🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
DÉBITO OU CRÉDITO?

Cielo (CIEL3) reage e ação dobra de valor no ano, mas ainda está longe de vencer a “guerra das maquininhas”

As ações da companhia controlada por Bradesco e Banco do Brasil disparam hoje em reação ao balanço do segundo trimestre, mas perda de clientes e saída de CEO preocupam

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
3 de agosto de 2022
15:31 - atualizado às 18:38
Maquininha da Cielo (CIEL3)
Maquininha da Cielo - Imagem: Divulgação

Principal vítima da "guerra das maquininhas" de cartão, a Cielo (CIEL3) mostrou que está viva. As ações da companhia disparam no pregão desta quarta-feira em reação ao balanço do segundo trimestre, que superou as estimativas mais otimistas do mercado.

Além do salto no lucro do período, a empresa controlada por Bradesco e Banco do Brasil conseguiu avançar no volume de transações realizadas nas maquininhas sem comprometer ainda mais as margens.

O resultado sustenta a aposta dos investidores que apostaram na reação da companhia. Com a alta de 10% hoje, os papéis da Cielo acumulam valorização de mais de 100% no ano. Isso em um período em que o Ibovespa — principal índice de ações da B3 — tem um desempenho pífio e as ações das concorrentes amargam forte queda.

Podemos dizer, portanto, que a Cielo venceu uma batalha neste segundo trimestre. O balanço positivo inclusive ajuda PagSeguro e Stone, cujas ações também sobem forte hoje.

Mas as notícias que acompanharam a divulgação dos resultados também trazem sinais de que a guerra das maquininhas ainda está longe do fim para a companhia.

Cielo: o que agradou

O primeiro número que chamou a atenção no resultado da Cielo foi o lucro líquido de R$ 635,3 milhões. Afinal, trata-se de um crescimento de 252% em relação ao mesmo período do ano passado.

Esse resultado, vale dizer, foi turbinado pela venda da empresa norte-americana MerchantE. Mas o lucro ajustado, que tira esse efeito da conta, também apresentou um avanço considerável de 112% e somou R$ 383 milhões.

“Nossa elevação na recomendação da ação para outperform (compra) foi impulsionada pela revisão para cima de nossas estimativas para o lucro líquido, que agora parecem conservadoras”, escreveram os analistas do Itaú BBA. O banco projeta um resultado de R$ 1,2 bilhão para a Cielo neste ano.

A companhia também mostrou um crescimento considerável de 34% no volume de transações com cartões nas maquininhas. O chamado TPV, no jargão da área, atingiu R$ 221 bilhões, o maior da história da empresa.

O volume em alta é importante porque mostra que a Cielo deixou de perder participação para a concorrência. Outra boa notícia é que a empresa conseguiu fazer isso sem canibalizar ainda mais o mercado.

Ao contrário, o chamado yield — percentual das vendas nas maquininhas que se transformam em receita para a companhia — subiu de 0,67% para 0,71% no trimestre. Na comparação com o mesmo período do ano passado, porém, o yield teve uma pequena queda.

Por fim, o aumento das despesas em um ritmo menor que o da inflação do período foi outro fator que agradou no balanço e ajudou a impulsionar as ações.

O que não agradou: perda de clientes (e de presidente)

Para quem quer enxergar o copo da Cielo meio vazio, duas notícias chamaram a atenção. A primeira foi a continuidade de uma tendência que a empresa ainda não conseguiu quebrar desde o acirramento da guerra das maquinhas: a perda de clientes.

A base da companhia encerrou o segundo trimestre em 1,109 milhão, uma redução de 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

Por outro lado, o ritmo de perda de clientes desacelerou na comparação com os três primeiros meses do ano, e até apresentou um pequeno avanço nos varejistas de menor porte, onde as margens são melhores.

O que também chamou a atenção do mercado foi anúncio da saída de Gustavo Sousa do cargo de CEO da Cielo. Apontado como um dos responsáveis pela virada da companhia, Sousa entrou na Cielo como diretor financeiro e assumiu o comando em maio do ano passado.

Enquanto Bradesco e Banco do Brasil buscam um novo CEO para a empresa, Renata Andrade Daltro dos Santos, atual vice-presidente comercial de grandes contas, assume interinamente a presidência da Cielo.

Assista também: O que fazer com as ações da Oi (OIBR3)

Compartilhe

PROBLEMAS NOS HOTÉIS?

Por que os dividendos do fundo imobiliário HTMX11 tiveram um corte brusco em fevereiro? Confira a explicação da gestão

28 de fevereiro de 2024 - 12:17

O fundo de hotéis comunicou, no início do mês, que pagaria R$ 0,86 por cota aos investidores, contra R$ 3,25 em janeiro.

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa sente pressão do exterior negativo e recua após inflação e PIB dos EUA; dólar sobe a R$ 4,95

28 de fevereiro de 2024 - 7:24

RESUMO DO DIA: O Ibovespa iniciou o pregão desta quarta-feira (28) em queda, acompanhando a cautela das bolsas internacionais. O dólar, por sua vez, avança aos R$ 4,96 no mercado à vista. De olho nos Estados Unidos, as atenções concentram-se no calendário de indicadores. A segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) mostrou um crescimento anualizado […]

PORTFÓLIO DE GIGANTES

XPML11 fecha acordo com empresa da B3 e pagará mais de R$ 1,8 bilhão por ‘pacotão’ de shoppings centers

27 de fevereiro de 2024 - 18:41

O fundo imobiliário assinou um memorando para ficar com participações detidas pela Syn Prop & Tech em seis shoppings centers

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em alta e sustenta os 131 mil pontos, ajudado por Vale (VALE3) e IPCA-15 abaixo do esperado; dólar recua a R$ 4,93

27 de fevereiro de 2024 - 7:14

RESUMO DO DIA: Diversos tons de verde tingiram a sessão da bolsa brasileira nesta terça-feira (27), que conseguiu escapar do ritmo de cautela do exterior e atingiu os 131 mil pontos. Por aqui, o foco dos investidores esteve no IPCA-15, que subiu em fevereiro, mas menos do que estimavam os analistas de mercado. A prévia […]

FIIs HOJE

Os dividendos deste fundo imobiliário saltaram mais de 1200% após venda de ativo e devem seguir em alta no semestre, mas o FII já tem data para acabar

26 de fevereiro de 2024 - 15:39

O FII em questão distribuiu R$ 0,41 por cota para seus pouco mais de 2.400 cotistas neste mês, contra cerca de R$ 0,03 em janeiro

SAIBA MAIS SOBRE O NEGÓCIO

Fundo imobiliário TRXF11 troca oito lojas por três, mas vai lucrar mais de R$ 100 milhões com a transação e reduzir dívidas

26 de fevereiro de 2024 - 11:23

O FII fechou um acordo para vender oito imóveis atualmente locados para o Assaí e o GPA e comprar três lojas cuja inquilina é a Decathlon

MAIS DINHEIRO NO BOLSO

Nubank: cofundadora e executivos embolsam R$ 60 milhões em nova venda de ações

26 de fevereiro de 2024 - 10:01

Cris Junqueira vendeu o equivalente a US$ 8,450 milhões (R$ 42 milhões) em ações do Nubank após resultado do quarto trimestre do banco digital

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa fecha em leve alta, ajudado pela valorização da Petrobras (PETR4); dólar recua a R$ 4,98

26 de fevereiro de 2024 - 7:37

RESUMO DO DIA: A bolsa brasileira conseguiu escapar do tom de cautela do exterior e encerrou a segunda-feira (26) no campo positivo. Lá fora, os mercados financeiros globais terminaram o dia mistos.  O Ibovespa fechou o pregão em leve alta de 0,15%, aos 129.609 pontos. Já o dólar recuou 0,23%, cotado a R$ 4,9815 no […]

FINALMENTE

Um rombo ainda maior para Lemann: Americanas (AMER3) reporta aumento da dívida, prejuízo bilionário e vendas em queda

26 de fevereiro de 2024 - 7:25

Vendas nos canais digitais da Americanas despencaram 79,2% — e um dos motivos foi a perda de credibilidade da varejista

ENTREVISTA COM O GESTOR

Como a gestora que já investiu mais de US$ 7 bilhões em imóveis quer lucrar com o aluguel residencial no Brasil

26 de fevereiro de 2024 - 6:58

Paladin lista oportunidades para investidores em imóveis residenciais para renda, mas vê um risco na fonte de dinheiro desse mercado

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies