Menu
2019-11-28T17:06:50-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Respiro

Alívio no câmbio: dólar cai mais de 1% e volta a R$ 4,21; Ibovespa sobe

O BC mudou de estratégia e anunciou com antemão que promoverá leilões para a venda de dólar no mercado à vista, o que aliviou os ânimos no mercado de câmbio

28 de novembro de 2019
10:40 - atualizado às 17:06
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A escalada do dólar à vista teve uma pausa nesta quinta-feira (28). A moeda americana operou em queda desde o início da sessão e, embora ainda permaneça em níveis elevados, ao menos conseguiu se afastar das máximas. E tudo isso graças a uma mudança de estrategia por parte do Banco Central (BC).

Nos últimos dias, a autoridade monetária vinha atuando sem fazer avisos prévios: convocava leilões para a venda de dólar no mercado à vista quando o câmbio se estressava demais, de modo a trazer um alívio imediato ao mercado. Tais intervenções, no entanto, não foram capazes de frear a trajetória de alta da moeda americana.

Assim, a instituição optou por um caminho diferente nesta quinta-feira: avisou de antemão que promoveria um leilão desse tipo. A nova abordagem deu certo: o dólar à vista fechou em queda de 1,02%, a R$ 4,2153.

Vale ressaltar, no entanto, que as operações globais apresentam liquidez bastante reduzida nesta quinta-feira, uma vez que os mercados americanos ficaram fechados hoje em função do feriado do Dia de Ação de Graças. Assim, essa baixa do dólar ocorreu numa sessão pouco movimentada, e é de se esperar alguma correção nos próximos dias.

Em linhas gerais, o mercado ainda digere as declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmando que a taxa de equilíbrio do câmbio estava num nível mais elevado, considerando o cenário de juros mais baixos. Assim, os investidores continuaram testando o BC, de modo a entender qual seria esse nível.

O Ibovespa apresenta desempenho semelhante: em linha com a calmaria no dólar, o principal índice da bolsa brasileira operava em alta de 0,44%por volta de 17h05, aos 108.181,32 pontos. Por um lado, as ações dos bancos caem, mas, por outro, as varejistas e exportadoras sobem.

Ontem o governo limitou os juros do cheque especial em 8% ao mês, a partir de 6 de janeiro de 2020, medida que faz o mercado mostrar cautela em relação ao setor bancário: as ações PN do Itaú Unibanco (ITUB4) caem 0,32%, os papéis PN do Bradesco (BBDC4) recuam 0,45% e as units do Santander Brasil têm perda de 0,96%.

Na ponta oposta do Ibovespa, o setor de varejo avança em bloco, puxado por Via Varejo ON (VVAR3), em alta de 1,57% — o Citi elevou a recomendação dos papéis para compra. Lojas Americanas PN (LAME4) e Lojas Renner ON (LREN3) sobem 2,91% e 0,37%, nesta ordem.

Feriado?

Apesar do feriado do Dia de Ação de Graças paralisar as operações nos mercados dos EUA, isso não quer dizer que o noticiário internacional não esteja influenciando os ativos globais.

Lá fora, há uma redução do otimismo dos agentes financeiros em relação à guerra comercial. O presidente americano, Donald Trump, sancionou a lei que impede a exportação de equipamentos de segurança a países que interfiram na independência política de Hong Kong — uma medida que atinge especialmente a China.

Nesse cenário, as principais praças da Europa fecharam com um ligeiro viés negativo: na Alemanha, o DAX caiu 0,31%; no Reino Unido, o FTSE 1000 recuou 0,18%; e, na França, o CAC 40 teve perda de 0,24% — o índice pan-continental Stoxx 600 terminou em baixa de 0,14%.

Leve alívio nos juros

Com o dólar à vista sustentando-se em queda nesta quinta-feira, as curvas de juros conseguiram respirar e passaram por um ajuste negativo, tanto na ponta curta quanto na longa. Veja abaixo como ficaram os principais DIs:

  • Janeiro/2021: de 4,74% para 4,69%;
  • Janeiro/2023: de 5,99% para 5,97%;
  • Janeiro/2025: de 6,62% para 6,52%;
  • Janeiro/2027: de 6,94% para 6,85%.
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

TIM Brasil poderá emitir até R$ 5,7 bilhões em debêntures incentivadas

O projeto da operadora para melhorias nas redes fixas e móveis de 21 unidades da federação entrou na lista de autorizações do Ministério das Comunicações

quem vai levar?

Tem ação fresquinha vindo aí, minha amiga, com o IPO da Hortifruti Natural da Terra

Com tese de investimento sendo que ela é o melhor do supermercado e da feira, companhia busca recursos para expandir operações

Ligando na tomada

Renault traz a nova geração de carros elétricos ao Brasil — e Weg e EDP garantem a recarga

A Renault firmou parceria com EDP e WEG para o fornecimento de infraestrutura do novo Zoe, veículo 100% elétrico da montadora francesa

Estreia na segunda

Hashdex capta mais de R$ 615 milhões para o primeiro ETF de criptomoeda

O ETF replicará um índice desenvolvido pela Nasdaq com a própria gestora Hashdex e estreia na bolsa brasileira na seugnda-feira (26)

novata na b3

Grupo GPS aceita desconto e arrecada R$ 2,5 bilhões em IPO; conheça mais a empresa

Prestadora de serviços de limpeza e segurança encara mesmas dificuldades que outras empresas para listar ações na bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies