Menu
2019-05-10T18:35:28-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Na contramão do Ibovespa

Por que as ações do setor de educação subiram em bloco?

Kroton, Estácio e Ser Educacional fecharam em alta nesta sexta-feira (10), destacando-se num dia em que o Ibovespa se manteve em terreno negativo durante toda a sessão

10 de maio de 2019
16:44 - atualizado às 18:35
Sala de aula com alunos e professor Ânima Cogna Yduqs
Papéis de empresas do setor de educação são o destaque positivo da bolsa brasileira nesta sexta-feira (10)Imagem: Shutterstock

O Ibovespa se manteve em terreno negativo desde o início do pregão nesta sexta-feira (10), pressionado pela cautela global envolvendo as negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Mas um setor específico foi na contramão e despontou entre as maiores altas da bolsa: o das empresas de educação.

Os papéis ON da Kroton (KROT3), por exemplo, fecharam em alta de 5,1%, a R$ 10,10, e apresentaram o melhor desempenho do Ibovespa nesta sexta-feira, enquanto as ações ON da Estácio (ESTC3) tiveram ganho de 2,11%, a R$ 28,50. Fora do índice, Ser Educacional ON (SEER3) avançou 5,09%, a R$ 24,15.

E a razão para o setor estar remando contra a maré é simples: os balanços trimestrais da Estácio e da Ser agradaram o mercado — e aumentaram a expectativa em relação aos resultados da Kroton.

Estácio e o EAD

A Estácio encerrou o primeiro trimestre deste ano com lucro líquido de R$ 246,7 milhões, alta de 25% em relação ao mesmo intervalo de 2018. Além disso, a base de alunos da companhia avançou 2,8% na mesma base de comparação, chegando a 561,3 mil estudantes.

Em relatório, o Bradesco BBI classificou os resultados da empresa como "sólidos", destacando o bom desempenho do segmento de educação a distância (EAD). O total de alunos nessa categoria chegou a 239,2 mil, um crescimento de 19,9% em um ano, e a receita gerada pelo EAD aumentou 27%, para R$ 172,7 milhões.

Na máxima do dia, as ações ON da Estácio chegaram a subir 3,44%, a R$ 28,87. O Bradesco BBI possui recomendação "outperform" (semelhante a compra) para os papéis, com preço-alvo de R$ 36,00.

Expansão de margem na Ser

A Ser Educacional, por sua vez, registrou lucro líquido de R$ 63,9 milhões entre janeiro e março deste ano, alta de 9% ante o primeiro trimestre de 2018. A base de alunos avançou 1,2%, para 161,9 mil estudantes.

O Itaú BBA elogiou os resultados da Ser, destacando a expansão de 24,1% no Ebitda ajustado — isto é, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização —, para R$ 97,1 milhões. Com isso, a margem Ebitda ajustada da Ser ficou em 31,9% no trimestre, ante 24,7% nos primeiros três meses do ano passado.

Para o banco, a expansão na margem foi resultado, entre outros pontos, do plano de aumento de eficiência colocado em prática pela empresa e da otimização do corpo docente. A Ser ainda anunciou dividendos extraordinários no montante de R$ 250 milhões, o que ajudou a dar ainda mais força aos papéis.

No melhor momento do dia, os papéis da companhia tocaram os R$ 24,36 (+6,01%). O Itaú BBA possui recomendação de compra para os papéis da empresa, com preço-alvo de R$ 26,00.

E a Kroton?

Com os resultados de outras empresas do setor de educação surpreendendo positivamente o mercado, os olhos agora voltam-se à líder do segmento: a Kroton, que divulga seu balanço na próxima quarta-feira (15), antes da abertura do pregão.

Segundo a média das projeções de analistas consultados pela Bloomberg, a Kroton deve reportar lucro líquido de R$ 448 milhões no primeiro trimestre deste ano — número que, se confirmado, representa uma queda de 16,8% na base anual.

A receita líquida e o Ebitda da companhia, por sua vez, devem chegar a R$ 1,367 bilhão e a R$ 612,3 milhões, respectivamente — praticamente estáveis em relação ao primeiro trimestre deste ano.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Nova esperança?

Estados Unidos planejam investir US$ 3,2 bilhões em antivirais para tratar covid-19 e outras doenças

Segundo o Dr. Fauci, principal conselheiro do presidente Joe Biden no combate à pandemia, novo programa vai acelerar o que já está em andamento

PODCAST MESA QUADRADA

De pintor de parede a chef renomado, Alex Atala diz que competitividade foi empurrão: ‘se não fosse provocado, seria um bundão’

Chef de cozinha fala sobre sua trajetória e comenta crises e investimentos bem sucedidos

Amor e presentes

Demanda por crédito no País sobe 13% em maio, impulsionada por Dia das Mães

Índice Neurotech revela que o aumento das vendas no varejo, especialmente nas lojas de departamento e vestuário durante a data comemorativa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies