Menu
2019-10-14T14:22:58-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
atenção

Confiança do consumidor sobe em agosto, mas ainda há cautela, diz FGV

Índice de Confiança do Consumidor subiu 1,1 ponto no mês em comparação a julho, chegando a 89,2 pontos

22 de agosto de 2019
10:56 - atualizado às 14:22
Consumo / mercado
Imagem: Shutterstock

A confiança do consumidor subiu 1,1 ponto em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, informou nesta quinta-feira, 22, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) cresceu a 89,2 pontos.

Segundo a coordenadora de sondagens do Instituto Brasileiro de Economia da FGV, Viviane Seda Bittencourt, o ímpeto para consumir continua diminuindo, mostrando que consumidores de todas as classes de renda estão cautelosos.

"Isso está relacionado com a sustentabilidade da recuperação do orçamento familiar e do nível de endividamento das famílias, já que os consumidores mais otimistas são os que possuem menor poder aquisitivo e, possivelmente, sobre os quais haverá um maior impacto da liberação dos recursos do FGTS nos próximos meses", diz.

"Contudo, as perspectivas desses consumidores sobre mercado de trabalho continuam caindo", afirma a especialista.

Aos números

Em médias móveis trimestrais o ICC registrou alta de 0,9 ponto em agosto, interrompendo uma sequência de cinco meses de quedas consecutivas, período em que acumulou uma perda de 7,5 pontos.

Em agosto, o Índice de Situação Atual (ISA) aumentou 3,4 pontos, para 78,7 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 0,5 ponto, para 97,2 pontos.

O componente que mede o otimismo das famílias com a situação financeira nos próximos meses foi o que mais contribuiu para a alta da confiança em agosto, com um avanço de 7,1 pontos, para 102,0 pontos. As avaliações dos consumidores sobre a situação financeira atual cresceram 4,7 pontos, para 74,9.

O item que mede o grau de satisfação com a economia no momento atual subiu 1,9 ponto, para 82,8 pontos, nível ainda baixo em termos históricos, ressaltou a FGV. O otimismo em relação à economia nos meses seguintes aumentou 2,6 pontos, para 118,0 pontos.

Por outro lado, a intenção de compras de bens duráveis caiu 10,9 pontos, para 72,2 pontos, o menor nível desde janeiro de 2017 (69,6 pontos).

No mês de agosto, houve aumento da confiança entre os consumidores com menor poder aquisitivo, com renda familiar mensal até R$ 4.800, mas queda para os consumidores de renda mais elevada, superior a R$ 4.800.

Na faixa das famílias com renda mensal até R$ 2.100, a confiança cresceu 5,2 pontos, "influenciada por uma melhora das expectativas relacionada com uma perspectiva muito favorável da situação financeira das famílias nos próximos meses que possivelmente está atrelada à liberação dos recursos do FGTS, considerando que não há um otimismo em relação ao mercado de trabalho", explicitou a FGV.

A Sondagem do Consumidor coletou informações de 1.800 domicílios em sete capitais, com entrevistas entre os dias 1 e 19 de agosto.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Oportunidade para o investidor

Conselho da Iguatemi aprova emissão de R$ 264 milhões em debêntures

Trata-se da oitava emissão dos títulos pela empresa, que serão negociados em série única e vinculados a uma emissão de CRI

Seu Dinheiro na sua noite

O que mudou e o que não mudou na bolsa

Quando surgiram as primeiras notícias sobre o surto do coronavírus na China, havia poucos elementos para afirmar se estávamos ou não diante de uma crise de saúde de proporções globais. Hoje já não temos mais dúvidas disso. A dolorosa queda de 7% da bolsa na quarta-feira de cinzas marcou a passagem da incerteza que tínhamos […]

É dólar na veia

Na luta para conter o dólar, Banco Central anuncia oferta de US$ 1 bilhão em contratos de swap nesta sexta-feira

Negociação será realizada na bolsa entre 9h30 e 9h40 e deve contemplar até 20 mil contratos

Dados do Banco Central

Reservas internacionais subiram US$ 976 milhões no dia 26 de fevereiro, para US$ 360,578 bilhões

Resultado reflete sobretudo a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

Menor nível em quatro meses

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai mais 2,59% e fecha na mínima do dia; dólar sobe a R$ 4,47

O mercado até ensaiou um movimento de recuperação no meio da tarde, mas a cautela com o surto de coronavírus prevaleceu, derrubando o Ibovespa — apenas quatro ações do índice fecharam em alta. O dólar cravou mais uma máxima

No radar

Abimaq diz não ter dado que indique desabastecimento por causa do novo coronavírus

Setor de máquinas está promovendo ações preventivas para evitar qualquer risco de desabastecimento

Negócio em aberto

Bayer concorda com nova revisão sobre aquisição da Monsanto

Empresa vai permitir que um especialista independente revise suas regras e examine os seus principais negócios

Enchentes

Chuvas de fevereiro dão prejuízo de R$ 203 milhões ao comércio do sudeste, diz CNC

Mais da metade do rombo foi concentrado no Estado de São Paulo

Não vai dar

Facebook e Microsoft cancelam participação em eventos por temor com coronavírus

Sony, Electronic Arts e Unity Technologies também já tinham informado que não participariam de conferência

Embraer monitorada

S&P mantém rating BBB da Embraer em observação para eventual rebaixamento

Avaliação reflete a aprovação ainda pendente da Comissão Europeia sobre o acordo entre a empresa brasileira e a Boeing, diz agência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements