Menu
2019-05-10T10:30:49-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

O que é essa tal de reunião do Copom e o que raios eu tenho a ver com isso?

Entenda a função do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, e como ele pode afetar a sua vida

10 de maio de 2019
5:30 - atualizado às 10:30

Na última quarta-feira (08), o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. Mas se você chegou agora ao mundo do economês e não faz ideia do que eu estou falando, o vídeo a seguir vai te explicar, em três minutinhos, o que é o Copom, qual a sua função, quem é essa tal de Selic e o que raios tudo isso tem a ver com a sua vida e o seu bolso.

Confira na íntegra a transcrição do texto do vídeo sobre o que é o Copom e como ele afeta a sua vida

Volta e meia você deve ouvir falar de uma tal de reunião do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central. Esse evento, que acontece a cada 45 dias, tem grande importância para a economia brasileira e os investidores. Mas você sabe por quê? Reunião do Copom: e eu com isso?

O Copom é formado pelo presidente do Banco Central e os seus diretores, que se reúnem por dois dias, a cada período de um mês e meio, para decidir sobre os rumos da taxa básica de juros, a Selic. Em outras palavras, o Copom decide se a Selic será mantida, aumentada ou cortada, de acordo com as perspectivas econômicas.

A taxa Selic é o principal instrumento de política monetária do país. É por meio dela que o Banco Central controla a inflação. É que a Selic serve de parâmetro para todas as taxas de juros praticadas por aí: os empréstimos e financiamentos bancários e também aqueles feitos via mercado de capitais, na figura das aplicações de renda fixa. Isso quer dizer que a Selic serve de referência para a remuneração dos títulos públicos federais, que é a dívida do governo, e para os títulos de renda fixa privada, tanto de bancos como de empresas.

O raciocínio geral é o seguinte: qualquer transação de crédito com mais risco do que emprestar dinheiro para o governo federal tem que ter um juro maior do que a Selic. Então quando o Copom baixa a taxa básica de juros, ele abre um espaço pra que todas as taxas de juros do sistema financeiro caiam. Quando ele aumenta a taxa, os juros no geral também tendem a aumentar.

Quando temos uma expectativa de aumento inflacionário, o Bacen pode elevar a Selic para encarecer o crédito e desestimular o consumo, de forma a baixar a inflação. Do contrário, quando a alta dos preços está mais controlada, o Bacen pode optar por baixar a taxa básica de juros de forma a incentivar o consumo e os investimentos e, com isso, estimular a atividade econômica. Ou seja, a Selic também pode ser usada como ferramenta de estímulo ao crescimento.

E como isso afeta o seu bolso? Bem, de forma geral, uma Selic mais alta ou com expectativa de alta beneficia os ativos de renda fixa pós-fixada, que são aqueles com remuneração atrelada à própria Selic ou ao CDI, uma taxa que anda coladinha com a taxa básica. Já uma Selic mais baixa ou em queda tende a beneficiar a renda fixa prefixada, o mercado imobiliário e os investimentos em renda variável, como é o caso das ações.

Por isso, é interessante que o investidor esteja sempre de olho nas reuniões do Copom e também na ata do evento, divulgada uma semana depois. O texto pode dar pistas do que esperar pra próxima reunião.

Gostou do vídeo? Então se inscreve no canal do Seu Dinheiro no YouTube e clica no sininho pra receber as notificações. E pode deixar dúvidas e ideias pra outros vídeos no campo dos comentários.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Inflação no horizonte

Choque de preços tem causa temporária, mas persistência maior, diz Campos Neto

Em coletiva do RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os efeitos dos choques de preços têm durado mais que o previsto

De São Roque para o mundo

Aeroporto da JHSF recebe autorização para operar voos internacionais

Com aval das autoridades, São Paulo Catarina se tornará o primeiro aeroporto internacional exclusivamente dedicado à aviação executiva no país

Planos decolando

Eve faz parceria com Blade para disponibilizar eVTOL nos EUA, diz Embraer

A Eve planeja disponibilizar, junto a seus parceiros locais, até 60 aeronaves para uso da Blade pelos EUA a partir de 2026

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies