A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2019-10-30T07:30:48-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Super Quarta-feira

Decisão de juros do Fed e do Copom, entrevista de Powell, dados da ADP sobre emprego e PIB dos EUA recheiam a agenda econômica do dia

30 de outubro de 2019
5:32 - atualizado às 7:30
QuartaSuper (1)
No Brasil, mercado repercute reportagem que cita Bolsonaro nas investigações da morte de Marielle

A “Super Quarta-feira” deve ser marcada pela cautela no mercado financeiro, com os investidores em compasso de espera pelas decisões do Federal Reserve (Fed), às 15h, e do Comitê de Política Monetária (Copom), no fim do dia. Em ambos os casos, espera-se manutenção no ritmo de corte dos juros, com suas respectivas taxas caindo pela terceira reunião seguida, o que desloca as expectativas para os próximos passos.

Afinal, é grande a chance de o processo de afrouxamento monetário chegar ao fim - ao menos nos Estados Unidos. Por lá, as apostas são de que, após dar início a um “ciclo preventivo”, visando atenuar o impacto da guerra comercial na atividade, o Fed deve adotar a postura de “esperar para ver” como a economia norte-americana irá reagir aos estímulos já lançados.

Com isso, as chances de não haver alterações na política monetária dos EUA em dezembro são grandes, mas o ciclo de cortes pode ser retomado no ano que vem. Qualquer sinalização contrária a esse consenso deve agitar os ativos globais. Por isso, os investidores estarão atentos às palavras no comunicado que acompanhará a decisão do Fed, bem como durante a entrevista coletiva do presidente Jerome Powell, às 15h30.

À espera desses eventos, os mercados internacionais flutuam ao redor da estabilidade, com os investidores não encontrando forças para renovar o ímpeto e estender o recente rali dos ativos de risco. Os índices futuros das bolsas de Nova York estão na linha d’água, com um ligeiro viés negativo, o que pressiona a abertura do pregão europeu, em meio à divulgação de uma série de balanços. Na Ásia, as principais bolsas também fecharam no vermelho.

Já o dólar e os títulos norte-americanos estão de lado, enquanto o petróleo cai e o ouro oscila. Os investidores também acompanham as regras estabelecidas pelos democratas da Câmara dos Representantes para a investigação em torno do processo de impeachment contra o presidente norte-americano Donald Trump, que deve se tornar pública.

Além disso, ao mesmo tempo em que autoridades dos EUA têm se empenhado em anunciar nos últimos dias o progresso nas negociações comerciais com a China, Washington afirma que um acordo referente à primeira fase pode não estar pronto para ser assinado durante a cúpula no Chile no mês que vem. Pequim, por sua vez, acusa os EUA de “bullying” comercial, por sugerir a proibição de equipamentos de telecomunicações chineses nas redes norte-americanas.

Aqui entre Copom e Bolsonaro

Diante dessa sinalização indefinida vinda do exterior, os mercados domésticos devem redobrar a cautela, à espera de pistas do Copom. Apesar do novo corte de 0,50 ponto na Selic, para 5%, ser amplamente esperado, os investidores ponderam quanto mais estímulos devem ser dados pelo BC brasileiro.

A dúvida recai na duração do ciclo de cortes e no nível da taxa básica de juros ao final do processo, com muitos vendo uma extensão até a taxa alcançar 4% - ou menos - já no início de 2020. Essa incerteza deve permear os negócios locais ao longo do dia, uma vez que a decisão do Copom será conhecida apenas por volta das 18h.

Com isso, a reação à decisão e ao comunicado do Copom fica adiada para amanhã. Enquanto aguardam, os negócios locais também podem medir a repercussão de reportagem da TV Globo que citou o presidente Jair Bolsonaro nas investigações da morte da vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.

Segundo o Jornal Nacional, registros da portaria do condomínio onde moram o principal suspeito de ter cometido as execuções e também o presidente mostram que, o outro suspeito do crime, Élcio de Queiroz, entrou no local dizendo que iria à casa do então deputado Bolsonaro. Élcio, porém, foi à casa onde morava Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle e Anderson.

O agora presidente nega que alguém na sua casa tenha autorizado a entrada. Além disso, registros de presença mostram que o deputado estava em Brasília no dia, e não no Rio. Investigadores estão recuperando os arquivos de áudio da guarita para saber com quem, de fato, o porteiro conversou. A citação do nome do presidente no caso torna obrigatório que a Corte Suprema (STF) analise o caso, o que tende a gerar maior apreensão.

Dia de agenda cheia

O radar dos mercados domésticos também tende a seguir no exterior, já que a agenda econômica também reserva uma série de indicadores de peso nos EUA. O destaque fica com o relatório da ADP sobre a criação de postos de trabalho no setor privado norte-americano em outubro, às 9h15.

Os números são tidos como uma prévia para os dados oficiais (payroll), na sexta-feira, sendo que ambos devem sentir o impacto da greve na montadora GM. Também merecem atenção os dados preliminares do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no terceiro trimestre deste ano, às 9h30.

Os números devem refletir a escalada da tensão comercial com a China em agosto, seguida do arrefecimento da disputa, o que tende a provocar uma ligeira desaceleração da atividade, a 1,6%, no período de julho a setembro. Ainda no calendário do dia nos EUA, saem os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (11h30).

Já no Brasil, às 8h, será conhecida mais uma sondagem, desta vez sobre a confiança no setor de serviços. No mesmo horário, sai o resultado de outubro do IGP-M, que deve voltar a subir, após a tendência de queda nos meses anteriores.

Na temporada doméstica de balanços, destaques para os resultados de Santander, Lojas Americanas, Pão de Açúcar, B2W e Gerdau. No eixo Europa-Ásia, saem o índice de confiança do consumidor na zona do euro em outubro, logo cedo, e os índices PMI sobre a atividade dos setores industrial e de serviços na China em outubro, à noite.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsa local reage aos balanços do Magalu (MGLU3) e varejistas enquanto exterior se recupera de ‘semana da inflação’ hoje

12 de agosto de 2022 - 7:42

Sem maiores indicadores para o dia, os investidores internacionais buscam novas pistas do aperto monetário do Federal Reserve

Balanço

Oi (OIBR3) sai de lucro para prejuízo no 2T22, mas dívida líquida desaba

12 de agosto de 2022 - 6:45

Oi reportou prejuízo líquido de R$ 320,8 milhões entre abril de junho, vinda de um lucro de R$ 1,09 bilhão no mesmo período do ano anterior

SOCIEDADE ANÔNIMA DO FUTEBOL

De olho no dinheiro de investidores, 15 clubes de futebol viraram SAF, mas só três acharam parceiro; veja quais

12 de agosto de 2022 - 6:22

Botafogo, Cruzeiro e Vasco já colhem os frutos da SAF, mas outros 12 times ainda não acharam parceiro; clube tradicional recusou a SAF mesmo com investidor interessado

SEXTOU COM O RUY

Investir em estatal vale a pena? Uma reflexão sobre como o Banco do Brasil (BBAS3) subverteu as máximas dos manuais de investimentos

12 de agosto de 2022 - 5:57

Banco do Brasil (BBAS3) negocia com múltiplos baixos demais para a qualidade dos resultados que tem apresentado e ainda guarda um bom potencial de valorização

NOITE CRIPTO

Cansou? Alta do bitcoin (BTC) perde força, mas semana deve encerrar com ganhos

11 de agosto de 2022 - 20:28

Mais cedo, o BTC subiu mais de 6%, embalado pelos dados de inflação dos EUA, que sinalizaram que um aperto monetário mais agressivo pode não acontecer

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies