Menu
2019-10-11T10:50:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
vem aí economia para a estatal

Eletrobras inicia segundo plano de demissão consensual em 2019

Estatal espera economizar R$ 510 milhões por ano, a um custo de cerca de R$ 548 milhões; em 2019, ações estão em alta de cerca de 50%

11 de outubro de 2019
10:48 - atualizado às 10:50
Eletrobras
Imagem: Shutterstock

Começa nesta sexta-feira, o segundo plano de demissão consensual da Eletrobras em 2019. O processo tem implementação simultânea na holding e em suas subsidiárias - entre elas Eletronorte, Furnas e Amazonas GT.

Com o plano, a Eletrobras espera economizar R$ 510 milhões por ano, a um custo de cerca de R$ 548 milhões. "A iniciativa em referência é muito importante para adequação dos custos de nossas empresas aos custos de uma empresa de referência do setor elétrico", diz a companhia em documento divulgado ao mercado.

Segundo a estatal, a meta é  ter o desligamento de 1,681 mil funcionários até o último dia do ano. A Eletrobras se comprometeu, em acordo sindicatos, a oferecer um programa de desligamento para que seu quadro tenha 12,5 mil empregados a partir de janeiro de 2020.

A Eletrobras ainda prevê 12 mil efetivos em maio do próximo ano, ainda de acordo com a companhia. Após estas datas, a empresa fica autorizada a realizar as demissões necessárias para atingir esses números.

Por volta das 10h30, as ações da Eletrobras eram negociadas a R$ 35,74, numa alta de 1,25%. No ano os papeis da estatal acumulam alta da ordem de 50%. Acompanhe nossa cobertura de mercados. 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

3 passos para sobreviver à crise atual no mercado

Um investidor inteligente com educação financeira se concentra menos no que não pode ser controlado — o preço, por exemplo — e mais no que pode ser controlado, como as taxas de juros fixas e as taxas de retorno.

Acabou a crise?

A maldição de maio não pegou de novo: bolsa foi o melhor investimento do mês, e dólar foi o pior

Pelo segundo ano consecutivo, a máxima “sell in may and go away” não se fez valer. Ativos de risco se saíram bem em maio, mas títulos públicos de longo prazo e o dólar tiveram desempenho negativo

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements