Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-29T16:47:41-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Dia de alívio

A boa notícia é que o dólar à vista caiu mais de 1%. A má é que ele continua acima de R$ 4,20

Em meio ao feriado nos EUA, o dólar à vista conseguiu passar por uma onda de despressurização, motivada pela estratégia de atuação do BC e por dados econômicos mais animadores

28 de novembro de 2019
18:31 - atualizado às 16:47
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A sessão desta quinta-feira (28) foi marcada por notícias positivas e negativas, tanto para o dólar à vista quanto para o Ibovespa. No caso do mercado de câmbio, as boas novas dizem respeito à queda de 1,02% na moeda americana; as más ficam com a cotação em si: apesar da forte baixa, a divisa ainda aparece a R$ 4,2153.

Ou seja: mesmo com a baixa expressiva, o dólar à vista continua perto das máximas — o patamar atual representa a terceira maior cotação de fechamento da história, em termos nominais. Mas há motivo para comemoração, já que, ao menos, a moeda interrompeu a trajetória de alta vista nos últimos dias.

E o Ibovespa? Bem, a boa notícia foi a alta de 0,54% do índice, que chegou aos 108.290,09 pontos hoje. Mas também há um copo meio vazio na bolsa: o fraco giro financeiro, que totalizou apenas R$ 12,5 bilhões hoje, um indício de que essa recuperação pode ser revertida quando as operações voltarem ao ritmo normal.

E essa queda no volume de operações se deve ao feriado do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos — uma das datas comemorativas mais importantes do país. Com os mercados americanos fechados e grande parte dos investidores fora de ação, as negociações correram com o freio de mão puxado no mundo todo.

E as curvas de juros? Bem, no início do dia, os DIs chegaram a operar em forte alta, ainda pressionados pela perspectiva de interrupção antecipada no ciclo de cortes da Selic em função da disparada do dólar. Mas, com a moeda americana passando por um forte alívio, os juros também passaram por ajustes negativos.

R$ 4,21

A onda de calmaria que atingiu o mercado de câmbio nesta quinta-feira teve dois gatilhos: uma mudança de estratégia por parte do Banco Central (BC) e a divulgação de dados econômicos mais animadores no Brasil.

Nos últimos dias, a autoridade monetária vinha atuando sem fazer avisos prévios: convocava leilões para a venda de dólar no mercado à vista quando o câmbio se estressava demais, de modo a trazer um alívio imediato ao mercado. Tais intervenções, no entanto, não foram capazes de frear a trajetória de alta da moeda americana.

Assim, a instituição optou por um caminho diferente nesta quinta-feira: avisou de antemão que promoveria um leilão desse tipo. Com isso, o dólar abriu a sessão de hoje no campo negativo e permaneceu por lá durante quase todo o dia — as quedas mais intensas, contudo, viriam só durante a tarde.

E isso porque a Secretaria de Comércio exterior (Secex) do ministério da Economia revisou o resultado das exportações nas primeiras quatro semanas de novembro. De acordo com o órgão, as vendas ao exterior totalizaram US$ 13,5 bilhões no período — acima da cifra original, de US$ 9,7 bilhões.

Com o dado corrigido, o saldo da balança comercial neste mês virou para o campo positivo: agora, há um superávit de US$ 2,7 bilhões, ante um déficit de US$ 1,1 bilhão anteriormente contabilizado.

Calmaria no Ibovespa

Apesar do alívio no dólar, o dia foi marcado por um certo marasmo na bolsa: com os mercados americanos fechados, o giro financeiro do Ibovespa somou apenas R$ 12,5 bilhões nesta quinta-feira, muito abaixo da média de novembro, de R$ 20,3 bilhões.

O setor de varejo avançou em bloco, puxado por Via Varejo ON (VVAR3), em alta de 3,87% — o Citi elevou a recomendação dos papéis para compra. Lojas Americanas PN (LAME4) e Lojas Renner ON (LREN3) subiram 3,14% e 1,19%, nesta ordem.

As aéreas Gol PN (GOLL4) e Azul PN (AZUL4) também se deram bem, fechando o dia com ganhos de 3,92% e 3,45% respectivamente — o recuo do dólar beneficia diretamente as empresas, que possuem uma fatia relevante de seus custos denominada na moeda americana.

Entre as quedas, destaque para os bancos, após o governo limitar os juros do cheque especial em 8% ao mês, a partir de 6 de janeiro de 2020, medida que fez o mercado mostrar cautela em relação ao setor: as ações PN do Itaú Unibanco (ITUB4) caíram 0,29%, os papéis PN do Bradesco (BBDC4) recuaram 0,78% e as units do Santander Brasil tiveram perda de 1,76%.

Veja as ações que lideraram a ponta positiva do Ibovespa hoje:

  • Yduqs ON (YDUQ3): +4,80%
  • Gol PN (GOLL4): +3,92%
  • Via Varejo ON (VVAR3): +3,87%
  • JBSON (JBSS3): +3,80%
  • Cielo ON (CIEL3): +3,75%

Confira também as principais perdas do índice:

  • Santander Brasil units (SANB11): -1,76%
  • Bradespar PN (BRAP4): -1,75%
  • Gerdau PN (GGBR4): -1,44%
  • Suzano ON (SUZB3): -1,36%
  • B2W ON (BTOW3): -1,32%

Feriado?

Apesar do feriado do Dia de Ação de Graças paralisar as operações nos mercados dos EUA, isso não quer dizer que o noticiário internacional não tenha influenciando os ativos globais.

Lá fora, houve uma redução do otimismo dos agentes financeiros em relação à guerra comercial. O presidente americano, Donald Trump, sancionou a lei que impede a exportação de equipamentos de segurança a países que interfiram na independência política de Hong Kong — uma medida que atinge especialmente a China.

Nesse cenário, as principais praças da Europa fecharam com um ligeiro viés negativo: na Alemanha, o DAX caiu 0,31%; no Reino Unido, o FTSE 1000 recuou 0,18%; e, na França, o CAC 40 teve perda de 0,24% — o índice pan-continental Stoxx 600 terminou em baixa de 0,14%.

Leve alívio nos juros

Com o dólar à vista sustentando-se em queda nesta quinta-feira, as curvas de juros conseguiram respirar e passaram por um ajuste negativo, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,74% para 4,69%;
  • Janeiro/2023: de 5,99% para 5,89%;
  • Janeiro/2025: de 6,62% para 6,52%;
  • Janeiro/2027: de 6,94% para 6,87%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

MERCADOS HOJE

Ibovespa recua 0,7% e dólar sobe para R$ 5,34, com mercado preocupado com inflação e Evergrande

Se nos últimos dias os investidores respiraram mais aliviados com a certeza de que a incorporadora chinesa Evergrande encontraria uma saída para os seus problemas financeiros, hoje o sentimento foi de temor. Isso porque os mercados globais não sabem se a companhia honrou os pagamentos ou conseguiu uma renegociação.  Com a Evergrande mais uma vez […]

Cripto Cowboys

Com restrições na China, Texas é a nova meca do bitcoin e outras criptomoedas?

A energia barata e o baixo controle regulatório atraem os mineradores de moedas digitais para o sul dos Estados Unidos

Vídeos

Selic a 6,25%: onde investir nesse cenário?

Nesta semana, o Copom decidiu aumentar a taxa Selic em um ponto percentual. Matheus Spiess, analista da Empiricus, te explica como ganhar dinheiro com isso. Confira

Maior licitação da história

Com edital aprovado pela Anatel, leilão do 5G está marcado para 4 de novembro

O 5G já é realidade nos Estados Unidos, China e boa parte dos países europeus, enquanto por aqui a preparação do edital completou três anos neste mês

CONTEÚDO VITREO

5 pontos que todo trader deve observar ao investir

Possibilidade de ganhos rápidos e exponenciais no day trade, sem a necessidade de colocar muito dinheiro, atraem muita gente, mas é preciso ter cuidado com armadilhas e picaretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies