Menu
2019-06-07T18:43:07-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

24 de maio de 2019
19:26 - atualizado às 18:43
Cielo – Luz no fim do Tunel
Cielo trouxe péssimas notícias aos seus investidores - Imagem: Andrei Morais - Montagem/Shutterstock

A vida de fato não está nada fácil para a Cielo (CIEL3). A diretoria da empresa de maquininhas de cartão resolveu retirar a projeção de lucro para 2019 entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões.

O chamado "guidance" havia sido anunciado em janeiro deste ano aos investidores. Em comunicado divulgado ao mercado, a empresa controlada por Bradesco e Banco do Brasil não estabeleceu novas estimativas.

E olha que as projeções que a Cielo já não eram lá grandes coisas. No melhor cenário, o lucro de R$ 2,6 bilhões estimado pela companhia representava uma queda de 20% em relação a 2018.

E não para por aí: a distribuição de dividendos e de juros sobre capital próprio no segundo, terceiro e quarto trimestre foi cortada de 70% para apenas 30% do resultado. A empresa já pagou para seus acionistas os dividendos relativos ao primeiro trimestre.

A enxurrada de más notícias confirma os grandes desafios que a Cielo tem enfrentado, já que a empresa batalha para não perder a liderança de mercado no Brasil. Só de olhar o balanço do 1º trimestre, divulgado em abril, já dava para perceber que a companhia teria dificuldades em entregar o lucro bilionário.

A própria Cielo admitiu em seu comunicado que as decisões anunciadas nesta sexta-feira, 24, "refletem o ambiente competitivo no qual a Cielo está inserida e que tem se tornado mais acirrado ao longo dos últimos meses em face de ações anunciadas e implementadas por outras companhias do setor".

Vale lembrar que o estrago da guerra das maquininhas se reflete nas ações da Cielo, que acumulam uma queda da ordem de 12% no ano e perderam mais da metade do valor no acumulado de 12 meses.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

comércio eletrônico

Desde o início da pandemia, e-commerce brasileira já ganhou 135 mil lojas

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), desde o início da pandemia mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado

atualização dos dados

Brasil tem 1,66 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Foram 1.254 novas mortes e 45.305 novas pessoas infectadas registradas nas últimas 24 horas, conforme atualização do Ministério da Saúde divulgada hoje

destravando o crédito

Banco do Brasil atinge R$ 3,3 bilhões em empréstimos no Pronampe em dois dias

Banco do Brasil se aproxima, assim, da meta de esgotar os recursos da iniciativa, aposta do governo Bolsonaro para destravar o crédito, ainda nesta semana

Prévia operacional

MRV bate recorde de vendas no 2º trimestre, totalizando R$ 1,81 bi e 11,5 mil unidades

Segundo prévia operacional, companhia também bateu recorde de volume de repasses, graças à regularização do Minha Casa Minha Vida

seu dinheiro na sua noite

A bolsa cheia e um restaurante vazio

Depois de quase quatro meses em home office, voltei a pisar hoje na redação do Seu Dinheiro. Foi uma passagem de um único dia para tratar de alguns assuntos com a Marina Gazzoni. Ela já retomou a rotina de vir ao nosso escritório duas vezes por semana, enquanto eu sigo na equipe que está em home […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements