Menu
2019-02-01T20:22:45-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Renda fixa

Confira o quanto a Petrobras vai pagar em captação de R$ 3,6 bilhões em debêntures incentivadas

Títulos vão render abaixo dos títulos públicos, mas como contam com isenção de imposto de renda, rentabilidade final para o investidor será maior

1 de fevereiro de 2019
20:10 - atualizado às 20:22
Petrobras
Petrobras - Imagem: Shutterstock

A Petrobras fechou hoje uma captação de R$ 3,6 bilhões com a emissão de debêntures, títulos emitidos por empresas que rendem juros ao investidor. O volume ficou acima dos R$ 3 bilhões pretendidos inicialmente pela estatal, um sinal de que a procura pelos papéis foi grande. Eu te contei sobre essa emissão nesta reportagem.

A emissão foi feita em três séries, sendo que duas delas foram enquadradas na lei que concedeu isenção de imposto de renda para pessoas físicas e investidores estrangeiros.

Na primeira série, com vencimento em sete anos, a taxa de juros ficou 0,20% abaixo do título público com correção pela inflação (Tesouro IPCA+) com vencimento em 2026, ou 4,046% ao ano. O volume alocado nessa série foi de R$ 898 milhões.

Originalmente, a Petrobras ofereceu pagar um prêmio de até 0,10% acima dos papéis do governo, mas a taxa caiu em razão da demanda dos investidores.

A estatal captou R$ 1,694 bilhão na segunda série das debêntures. A remuneração ficou 0,10% abaixo do rendimento do Tesouro IPCA+ com vencimento em 2028, o equivalente a 4,2186% ao ano. O teto para essa série, que tem prazo de dez anos, era de 0,35% acima do título público.

Embora a taxa das debêntures tenha ficado abaixo dos títulos públicos, o rendimento final para o investidor será maior, graças à isenção de IR.

Uma forma simples de calcular esse ganho é dividir a taxa de juros da debênture por 0,85, que equivale a incorporar no rendimento o imposto de 15% cobrado para investimentos em renda fixa acima de dois anos.

A Petrobras emitiu ainda uma terceira série, que não conta com o incentivo fiscal, a 106,25% do CDI - também abaixo do teto, que era de 110,5% do CDI. O volume colocado em debêntures nessa série foi de R$ 1,008 bilhão.

Para onde vai o dinheiro?

A Petrobras pretende usar os recursos captados com a emissão de debêntures nas atividades de exploração e avaliação na área dos blocos de Franco, Florim, Nordeste de Tupi e Entorno de Iara. Eles fazem parte do contrato de cessão onerosa firmado entre a estatal e a União. Outra parte do dinheiro será usada no desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural nos campos de Búzios, Itapu, Sépia e Atapu.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies