Menu
2019-07-25T15:31:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no gringo

Estrangeiro vende dívida pública em junho, mas semestre tem maior ingresso desde 2015

Venda feita no mês passado foi a primeira do ano, mas no semestre saldo é positivo em R$ 53,7 bilhões. Tesouro classifica retirada como movimento pontual, tendência é de entrada de estrangeiro

25 de julho de 2019
14:57 - atualizado às 15:31
Dinheiro real
Imagem: shutterstock

Depois de cinco meses seguidos de compra, o investidor estrangeiro fez uma breve venda de títulos públicos brasileiros em junho, coisa de R$ 3,96 bilhões. Ainda assim, olhando o semestre, o saldo do gringo é positivo em R$ 53,67 bilhões, melhor primeiro semestre desde 2015 (R$ 86,6 bilhões), ano que marcou a perda do grau de investimento.

Em valores nominais, o estoque fechou o mês em R$ 472,08 bilhões, contra R$ R$ 476,04 bilhões em maio. Em junho do ano passado, estava em R$ 430,5 bilhões. Em termos percentuais, a fatia do não residente equivale a 12,34% da dívida que soma R$ 3,826 trilhões. Sempre é válido lembrar que entre 2014 e 2015, a participação rondava os 20%, mas a perda do grau de investimento mudou o padrão de participação.

"Dada essa tendência de elevação de estoque dos estrangeiros e dinâmica benigna dos mercados, vemos que essa redução ou saída líquida reflete algo bastante pontual. Pode ser antecipação de rolagem do vencimento de julho, algo quase sazonal. Não é uma quebra de tendência", disse o coordenador de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Roberto Lobarinhas.

Ainda de acordo com Lobarinhas, esse acumulo de recursos feito pelos estrangeiros no semestre supera o registrados pelos demais principais detentores.

Os fundos de investimento lideram o quadro de financiadores, com pouco mais de R$ 1 trilhão em títulos da dívida, ou 26,85% do total em junho (26,6% em maio). Na sequência estão as instituições de Previdência, com R$ 914 bilhões, ou 23,91%, seguidas pelos bancos, com R$ 886 bilhões, ou 23,17%.

Queda de juros

Segundo Lobarinhas, junho marcou mais um mês de queda na curva de juros brasileira. Tal movimento é explicado por três fatores, segundo ele:

  • Mercado passou a acreditar em corte da Selic ainda neste ano, suportado pelos dados de inflação e atividade
  • Perspectiva de aprovação da reforma da Previdência ganhou contorno ainda mais forte
  • Perspectiva de corte de juros em economias desenvolvidas (EUA e Europa).

Lobarinhas chamou atenção para a queda nas taxas dos títulos prefixados, que terminaram maio na casa de 8,47% e estavam em 7,47% no fim de junho. Além disso, o juro real de todas as NTN-Bs caiu abaixo de 4%.

Esse movimento de melhora, diz o coordenador, continuou agora em julho. Ele lembrou que o CDS (termômetro de risco de calote) caiu para o menor patamar desde o fim de 2014, na linha de 125 pontos, antes da perda do grau de investimento.

Questionado sobre a possibilidade de o país voltar a ter o selo de bom pagador, Lobarinhas disse que não existe prazo ou perspectiva nesse sentido.

"O que acreditamos é que estamos na direção correta ao ver essa melhora de taxas e percepção de risco, consolidação das reformas e redução de incertezas. Acreditamos que esse é o caminho certo para recuperar o grau de investimento", disse.

Comparando as taxas externas brasileiras com a de outros países com grau de investimento, como México, "pagamos taxas compatíveis com esses países".

Carregando a montanha

O Tesouro também atualiza mensalmente o custo de carregar esses trilhões de dívida. O custo médio acumulado em 12 meses foi de 8,99% em junho, recuando de 9,38% em abril.

Já o custo médio de emissão voltou a cair e marcou 7,12% no mês passado, menor valor da série histórica iniciada em 2010. O custo de emitir uma NTN-B fechou o mês em 9,1%, contra 10,11 de maio. Para dar um parâmetro, no fim de 2015 esse custo passava dos 17%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil acumula 5,3 milhões de casos e 157 mil mortes por covid-19

País registrou 13.493 novos casos do novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo Ministério da Saúde

Entrevista exclusiva

Líder no Nordeste, Moura Dubeux quer manter foco na região e na rentabilidade

Em entrevista exclusiva, o CEO da incorporadora de Recife fala sobre a vida da empresa antes e depois do IPO, diz que por ora não vê sentido em sair do Nordeste e que prioriza rentabilidade a crescimento

PRÉVIA DOS BALANÇOS

Os grandões vêm aí: Petrobras e Vale divulgam os resultados; veja o que esperar

Semana será marcada pela apresentação dos resultados de algumas das principais companhias da B3

agenda lotada

Os segredos da bolsa: balanços de pesos-pesados podem manter Ibovespa em alta em semana de Copom

Lá fora, resultados do terceiro trimestre de Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft são destaques, além de decisões de bancos centrais

O GRANDE DRAGÃO VERMELHO

Pandemia deve reforçar poder chinês na economia

Movimento aponta para a continuidade das tensões com Estados Unidos e manutenção da alta demanda por matérias-primas produzidas pelo Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies