Menu
2019-07-25T09:27:02-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Curtiu?

A receita do Facebook cresceu 28% no trimestre, mas o mercado se divide entre 👍 e 😡

Os números trimestrais do Facebook trouxeram informações positivas e negativas a respeito da empresa de Mark Zuckerberg — e os mercados reagiram com cautela aos dados

24 de julho de 2019
20:03 - atualizado às 9:27
Logo do Facebook
A receita do Facebook cresceu, mas o lucro teve uma queda forte no trimestreImagem: Shutterstock

Caso o balanço trimestral do Facebook fosse um post da famosa rede social, as reações seriam as mais diversas. Os resultados da empresa de Mark Zuckerberg podem ser interpretados de diferentes maneiras — e, além disso, há novidades a respeito das investigações conduzidas por autoridades americanas contra a companhia.

Há, por exemplo, quem prefira dar um 👍 na receita líquida, que chegou a US$ 16,9 bilhões entre abril e junho deste ano, um crescimento de 28% em relação ao segundo trimestre de 2018. Outros certamente reagiriam com um 💓 ao ver o aumento de 8% na base de usuários diários ativos, totalizando 1,59 bilhão.

Além disso, é bem capaz que a informação de que a base de usuários mensais ativos também avançou 8%, para 2,41 bilhões de contas, trouxesse muitos 😄 ao post. Mas as reações não são apenas positivas: muitas interações teriam uma carga de desaprovação.

Afinal, a notícia de que o lucro do Facebook caiu 49% no segundo trimestre deste ano, para US$ 2,6 bilhões, poderia surpreender e desencadear uma onda de 😮 à postagem. E o provisionamento de US$ 2 bilhões neste trimestre, em função de um acordo firmado com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos — ainda no âmbito do escândalo de vazamento de dados da Cambridge Analytica — seria responsável por diversos 😢.

Por fim, uma novidade incômoda traria inúmeros 😡 ao post: a abertura de uma investigação antitruste contra o Facebook pela mesma comissão, num processo separado daquele que analisava o caso da Cambridge Analytica.

Compartilhar ou não compartilhar?

Antes de sair comentando, é melhor entender com clareza o conjunto de dados divulgados na noite desta quarta-feira (24) pelo Facebook. Conforme já foi dito, a empresa de Mark Zuckerberg registrou dados operacionais fortes, com expansão na receita e na base de usuários — o que, naturalmente, agradou o mercado.

No entanto, o balanço possui uma série de ajustes relacionados às multas impostas pela Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês). A companhia era acusada de não se empenhar para proteger a privacidade dos usuários, e firmou um acordo bilionário com o órgão para finalizar as investigações.

O valor dessa multa? US$ 5 bilhões.

Só que, no primeiro trimestre deste ano, o Facebook já havia provisionado um montante de US$ 3 bilhões, antecipando-se às eventuais sanções a serem aplicadas pela FTC. Assim, a empresa precisou fazer uma provisão extra de US$ 2 bilhões nesse trimestre.

E esse montante foi responsável por gerar a queda de 49% no lucro líquido da companhia — antes desse efeito e de outros gastos com impostos, o lucro do Facebook no trimestre foi de US$ 4,8 bilhões, uma queda bem menor, de 17,6%.

A FTC mencionou você num comentário

Contudo, engana-se quem pensa que os problemas do Facebook com as autoridades americanas estão encerrados. Num curto aviso aos acionistas, a empresa diz que a FTC abriu "investigações antitruste", sem dar maiores detalhes a respeito do que motivou esse novo processo.

"O setor de tecnologia online e a nossa companhia passaram por um exame regulatório meticuloso no último trimestre", diz a companhia, antes de citar a abertura das novas investigações.

Assim, dividido entre o otimismo com os resultados operacionais e a preocupação quanto às futuras investigações contra a empresa de Mark Zuckerberg, o mercado reage com cautela ao balanço do Facebook. Por volta de 10h30 (horário de Brasília), as ações da companhia operavam em leve alta de 0,9% no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação da sessão regular.

De qualquer maneira, as ações do Facebook encontram-se em níveis elevados, um indício de que o mercado tem recuperado a confiança na estratégia de Zuckerberg à frente da gigante do setor de tecnologia.

Considerando o fechamento desta quarta-feira, a US$ 204,66 (+1,14%), os papéis da companhia acumulam ganhos de mais de 56% desde o início de 2019 — desempenho muito superior ao do Nasdaq, que tem alta de 25% neste ano.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Por menos desigualdade

Movimento de milionários defende mais impostos para os mais ricos

Movimento Patriotic Millionaires (milionários patriotas) reúne pessoas ricas da América do Norte, da Europa e da Oceania que pedem para serem mais tributadas, na tentativa de diminuir a desigualdade

Ibope e Datafolha

Eleições municipais: quem são os favoritos no 2º turno das principais capitais, segundo as pesquisas

No Rio, Eduardo Paes lidera; favorito em São Paulo é o atual prefeito Bruno Covas. Confira pesquisas também para Recife, Fortaleza, Porto Alegre e Goiânia

APRENDENDO COM O PROFESSOR BESSEMBINDER

O clube dos 900%: o que você pode aprender com os maiores casos de geração de riqueza da Bolsa americana

Empresas quebrando são mais frequentes que empresas dominando o mundo em algumas décadas. Mas poucos acertos podem rechear a sua carteira e garantir sua aposentadoria precoce.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies