Menu
2019-10-14T14:25:11-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
questão de privacidade

Facebook pagou por transcrição de arquivos de áudio de usuários

Caso foi revelado pela Bloomberg; empresa diz que usuários afetados teriam escolhido a opção de ter seus áudios transcritos

14 de agosto de 2019
7:20 - atualizado às 14:25
mark-zuckerberg
CEO Mark Zuckerberg chegou a negar a prática em depoimento do Congresso do Estados Unidos, em abril de 2018. - Imagem: Shutterstock

O Facebook pagou centenas de terceirizados para transcrever arquivos de áudios de usuários de seus serviços, disse a agência Bloomberg nesta terça-feira, 13.

De acordo com o texto, as pessoas contratadas não foram informadas sobre onde os áudios foram gravados e nem como foram obtidos.

À reportagem o Facebook confirmou que estava transcrevendo os áudios dos usuários. "Assim como a Apple e o Google, paramos a análise humana do áudio há mais de uma semana", disse a companhia.

O Facebook disse que usuários afetados teriam escolhido, no aplicativo de mensagens, a opção de ter seus áudios transcritos. Os terceirizados tinha de verificar se a inteligência artificial do Facebook interpretava corretamente as mensagens, que chegam aos funcionários como anônimas.

Baque financeiro

O Facebook sofre um escrutínio público nos últimos meses por conta do uso indevido de informações pessoais de usuários. Em julho, a empresa teve de fechar um acordo de US$ 5 bilhões com a Comissão Federal de Comércio - órgão de defesa do consumidor dos Estados Unidos.

A cifra impactou no lucro líquido do segundo trimestre deste ano da empresa, que caiu 49%, para US$ 2,6 bilhões. Por outro lado, o Facebook teve expansão na receita, em 28%, e na base de usuários, 8%.

Na tarde desta quarta-feira, as ações do Facebook negociadas na Nasdaq sofriam uma queda de mais de 4%, sendo cotadas a US$ 181. Acompanhe a cobertura de mercados de hoje do Seu Dinheiro.

Longa lista

Grandes empresas de tecnologia, incluindo a Amazon e a Apple, vêm sendo criticadas por coletar trechos de áudio de dispositivos e submetê-los a críticas humanas. A prática, segundo críticos, invade a privacidade.

A Bloomberg disse que informou pela primeira vez em abril que a Amazon tinha uma equipe de milhares de trabalhadores em todo o mundo ouvindo as solicitações de áudio do Alexa com o objetivo de melhorar o software.

Análise humana semelhante foi usada para o Assistente do Google da Siri e da Alphabet.

Desde então, Apple e o Google dizem que não estão mais envolvidos na prática, e a Amazon disse que permitirá que os usuários desativem a revisão humana.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Orçamento em foco

Presidente da Câmara defende a desvinculação total do orçamento

Arthur Lira (PP-AL) rejeita tese segundo a qual desvinculação deixaria setores essenciais sem recursos

Liminar

Tribunal de Contas de São Paulo suspende leilão de linhas da CPTM

Leilão estava previsto para a próxima terça-feira

Contra a pandemia

Câmara dos EUA aprova pacote de US$ 1,9 trilhão

Projeto de lei segue agora para o Senado

IPO registrado

Rio Branco Alimentos protocola pedido de registro de oferta pública de ações

Oferta será primária e terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e do BTG Pactual

Boleto salgado

Aneel mantém bandeira amarela em março; conta de luz continua com taxa adicional

É o terceiro mês consecutivo que o órgão regulador aciona bandeira neste patamar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies