Menu
2019-07-25T15:31:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no gringo

Estrangeiro vende dívida pública em junho, mas semestre tem maior ingresso desde 2015

Venda feita no mês passado foi a primeira do ano, mas no semestre saldo é positivo em R$ 53,7 bilhões. Tesouro classifica retirada como movimento pontual, tendência é de entrada de estrangeiro

25 de julho de 2019
14:57 - atualizado às 15:31
Dinheiro real
Imagem: shutterstock

Depois de cinco meses seguidos de compra, o investidor estrangeiro fez uma breve venda de títulos públicos brasileiros em junho, coisa de R$ 3,96 bilhões. Ainda assim, olhando o semestre, o saldo do gringo é positivo em R$ 53,67 bilhões, melhor primeiro semestre desde 2015 (R$ 86,6 bilhões), ano que marcou a perda do grau de investimento.

Em valores nominais, o estoque fechou o mês em R$ 472,08 bilhões, contra R$ R$ 476,04 bilhões em maio. Em junho do ano passado, estava em R$ 430,5 bilhões. Em termos percentuais, a fatia do não residente equivale a 12,34% da dívida que soma R$ 3,826 trilhões. Sempre é válido lembrar que entre 2014 e 2015, a participação rondava os 20%, mas a perda do grau de investimento mudou o padrão de participação.

"Dada essa tendência de elevação de estoque dos estrangeiros e dinâmica benigna dos mercados, vemos que essa redução ou saída líquida reflete algo bastante pontual. Pode ser antecipação de rolagem do vencimento de julho, algo quase sazonal. Não é uma quebra de tendência", disse o coordenador de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Roberto Lobarinhas.

Ainda de acordo com Lobarinhas, esse acumulo de recursos feito pelos estrangeiros no semestre supera o registrados pelos demais principais detentores.

Os fundos de investimento lideram o quadro de financiadores, com pouco mais de R$ 1 trilhão em títulos da dívida, ou 26,85% do total em junho (26,6% em maio). Na sequência estão as instituições de Previdência, com R$ 914 bilhões, ou 23,91%, seguidas pelos bancos, com R$ 886 bilhões, ou 23,17%.

Queda de juros

Segundo Lobarinhas, junho marcou mais um mês de queda na curva de juros brasileira. Tal movimento é explicado por três fatores, segundo ele:

  • Mercado passou a acreditar em corte da Selic ainda neste ano, suportado pelos dados de inflação e atividade
  • Perspectiva de aprovação da reforma da Previdência ganhou contorno ainda mais forte
  • Perspectiva de corte de juros em economias desenvolvidas (EUA e Europa).

Lobarinhas chamou atenção para a queda nas taxas dos títulos prefixados, que terminaram maio na casa de 8,47% e estavam em 7,47% no fim de junho. Além disso, o juro real de todas as NTN-Bs caiu abaixo de 4%.

Esse movimento de melhora, diz o coordenador, continuou agora em julho. Ele lembrou que o CDS (termômetro de risco de calote) caiu para o menor patamar desde o fim de 2014, na linha de 125 pontos, antes da perda do grau de investimento.

Questionado sobre a possibilidade de o país voltar a ter o selo de bom pagador, Lobarinhas disse que não existe prazo ou perspectiva nesse sentido.

"O que acreditamos é que estamos na direção correta ao ver essa melhora de taxas e percepção de risco, consolidação das reformas e redução de incertezas. Acreditamos que esse é o caminho certo para recuperar o grau de investimento", disse.

Comparando as taxas externas brasileiras com a de outros países com grau de investimento, como México, "pagamos taxas compatíveis com esses países".

Carregando a montanha

O Tesouro também atualiza mensalmente o custo de carregar esses trilhões de dívida. O custo médio acumulado em 12 meses foi de 8,99% em junho, recuando de 9,38% em abril.

Já o custo médio de emissão voltou a cair e marcou 7,12% no mês passado, menor valor da série histórica iniciada em 2010. O custo de emitir uma NTN-B fechou o mês em 9,1%, contra 10,11 de maio. Para dar um parâmetro, no fim de 2015 esse custo passava dos 17%.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em busca de energia limpa

Criptomoedas: Elon Musk diz que Tesla vendeu 10% do que detinha em bitcoin

Segundo executivo, operação prova que a criptomoeda poder ser liquidada facilmente “sem mover o mercado”

imunização

Governo de São Paulo adianta em 30 dias vacinação contra a covid-19; veja novas datas

Plano é vacinar toda a população adulta do estado, ao menos com a primeira dose, até o dia 15 de setembro

luto

Ex-presidente do BC Carlos Langoni morre de covid-19 no Rio

Carlos Langoni trabalhou no governo na virada das décadas de 1970 e 1980, quando foi presidente do BC; ele colaborou com a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, quase 40 anos depois

nos eua

Nova ‘ação meme’? Orphazyme dispara quase 1400% em um dia e mercado não sabe por quê

Investidores da empresa aguardam uma importante atualização sobre um tratamento experimental para a doença de Niemann-Pick; sem novidades, mercado não sabe a razão da alta

entrevista

Superávit primário pode voltar em 2024, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt diz que a melhora no quadro fiscal do País não é “sorte”; confira a entrevista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies