Menu
2019-03-08T10:16:39-03:00
Estadão Conteúdo
Indicador

IGP-DI de fevereiro fica em 1,25%, ante alta de 0,07% em janeiro, revela FGV

Resultado ficou dentro do intervalo das projeções do mercado financeiro, que estimavam uma alta entre 0,87% e 1,40%, com mediana positiva de 1,15%

8 de março de 2019
10:16

O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou elevação de 1,25% em fevereiro, ante um aumento de 0,07% em janeiro, divulgou nesta sexta-feira, 8, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O resultado do indicador ficou dentro do intervalo das projeções do mercado financeiro, que estimavam uma alta entre 0,87% e 1,40%, com mediana positiva de 1,15%, de acordo com as instituições ouvidas pelo Projeções Broadcast.

Com o resultado, o IGP-DI acumulou uma elevação de 1,32% no ano. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 7,73%.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI. O IPA-DI, que representa o atacado, teve avanço de 1,79% em fevereiro, após a redução de 0,19% registrada em janeiro. O IPC-DI, que apura a evolução de preços no varejo, teve um aumento de 0,35% em fevereiro, ante um aumento de 0,57% em janeiro. Já o INCC-DI, que mensura o impacto de preços na construção, apresentou alta de 0,09% em fevereiro, após uma elevação de 0,49% em janeiro.

O período de coleta de preços para o índice de fevereiro foi do dia 1º ao dia 28 do mês.

IPAs

Os preços dos produtos agropecuários no atacado medidos pelo IPA Agrícola subiram 4,38% em fevereiro, após a queda de 0,88% em janeiro, dentro do IGP-DI. Já os produtos industriais, mensurados pelo IPA Industrial, subiram 0,95% em fevereiro, depois de uma alta de 0,04% no atacado em janeiro.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram elevação de 1,77% no mês passado, ante aumento de 0,32% em janeiro.

Os preços dos bens intermediários cresceram 0,16% em fevereiro, após diminuírem 0,53% anteriormente. Os preços das matérias-primas brutas registraram alta de 3,85% em fevereiro, depois da redução de 0,38% em janeiro.

Núcleo do IPC-DI

O núcleo do Índice de Preços ao Consumidor - Disponibilidade Interna (IPC-DI) de fevereiro subiu 0,35%, após um aumento de 0,30% em janeiro, segundo a FGV. O núcleo do IPC-DI é usado para mensurar tendências e calculado a partir da exclusão das principais quedas e das mais expressivas altas de preços no varejo. Ainda de acordo com a FGV, o núcleo acumulou uma elevação 0,65% no ano. A alta em 12 meses foi de 3,85%.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

cardápio dos balanços

Balanços de Copel, Braskem, Azul e outros mexem com o mercado nesta quinta; veja os destaques

Só no Ibovespa, foram ao menos cinco companhias que revelaram os resultados do primeiro trimestre entre esta quarta e quinta; desempenho mexe com os papéis das companhias

Exile on Wall Street

Investir de maneira inteligente ajuda (mas não garante) retorno

Quero voltar aqui rapidamente ao Day One de terça, quando o Felipe citou o Soros em sua melhor forma, o arquétipo do investidor autocrítico: “Toda posição tem uma ou mais vulnerabilidades.” “Se você acha sua exposição perfeita, cuidado; você apenas não entendeu direito.”  “Sempre existe algo escondido ali, alguma armadilha não percebida a priori. Suas chances de […]

Dentro do balanço

Mercado Livre adere ao bitcoin e coloca R$ 40 milhões da criptomoeda em caixa

O documento foi publicado na página da SEC, a CVM americana, porque a empresa de entregas é listada na Nasdaq

Briga na Casa

Tensão no Congresso: Senado busca reforma tributária ampla, mas Câmara quer fatiar

A divisão da proposta em quatro partes é defendida pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com aval do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas enfrenta resistências

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies