Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-14T09:40:19-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Situação delicada...

Falou, valeu! Facebook é retirado de importante índice dos EUA, o S&P 500 ESG

O motivo da retirada está relacionado à pontuação baixa que a companhia obteve, especialmente na parte social e de governança. Na ocasião, a companhia recebeu nota 22 na parte social e 6 no quesito governança. O valor máximo era 100

13 de junho de 2019
22:18 - atualizado às 9:40
Logo do Facebook
Facebook - Imagem: Shutterstock

As polêmicas envolvendo problemas de privacidade com o Facebook culminaram em mais uma notícia negativa para a gigante das redes sociais. A agência de classificação S&P Global anunciou nesta semana que a companhia não fará mais parte do índice de sustentabilidade ambiental, social e de governança do S&P 500, que é conhecido como S&P 500 ESG Index.

Ao comentar sobre a retirada da empresa, a SAM, unidade responsável pelo cálculo do indicador, destacou que a companhia está envolvida em vários processos que vão contra práticas transparentes de governança.

"O Facebook experimentou uma série de problemas de privacidade nos últimos 24 meses, o que inclui o oferecimento de dados pessoais de usuários para 150 companhias, uso indevido da informação e um ataque hacker a quase 50 milhões de contas. Esses eventos criaram uma incerteza sobre as práticas do Facebook com relação a proteção da privacidade, efetividade e garantia de que os processos de gestão de riscos da companhia estão ocorrendo", destacou a instituição.

Dentro do índice, as ações do Facebook representavam apenas 2,5% da carteira total, ou seja, um pequeno percentual.

Nota baixa

E as práticas questionáveis da companhia fizeram com que o Facebook obtivesse pontuação baixa, especialmente na parte social e de governança. No primeiro quesito, a companhia recebeu nota 22, enquanto que no segundo a sua nota foi 6. O problema é que o valor máximo para cada categoria era 100.

Apenas na parte de preocupação ambiental que a empresa recebeu a pontuação 82 pontos, que é considerada alta, já que a nota máxima também era 100. No entanto, como é costume em empresas de tecnologia, tal parte recebe menor peso nas avaliações.

Piora no desempenho

E o desempenho da companhia ao longo dos anos também não ajudou. Ao analisar os gráficos fornecidos pelo indicador, é possível notar que a sua nota foi diminuindo gradativamente entre 2016 e 2018 até alcançar o valor de 21 no ano passado, sendo que a nota máxima era 100.

Para fazer parte dele, as empresas precisam ter pelo menos 75% da capitalização do mercado em seu setor. Logo, ao ser comparado com as demais companhias de indústria da mídia e entretenimento, o Facebook ficou de fora.

 

Fonte: S&P Global

E a saída de um indicador, - que é referência para Exchange Traded Funds (ETFs, ou pacotinhos de fundos) na Europa- , acende mais um alerta sobre a gigante. Na prática, a listagem em índices como esse não significa que ela "abraça árvores, mas sim protege o patrimônio", como falou a nossa colunista Luciana Seabra em um de seus textos.

Além do Facebook, o rebalanceamento que ocorre da carteira retirou grandes nomes como a Oracle e a IBM.

De olhos abertos

Assim como ocorreu com o Facebook e outras empresas, a Vale também foi retirada do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) neste ano. A decisão foi tomada após o rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho (MG) e começou a valer a partir de 12 de fevereiro.

A exclusão da mineradora aconteceu 13 dias depois do rompimento da barragem. A decisão foi tomada em reunião do conselho deliberativo do ISE e levou em conta os efeitos do desastre, segundo a B3. A Vale era a ação com a maior participação no Índice de Sustentabilidade Empresarial.

Apesar de não ser ainda uma prática tão comum por aqui, vários gestores internacionais hoje costumam buscar apenas empresas listadas em índices de sustentabilidade ambiental, social e de governança antes de investir.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Entrevista exclusiva

A Locaweb (LWSA3) já subiu 450% desde o IPO. E, depois de 12 aquisições, ela segue com o pé no acelerador

Fernando Cirne, CEO da Locaweb (LWSA3), fala dos planos para o futuro da empresa, das novas aquisições no radar e do desempenho das ações

Crise dos chips

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe até 20% e vendas disparam – carro usado chega a custar mais que um novo

Mercado enfrenta escassez de semicondutores, demanda alta por veículos e prazos longos para a entrega

sem escassez

Fábrica da Tesla em Xangai deve terminar setembro com 300 mil carros produzidos em 2021

Marca será atingida mesmo em meio a uma escassez global de semicondutores, disseram duas fontes da montadora à Reuters

Fim da pandemia

CEO da Pfizer prevê que voltaremos à vida normal dentro de um ano, mesmo com novas variantes do coronavírus

Albert Bourla acredita que vacinação contra a covid-19 se tornarão anuais, para cobrir novas variantes, e que vacinas durarão um ano

ainda não acabou

Controladores da Alliar (AALR3) contratam XP para vender o negócio, diz jornal

Empresa de diagnósticos foi alvo, recentemente, de disputa pelo controle pela Rede D’Or e fundos ligados ao empresário Nelson Tanure

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies