Menu
2019-10-28T15:21:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Fora da curva

IFI aponta queda no custo líquido de carregamento da dívida do Brasil

Relatório mostra que o País teve uma queda do custo líquido de carregamento da dívida de 1,3% do PIB em outubro de 2018 para 0,32% em agosto de 2019

28 de outubro de 2019
15:21
Dinheiro
Imagem: Shutterstock

A onda de redução de juros internacionais observada desde o fim de 2018 gerou um fenômeno não usual paras as reservas brasileiras, que deve cessar num futuro próximo.

Relatório da Instituição Fiscal Independente (IFI), vinculada ao Senado mostra que o País teve uma queda do custo líquido de carregamento da dívida de 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em outubro de 2018 para 0,32% em agosto de 2019.

Para 2020, no entanto, a IFI projeta que o custo líquido deve voltar a crescer, mas não para o patamar anterior, chegando ao fim do próximo ano próximo de 0,55% do PIB.

A queda do custo de carregamento da dívida em 2019 aconteceu porque o País registrou um aumento no rendimento das reservas. Isso ocorreu porque, com os juros internacionais mais baixos, os títulos no qual o governo brasileiro investiu para compor a dívida passaram a render mais do que os papéis disponíveis no mercado. Só entre dezembro de 2018 e agosto de 2019 o País teve um ganho de capital de US$ 12 bilhões.

"É claro que esses ganhos são temporários. Passado o período de ajuste nos preços dos títulos, o rendimento das reservas voltará a ser baixo, padrão característico dos últimos anos", apontou o documento.

Para chegar à previsão de custo líquido de 0,55% do PIB, a IFI considerou que as reservas vão variar apenas pela incorporação de remuneração; uma média de remuneração similar às deste ano, crescimento de 0,9% em 2019 e 2% em 2020; deflator do PIB entre 3,78% e 4,15% e Selic em 4,75%.

O custo líquido das reservas é calculado pelo custo de oportunidade (o que se deixou de ganhar ou economizar com a venda dessas reservas; preponderantemente, o custo da dívida pública) menos o rendimento das reservas.

O custo "bruto" das reservas, descontando os rendimentos, ficou entre 1% e 2,5% do PIB desde 2005, pelos cálculos da IFI, acompanhando os movimentos da Selic.

Por isso, o custo teve queda acentuada nos últimos anos, por conta da flexibilização da política monetária e, em 2019, manteve-se em cerca de 1,3% do PIB. "Poderá diminuir ainda mais quando sofrer os efeitos da redução da Selic de 6,5% para 5,5% entre agosto e outubro", apontou o documento.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Expansão

3R Petroleum fecha parceria com DBO para aquisições de campos offshore

Com a parceria, a DBO se tornará acionista minoritária da OP, que seguirá sob controle da 3R

Boletim médico

Covid-19: mortes ultrapassam 264 mil e casos chegam a quase 11 milhões

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite deste sábado (6)

ESTRADA DO FUTURO

A mentira envolvendo o Clubhouse e o Tinder que rendeu 400% de valorização

Os mercados estão longe de serem perfeitos, e hoje vou te contar uma história real que envolve duas das empresas mais quentes no setor de mídias sociais: o “Clubhouse” e o “Tinder”.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies