Menu
2019-10-14T14:38:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
no cardápio do dia

Pizza de Frango Assado: Ações da IMC disparam após acordo para fusão com empresa de Carlos Wizard

Combinação da IMC, dona das redes Frango Assado e Viena, com a MultiQRS, controlada por Wizard e detentora dos direitos da Pizza Hut e KFC no Brasil, pode resultar em companhia com receita bruta de mais de R$ 1,8 bilhão

26 de julho de 2019
11:04 - atualizado às 14:38
Pizza de frango
Imagem: Shutterstock

Vai uma pizza de frango aí? Ao menos no mercado, a mistura agrada nesta sexta-feira, 26: as ações (MEAL3) da International Meal Company (IMC), dona das redes Frango Assado e Viena, operam em forte em alta de 11,31%. Os papeis estavam cotados a R$ 9,74 na B3, por volta das 14h.

É que a holding assinou um acordo de fusão com a MultiQRS, detentora dos direitos de master-franquia da Pizza Hut e KFC no Brasil. O acordo ainda precisa ser aprovado em Assembleia Geral da IMC e, posteriormente, pelo Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade).

A combinação da IMC com os sistemas Pizza Hut e KFC, caso implementada, resultará em uma companhia com receita bruta em 2018 de mais de R$ 1,8 bilhão, ou aproximadamente R$ 2,3 bilhões, considerando o faturamento também de franqueados. A IMC estima que os custos e despesas para a efetivação da fusão serão de aproximadamente R$ 20 milhões.

Está prevista a ampliação do conselho de administração da IMC de seis para sete membros, além da substituição de alguns membros atuais por representantes indicados pela família Wizard, pela KFC International e pela Pizza Hut International - ambas controladas pela Yum! Brands.

A família Wizard transferirá à Yum!, na data da efetivação da fusão, ações ordinárias de emissão da IMC de sua titularidade, já considerando o aumento de capital decorrente do acordo, equivalentes a 2,08% do total do capital social da IMC. O empresário Carlos Wizard e seus filhos Charles Martins e Lincoln Martins, donos da MultiQRS, receberão, em conjunto, 29,3 milhões de ações ordinárias da IMC, equivalente a 15% do total.

Pela segunda vez, próxima de uma fusão

É a segunda vez em menos de um ano que a IMC fica perto de se juntar a outra empresa. No segundo semestre de 2018, a dona das redes Frango Assado quase se uniu a Sapore.

O dono da empresa de refeições coletivas fez uma "oferta hostil", propondo comprar  40% das ações da IMC diretamente na bolsa. O processo é chamado dessa forma porque não passa por uma negociação prévia com a administração da companhia.

Posteriormente, Mendez promoveria uma fusão entre a Sapore e a IMC. Juntas, elas formariam uma empresa com faturamento de R$ 3 bilhões e 1,4 mil pontos de venda em cinco países, com aproximadamente 25 mil funcionários.

Mas os acionistas da IMC aprovaram uma mudança no estatuto que que inviabilizou os planos do empresário. Com a cláusula incluída hoje no estatuto, qualquer investidor que atingir uma participação de pelo menos 30% na IMC tem agora de fazer uma oferta a todos os acionistas.

Esse tipo de condição estabelecida em estatuto é chamada no mercado de "poison pill" (pílula de veneno). O objetivo é justamente dificultar a tomada do controle em companhias com o capital pulverizado na bolsa, como é o caso da IMC.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements