Menu
2019-07-25T09:27:02-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Curtiu?

A receita do Facebook cresceu 28% no trimestre, mas o mercado se divide entre 👍 e 😡

Os números trimestrais do Facebook trouxeram informações positivas e negativas a respeito da empresa de Mark Zuckerberg — e os mercados reagiram com cautela aos dados

24 de julho de 2019
20:03 - atualizado às 9:27
Logo do Facebook
A receita do Facebook cresceu, mas o lucro teve uma queda forte no trimestreImagem: Shutterstock

Caso o balanço trimestral do Facebook fosse um post da famosa rede social, as reações seriam as mais diversas. Os resultados da empresa de Mark Zuckerberg podem ser interpretados de diferentes maneiras — e, além disso, há novidades a respeito das investigações conduzidas por autoridades americanas contra a companhia.

Há, por exemplo, quem prefira dar um 👍 na receita líquida, que chegou a US$ 16,9 bilhões entre abril e junho deste ano, um crescimento de 28% em relação ao segundo trimestre de 2018. Outros certamente reagiriam com um 💓 ao ver o aumento de 8% na base de usuários diários ativos, totalizando 1,59 bilhão.

Além disso, é bem capaz que a informação de que a base de usuários mensais ativos também avançou 8%, para 2,41 bilhões de contas, trouxesse muitos 😄 ao post. Mas as reações não são apenas positivas: muitas interações teriam uma carga de desaprovação.

Afinal, a notícia de que o lucro do Facebook caiu 49% no segundo trimestre deste ano, para US$ 2,6 bilhões, poderia surpreender e desencadear uma onda de 😮 à postagem. E o provisionamento de US$ 2 bilhões neste trimestre, em função de um acordo firmado com a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos — ainda no âmbito do escândalo de vazamento de dados da Cambridge Analytica — seria responsável por diversos 😢.

Por fim, uma novidade incômoda traria inúmeros 😡 ao post: a abertura de uma investigação antitruste contra o Facebook pela mesma comissão, num processo separado daquele que analisava o caso da Cambridge Analytica.

Compartilhar ou não compartilhar?

Antes de sair comentando, é melhor entender com clareza o conjunto de dados divulgados na noite desta quarta-feira (24) pelo Facebook. Conforme já foi dito, a empresa de Mark Zuckerberg registrou dados operacionais fortes, com expansão na receita e na base de usuários — o que, naturalmente, agradou o mercado.

No entanto, o balanço possui uma série de ajustes relacionados às multas impostas pela Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês). A companhia era acusada de não se empenhar para proteger a privacidade dos usuários, e firmou um acordo bilionário com o órgão para finalizar as investigações.

O valor dessa multa? US$ 5 bilhões.

Só que, no primeiro trimestre deste ano, o Facebook já havia provisionado um montante de US$ 3 bilhões, antecipando-se às eventuais sanções a serem aplicadas pela FTC. Assim, a empresa precisou fazer uma provisão extra de US$ 2 bilhões nesse trimestre.

E esse montante foi responsável por gerar a queda de 49% no lucro líquido da companhia — antes desse efeito e de outros gastos com impostos, o lucro do Facebook no trimestre foi de US$ 4,8 bilhões, uma queda bem menor, de 17,6%.

A FTC mencionou você num comentário

Contudo, engana-se quem pensa que os problemas do Facebook com as autoridades americanas estão encerrados. Num curto aviso aos acionistas, a empresa diz que a FTC abriu "investigações antitruste", sem dar maiores detalhes a respeito do que motivou esse novo processo.

"O setor de tecnologia online e a nossa companhia passaram por um exame regulatório meticuloso no último trimestre", diz a companhia, antes de citar a abertura das novas investigações.

Assim, dividido entre o otimismo com os resultados operacionais e a preocupação quanto às futuras investigações contra a empresa de Mark Zuckerberg, o mercado reage com cautela ao balanço do Facebook. Por volta de 10h30 (horário de Brasília), as ações da companhia operavam em leve alta de 0,9% no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação da sessão regular.

De qualquer maneira, as ações do Facebook encontram-se em níveis elevados, um indício de que o mercado tem recuperado a confiança na estratégia de Zuckerberg à frente da gigante do setor de tecnologia.

Considerando o fechamento desta quarta-feira, a US$ 204,66 (+1,14%), os papéis da companhia acumulam ganhos de mais de 56% desde o início de 2019 — desempenho muito superior ao do Nasdaq, que tem alta de 25% neste ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies