio/Estadão Conteúdo

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) subiu 0,45% na primeira quadrissemana de março, conforme divulgou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (8). O resultado ficou 0,10 ponto porcentual acima da taxa da última leitura de fevereiro, de 0,35%.

Nesta apuração, quatro das oito classes de despesas analisadas registraram aceleração, sendo que a maior contribuição para o avanço do IPC-S foi do grupo Alimentação, que passou de 0,94% para 1,18%. Dentro do grupo, o destaque foi o item hortaliças e legumes, cuja taxa subiu de 5,93% para 9,50%.

As outras classes de despesa que registraram acréscimo da última leitura de fevereiro para a primeira medição de março foram Transportes (-0,01% para 0,20%), influenciado por gasolina (-1,71% para -0,79%); Educação, Leitura e Recreação (-0,65% para -0,36%), com contribuição de show musical (-3,17% para -1,26%); e Vestuário (-0,13% para 0,08%), com destaque para roupas femininas (0,28% para 0,44%).

Por outro lado, registraram desaceleração no período os grupos Habitação (0,44% para 0,37%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,50% para 0,47%) e Despesas Diversas (0,10% para -0,01%). Nestes segmentos, se destacam tarifa de eletricidade residencial (1,33% para 1,00%), medicamentos em geral (0,32% para 0,13%) e alimentos para animais domésticos (-0,28% para -0,85%), respectivamente.

Já o grupo Comunicação registrou variação zero na primeira quadrissemana de março, mesma taxa da medição anterior.

Maiores influências

Entre as principais contribuições individuais de alta, a FGV cita batata inglesa (27,96% para 28,64%), feijão carioca (a despeito da desaceleração de 37,86% para 36,99%), refeições em bares e restaurantes (0,40% para 0,45%), plano e seguro de saúde (que manteve a taxa de 0,63%), além de energia elétrica.

Em contrapartida, as maiores influências de baixa no IPC-S da primeira quadrissemana de março foram passagem aérea (mesmo com a aceleração de -10,42% para -6,46%), excursão e tour (-1,92% para -2,04%) e etanol (apesar do acréscimo na taxa, de -1,61% para -0,62%).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements