Menu
2019-06-07T18:43:07-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

24 de maio de 2019
19:26 - atualizado às 18:43
Cielo – Luz no fim do Tunel
Cielo trouxe péssimas notícias aos seus investidores - Imagem: Andrei Morais - Montagem/Shutterstock

A vida de fato não está nada fácil para a Cielo (CIEL3). A diretoria da empresa de maquininhas de cartão resolveu retirar a projeção de lucro para 2019 entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões.

O chamado "guidance" havia sido anunciado em janeiro deste ano aos investidores. Em comunicado divulgado ao mercado, a empresa controlada por Bradesco e Banco do Brasil não estabeleceu novas estimativas.

E olha que as projeções que a Cielo já não eram lá grandes coisas. No melhor cenário, o lucro de R$ 2,6 bilhões estimado pela companhia representava uma queda de 20% em relação a 2018.

E não para por aí: a distribuição de dividendos e de juros sobre capital próprio no segundo, terceiro e quarto trimestre foi cortada de 70% para apenas 30% do resultado. A empresa já pagou para seus acionistas os dividendos relativos ao primeiro trimestre.

A enxurrada de más notícias confirma os grandes desafios que a Cielo tem enfrentado, já que a empresa batalha para não perder a liderança de mercado no Brasil. Só de olhar o balanço do 1º trimestre, divulgado em abril, já dava para perceber que a companhia teria dificuldades em entregar o lucro bilionário.

A própria Cielo admitiu em seu comunicado que as decisões anunciadas nesta sexta-feira, 24, "refletem o ambiente competitivo no qual a Cielo está inserida e que tem se tornado mais acirrado ao longo dos últimos meses em face de ações anunciadas e implementadas por outras companhias do setor".

Vale lembrar que o estrago da guerra das maquininhas se reflete nas ações da Cielo, que acumulam uma queda da ordem de 12% no ano e perderam mais da metade do valor no acumulado de 12 meses.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Possível bolha?

Como a GameStop, que era tida como um fracasso em potencial, virou a ação mais quente (e perigosa) de Wall Street?

A companhia de 37 anos virou o foco de uma batalha estilo Davi e Golias (ou na “gíria gamer”, estilo Kratos e Cronos, da franquia God Of War) entre um exército de pequenos investidores e Wall Street.

dia de cão

Boeing cai mais de 4% após resultados do 4º trimestre

Desempenho financeiro abaixo do esperado ofusca notícia de liberação de voos com o avião 737 Max pelas autoridades europeias

Exile on Wall Street

O ano das microcaps?

Podemos ter outro pacote fiscal nos EUA, enfraquecendo o dólar e liberando mais recursos para os mercados emergentes

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

esclarecendo

Decisão de privatizar Eletrobras é do Legislativo, diz Ferreira Junior

Executivo, que está de partida, afirmou que o governo federal tem interesse no processo, mas Congresso tem ritmo próprio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies