Menu
2019-11-01T23:38:38-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Aumento de imposto sobre bancos terá impacto no dólar

Essa é a expectativa do JP Morgan, que tem o real como sua moeda favorita na América Latina. Leilão do pré-sal também favorece a venda de dólar

1 de novembro de 2019
10:47 - atualizado às 23:38
dolar nota
Nota de dólar -

Fique comprado em real (ou vendido em dólar). Essa é a recomendação do JP Morgan considerando o leilão de excedentes do pré-sal, que acontecerá dia 6 de novembro, e a mudança na tributação dos bancos, que passa a valer no começo de 2020.

A primeira razão é fácil de entender. Há expectativa de ingresso de dólares em função da participação de empresas estrangeiras no leilão, que deve movimentar mais de US$ 20 bilhões. Para o banco, ingressos de US$ 8 bilhões ou mais serão uma surpresa positiva.

A segunda é um pouco menos intuitiva. Junto da reforma da Previdência foi aprovada uma elevação na CSLL cobrada dos bancos, de 15% para 20%. Os bancos brasileiros têm uma parcela relevante de patrimônio no exterior e têm de fazer o hedge, a proteção desses ativos contra variação cambial. Como incide tributação sobre eventuais ganhos com variação cambial, os bancos sempre fazem um “over-hedge”, uma “proteção a mais” para compensar a questão tributária.

Assim, como teremos um aumento de imposto, os bancos devem aumentar o “over-hedge”. Considerando a posição patrimonial dos quatro maiores bancos do país, o JP Morgan estima o impacto desse “over-hedge” em US$ 7,5 bilhões, que terão de ser vendidos no mercado local para “casar” as posições externas e a tributação. Não fica descartado valor ainda maior, pois essa estimativa leva em conta apenas os quatro maiores bancos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O JP Morgan também lista outros vetores que favorecem um real mais forte, como o avanço da agenda de privatizações, novo marco legal para o setor de saneamento, possibilidade de ingresso de estrangeiros no setor de saúde e o momento mais favorável para uma retomada do crescimento econômico.

O banco também captou uma queda no movimento de troca de dívida externa por interna, algo que teve grande influência no fluxo cambial e na cotação na moeda ao longo do ano.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

atento ao cenário

Coronavírus pode reduzir previsão de crescimento, mas é cedo para cravar, diz OMC

Diretor da entidade disse que, por enquanto, há apenas especulação dos economistas apontando revisão para baixo dos números

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Enquanto acompanham o avanço do coronavírus, os investidores olham também para as novidades no mundo corporativo. Os números da Cielo vieram piores do que as expectativas, que já eram bem negativas. A JBS anunciou um negócio bilionário na China. E a união de Embraer e Boeing ganhou o aval do Cade.   O que você precisa saber hoje: […]

segundo agência

Em grave crise econômica, Venezuela avalia privatizar petróleo

Representantes do governo conversaram com diferentes empresas, diz agência; medida abandonaria décadas de monopólio estatal

O que mexe com os negócios hoje

Com coronavírus no radar, mercados ensaiam dia de recuperação

Ontem o dia foi de temor nos mercados, como reflexo da rápida disseminação do coronavírus pelo mundo. Nas primeras horas da manhã tanto as sessões europeias como os índices futuros em Wall Street ensaiavam uma recuperação

bons negócios

JBS faz acordo com empresa chinesa que deve movimentar R$ 3 bilhões

Parceria com WH Group oferecerá portfólio de produtos das marcas Friboi e Seara

agenda oficial

BNDES vai até Brasília explicar ‘caixa-preta’

Comitiva vai dar explicações sobre a auditoria de R$ 48 milhões; estudo não encontrou nenhuma irregularidade no banco

entrevista

Por que o coronavírus é mais um elemento de risco à economia, segundo este especialista

Segundo o economista-chefe da consultoria MB Associados, Sergio Vale, a doença aumenta as incertezas nos mercados; entenda

dados oficiais

Na China, número de mortes pelo coronavírus passa de 100

Autoridades de saúde da China afirmam que mais de 4 mil pessoas foram infectadas

precaução

Por receio do coronavírus, China adia reabertura do mercado de ações

Originalmente, os negócios nas bolsas de Xangai e de Shenzhen seriam retomados na sexta-feira; agora, só voltam segunda

Produtos de investimento

Na disputa com plataformas, Itaú lança fundo que segue carteira recomendada pelo banco

Fundo lançado há pouco mais de uma semana na rede já conta com R$ 500 milhões em patrimônio e permite que cliente invista em toda a carteira de recomendações em um único produto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements