Menu
2019-10-24T06:27:06-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Balanços embalam mercado

Resultados corporativos melhores que o esperado afastam temor quanto à desaceleração econômica global

24 de outubro de 2019
5:34 - atualizado às 6:27
BALANCOEMBALA
Pesos-pesado Vale e Petrobras publicam seus balanços, após o fechamento do mercado

Os mercados internacionais amanheceram em alta nesta quinta-feira, com uma série de resultados corporativos melhores que o esperado ajudando os investidores a afastarem mais sinais de que o crescimento econômico global está perdendo tração. E o dia reserva os balanços trimestrais das peso-pesado Vale e Petrobras, após o fechamento do mercado.

Ambas as blue chips devem apresentar um desempenho robusto no terceiro trimestre. Mas a “super quinta-feira” começa com a última decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) sob o comando de Mario Draghi, às 8h45. Não se espera nenhuma mudança antes da nova direção. Draghi também se despede na entrevista coletiva, a partir das 9h30.

À espera do BCE e embalada pelos números da Daimler, BASF, AstraZeneca, entre outras, as principais bolsas europeias abriram em alta. A sessão também foi de ganhos na Ásia, exceto em Xangai, que fechou em ligeira baixa, diante da falta de novidades sobre a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Os índices futuros das bolsas de Nova York também estão no azul, embalados pelos balanços de Tesla e Microsoft.

Nos demais mercados, o dólar está de lado, sendo que a libra esterlina aguarda uma definição sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). Já o petróleo recua, devolvendo parte da alta após a inesperada queda nos estoques norte-americanos da commodity.

Bola da vez

Com o lucro líquido e as margens superando as expectativas, apesar de queda nas receitas, a temporada de balanços no exterior está suavizando o temor do mercado financeiro em relação ao desempenho da economia global no horizonte à frente, mesmo com alertas de várias empresas em relação às incertezas causadas pela guerra comercial.

A questão é que os investidores estavam esperando pelo pior. Talvez, por isso, os números apresentados estão vindo melhores que o esperado. De qualquer forma, o desempenho no exterior pode dar continuidade ao rali dos mercados domésticos, um dia após o Ibovespa renovar o recorde pela terceira sessão seguida e o dólar cair abaixo de R$ 4,05.

Por aqui, após a aprovação da reforma da Previdência, os investidores estão na expectativa pela continuidade da chamada “agenda positiva” no Congresso e pelos próximos indicadores econômicos, que podem mostrar maior tração da atividade doméstica. Daí então que o Brasil pode ser “a bola da vez” em 2020, com o país atraindo recursos externos que visam os investimentos (produtivos e financeiros).

Agenda traz também dados de atividade

Ainda na agenda econômica do dia, saem dados preliminares deste mês sobre a atividade nos setores industrial e de serviços na zona do euro, logo cedo. Também será conhecido o índice IFO de confiança do empresário na Alemanha em outubro.

Nos EUA, saem os pedidos de bens duráveis em setembro e os pedidos semanais de auxílio-desemprego, ambos às 9h30. Depois, às 10h45, é a vez da prévia sobre a atividade na indústria e no setor de serviços do país em outubro. Também serão conhecidos mais indicadores do setor imobiliário no mês passado (11h).

A pré-abertura em Nova York tem o balanço do Twitter e, após o fechamento em Wall Street, sai o resultado da Amazon.

No Brasil, a agenda de indicadores econômicos traz o índice de confiança do consumidor em outubro (8h) e o Banco Central publica a nota do setor externo em setembro (10h30). Na safra de balanços, também saem os resultados de Lojas Renner, no fim do dia, e de Grendene e Fleury, antes da abertura do pregão local.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

crise do setor aéreo

CVC aumenta estimativa com erro contábil e estima perdas de R$ 660 milhões com pandemia

Empresa havia adiado a divulgação dos resultados ainda do quarto trimestre de 2019; balanço ainda não foi divulgado e empresa revelou nesta terça os primeiros impactos da crise do coronavírus

esquenta dos mercados

Após ganhos recentes, incertezas com covid-19 e economia voltam a pesar nos mercados

Com avanço do coronavírus nos EUA e dados mais fracos na Europa, expectativa por recuperação em V dá lugar à cautela

crise no setor

Azul inicia demissões e sindicato afirma que já são mais de mil em todo o País

Empresa informa estar buscando soluções para enfrentar a crise decorrente da pandemia da covid-19

disputa em meio à crise

Acordo com Gol acirra disputa entre sócios da Smiles

Segundo sócios do Carpena Advogados, as operações de compra antecipada de passagens “não estão sendo realizadas pelo interesse da companhia, mas da sua controladora”

caçador de assimetrias

Admirável semestre novo: riscos e oportunidades para a segunda metade do ano

Devemos parar, respirar fundo e observar o panorama de risco, antes de refletir sobre uma suposta alocação ideal. Sobre os risco, eu poderia enumerá-los; veja neste texto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements