Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-14T18:46:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Nova máxima no ano

Com medo da tensão na América Latina, o dólar voou para longe e foi aos R$ 4,19

As tensões sociais em diversos vizinhos do Brasil geraram um quadro de aversão ao risco em relação à região, o que fez o dólar se aproximar das máximas históricas por aqui

14 de novembro de 2019
10:33 - atualizado às 18:46
Dólar subindo
Imagem: Shutterstock

A América Latina está num momento turbulento — você certamente leu a respeito dos protestos sociais no Chile ou da instabilidade política na Bolívia. E se, por acaso, você acha que essa tensão está distante da nossa realidade, saiba que está errado: basta ver o que aconteceu com o dólar à vista nessa semana.

Desde segunda-feira (11), a divisa acumulou uma alta de 0,64%, terminando a sessão desta quinta-feira (14) com um leve ganho de 0,18%, a R$ 4,1932. Pode não parecer muito, mas há um detalhe importante: essa cotação representa uma nova máxima de fechamento em 2019 e o segundo patamar mais alto da história, em termos nominais.

Os R$ 4,1932 vistos hoje só ficam atrás do nível visto em 13 de setembro de 2018 — o dólar à vista terminou aquela sessão cotado a R$ 4,1998. Em termos intradiários, o recorde é de R$ 4,2158, registrado em 30 de agosto do ano passado.

Essa onda de pressão no mercado de câmbio se deve, justamente, ao atual panorama da América Latina. Por mais que o Brasil não esteja enfrentando turbulências sociais como as vistas em muitos de seus vizinhos, fato é que muitos investidores estrangeiros colocam os ativos da região numa mesma cesta.

Sendo assim, pouco importa se o Brasil mostra-se mais estável que seus pares regionais. Para esses investidores, há uma maior percepção de risco em relação aos ativos da América Latina como um todo — e, sendo assim, todos os itens do pacote acabam sendo afetados.

É claro que essa postura mais cautelosa não afeta todos os membros da cesta na mesma magnitude. Basta ver o comportamento da moeda do Chile, país que apresenta uma das situações mais instáveis da região. Na segunda-feira, o dólar valia cerca de 740 pesos chilenos; hoje, a cotação já estava próxima a 800 pesos, uma alta de 8,1%.

Essa situação se repetiu em diversas outras moedas do continente. Desde segunda-feira, o dólar acumulou ganhos de cerca de 3,5% em relação ao peso colombiano e de 1,15% na comparação com o peso mexicano. O real, assim, sofreu com o contexto regional, mas em menor escala que seus pares latinos.

E o Ibovespa? O principal índice da bolsa brasileira também foi afetado pelo turbilhão que atinge a América Latina: na semana, as perdas acumuladas chegaram a 1%, apesar da alta de 0,47% registrada hoje, para os 106.556,88 pontos.

Vale lembrar que, no caso da bolsa, também é importante lembrar que o Ibovespa estava perto das máximas históricas no início da semana — o índice atingiu o recorde de fechamento no último dia 7, aso 109.580,57 pontos. Com o mercado em níveis tão altos, e considerando a instabilidade regional, ficou fácil para os agentes financeiros embolsarem os ganhos.

E olha que, nesta quinta-feira, os investidores até tinham boas notícias para repercutir: o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) teve alta de 0,44% em setembro e, com isso, fechou o trimestre com uma variação positiva de 0,91%.

O indicador sinalizou que a economia brasileira finalmente começa a dar sinais de recuperação mais firme, o que elevou o otimismo dos mercados quanto ao desempenho da atividade do país em 2020 — e consequentemente, cooperou para melhorar um pouco o humor dos investidores.

Uma segunda leitura é a de que os sinais de reaquecimento econômico no Brasil podem fazer com que, aos olhos dos investidores estrangeiros, o país acabe se dissociando de seus vizinhos latinoamericanos, que atravessam uma fase de intensas turbulências políticas e sociais. Assim, o mercado brasileiro seria uma espécie de 'oásis' na região.

Outro foco de alívio veio do front da guerra comercial entre Estados Unidos e China: segundo a Bloomberg, o governo chinês concordou em remover as barreiras de importação de carne de frango americana.

A notícia aumentou a percepção de que as potências estariam caminhado para a assinatura da primeira fase de um acordo comercial, conforme sinalizado na última rodada de negociações formais entre os países. Esse desdobramento também serviu para amenizar os dados decepcionantes do varejo e da indústria chinesa em outubro.

Juros em alta

A recuperação indicada pelo IBC-Br, em conjunto com os ganhos do dólar, fez com que as curvas de juros fechassem em alta nesta quinta-feira, especialmente as mais curtas. Com a economia brasileira ganhando tração, o Banco Central pode optar por promover cortes menos intensos na Selic, o que estimula esse ajuste positivo nos juros.

Os DIs para janeiro de 2021, por exemplo, subiram de 4,61% para 4,64%. No vértice mais longo, as curvas com vencimento em janeiro de 2023 foram de 5,73% para 5,75%, enquanto as para janeiro de 2025 recuaram de 6,34% para 6,33%.

Subidas e descidas

No Ibovespa, as ações do setor de varejo estiveram entre os destaques positivos, impulsionadas pelo bom resultado do IBC-Br — uma retomada da economia implica num reaquecimento do consumo doméstico.

Assim, Via Varejo ON (VVAR3) disparou 8,26%, Lojas Renner ON (LREN3) teve ganho de 4,89%, B2W ON (BTWO3) avançou 4,27% e Magazine Luiza ON (MGLU3) subiu 4,12%. O mercado ainda reagiu positivamente ao balanço da Via Varejo, como você pode ver nesta matéria.

Na ponta negativa, Braskem PNA (BRKM5) caiu 5,51% — os números trimestrais da petroquímica serão reportados ainda hoje. MRV ON (MRVE3) e Suzano ON (SUZB3) completam a ponta vermelha do índice, com baixas de 3,69% e 2,63%, respectivamente.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Coluna do jojo

Bolsa hoje: as idas e vindas da taxa de juros

Confira os principais destaques que movimentam os mercados no Brasil e no exterior

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em alta após ‘Super Quarta’ e dólar recua; saiba o que movimenta a bolsa hoje

A ‘Super Quarta’ trouxe um novo capítulo para o tapering e movimentar os negócios, mas os juros no Brasil devem ter impacto limitado no pregão de hoje

O melhor do seu dinheiro

A prova de fogo dos investimentos em renda fixa, Bolsas depois da ‘Super Quarta’ e outros destaques que mexem com seu dinheiro

Antes de pensar em ficar rico com investimentos, é preciso pensar no dia de amanhã. Então é fundamental reservar uma parcela do seu patrimônio para constituir uma reserva de emergência. Trata-se daquele dinheiro que você pode resgatar a qualquer momento para um caso de necessidade. Por isso mesmo, deve ficar em aplicações conservadoras e com […]

Efeitos da pandemia

Câmara aprova isenção de Imposto de Renda para pessoas com sequelas pela covid-19

Caso o projeto seja sancionado, caberá ao Ministério da Saúde estabelecer os critérios de caracterização, bem como as condições para a manutenção dos benefícios

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsas devem digerir ‘Super Quarta’ hoje, de olho no pagamento de juros da Evergrande e agenda local pesada

O tapering ficou para depois, o que é um duplo sinal para o investidor; já o BC brasileiro deve ter um impacto neutro no Ibovespa hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies