Menu
2019-11-28T17:06:50-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Respiro

Alívio no câmbio: dólar cai mais de 1% e volta a R$ 4,21; Ibovespa sobe

O BC mudou de estratégia e anunciou com antemão que promoverá leilões para a venda de dólar no mercado à vista, o que aliviou os ânimos no mercado de câmbio

28 de novembro de 2019
10:40 - atualizado às 17:06
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A escalada do dólar à vista teve uma pausa nesta quinta-feira (28). A moeda americana operou em queda desde o início da sessão e, embora ainda permaneça em níveis elevados, ao menos conseguiu se afastar das máximas. E tudo isso graças a uma mudança de estrategia por parte do Banco Central (BC).

Nos últimos dias, a autoridade monetária vinha atuando sem fazer avisos prévios: convocava leilões para a venda de dólar no mercado à vista quando o câmbio se estressava demais, de modo a trazer um alívio imediato ao mercado. Tais intervenções, no entanto, não foram capazes de frear a trajetória de alta da moeda americana.

Assim, a instituição optou por um caminho diferente nesta quinta-feira: avisou de antemão que promoveria um leilão desse tipo. A nova abordagem deu certo: o dólar à vista fechou em queda de 1,02%, a R$ 4,2153.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Vale ressaltar, no entanto, que as operações globais apresentam liquidez bastante reduzida nesta quinta-feira, uma vez que os mercados americanos ficaram fechados hoje em função do feriado do Dia de Ação de Graças. Assim, essa baixa do dólar ocorreu numa sessão pouco movimentada, e é de se esperar alguma correção nos próximos dias.

Em linhas gerais, o mercado ainda digere as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmando que a taxa de equilíbrio do câmbio estava num nível mais elevado, considerando o cenário de juros mais baixos. Assim, os investidores continuaram testando o BC, de modo a entender qual seria esse nível.

O Ibovespa apresenta desempenho semelhante: em linha com a calmaria no dólar, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 0,44%por volta de 17h05, aos 108.181,32 pontos. Por um lado, as ações dos bancos caem, mas, por outro, as varejistas e exportadoras sobem.

Ontem o governo limitou os juros do cheque especial em 8% ao mês, a partir de 6 de janeiro de 2020, medida que faz o mercado mostrar cautela em relação ao setor bancário: as ações PN do Itaú Unibanco (ITUB4) caem 0,32%, os papéis PN do Bradesco (BBDC4) recuam 0,45% e as units do Santander Brasil têm perda de 0,96%.

Na ponta oposta do Ibovespa, o setor de varejo avança em bloco, puxado por Via Varejo ON (VVAR3), em alta de 1,57% — o Citi elevou a recomendação dos papéis para compra. Lojas Americanas PN (LAME4) e Lojas Renner ON (LREN3) sobem 2,91% e 0,37%, nesta ordem.

Feriado?

Apesar do feriado do Dia de Ação de Graças paralisar as operações nos mercados dos EUA, isso não quer dizer que o noticiário internacional não esteja influenciando os ativos globais.

Lá fora, há uma redução do otimismo dos agentes financeiros em relação à guerra comercial. O presidente americano, Donald Trump, sancionou a lei que impede a exportação de equipamentos de segurança a países que interfiram na independência política de Hong Kong — uma medida que atinge especialmente a China.

Nesse cenário, as principais praças da Europa fecharam com um ligeiro viés negativo: na Alemanha, o DAX caiu 0,31%; no Reino Unido, o FTSE 1000 recuou 0,18%; e, na França, o CAC 40 teve perda de 0,24% — o índice pan-continental Stoxx 600 terminou em baixa de 0,14%.

Leve alívio nos juros

Com o dólar à vista sustentando-se em queda nesta quinta-feira, as curvas de juros conseguiram respirar e passaram por um ajuste negativo, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,74% para 4,69%;
  • Janeiro/2023: de 5,99% para 5,97%;
  • Janeiro/2025: de 6,62% para 6,52%;
  • Janeiro/2027: de 6,94% para 6,85%.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

olho nos números

Relatório aponta nível baixo de investimento de estatais no 1º ano de Bolsonaro

Estatais federais executaram 45,7% dos investimentos previstos para 2019 e a aplicação dos recursos ao longo do ano foi direcionada basicamente para a Região Sudeste

Câmbio

A alta do dólar preocupa? Com a palavra, o presidente do Banco Central

Campos Neto disse que o BC avalia constantemente se a alta do dólar retarda as decisões de investimento ou contamina as perspectivas de inflação

de olho nas finanças

48% dos brasileiros não controlam o próprio orçamento, mostra pesquisa CNDL/SPC

Segundo o levantamento, a frequência de análise de orçamento é inadequada mesmo entre a maioria dos 52% de brasileiros que utilizam alguma forma de controle de suas finanças

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

presidente ficou irritado

Assessor do Planalto é afastado por usar avião da FAB

Vicente Santini usou uma aeronave oficial para se deslocar até Nova Délhi, na Índia

Exile on Wall Street

Contágio: e agora, o que fazer?

Medo de uma grande pandemia transmitida rapidamente num mundo globalizado e interconectado encontra representação mitológica tão forte que virou blockbuster em Hollywood

Alívio

Ibovespa acompanha o exterior e opera em alta, recuperando parte das baixas de ontem

O Ibovespa ensaia uma recuperação após as perdas massivas da sessão passada, apesar de o noticiário referente ao coronavírus continuar inspirando cautela

Nunca vi contexto tão favorável para negócios no Brasil, diz CEO do Magazine Luiza

Frederico Trajano afirmou ter planos “extremamente ambiciosos” para a rede varejista nos próximos anos após oferta de ações de quase R$ 5 bilhões

atento ao cenário

Coronavírus pode reduzir previsão de crescimento, mas é cedo para cravar, diz OMC

Diretor da entidade disse que, por enquanto, há apenas especulação dos economistas apontando revisão para baixo dos números

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Enquanto acompanham o avanço do coronavírus, os investidores olham também para as novidades no mundo corporativo. Os números da Cielo vieram piores do que as expectativas, que já eram bem negativas. A JBS anunciou um negócio bilionário na China. E a união de Embraer e Boeing ganhou o aval do Cade.   O que você precisa saber hoje: […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements